Ironia como Destruição da Objetividade em Macbeth: A Tragédia Shakespeariana à Luz da Teoria Estética de Hegel

Rodrygo Rocha Macedo

Resumo


O presente trabalho propõe demonstrar a aplicabilidade do conceito de Ironia apresentada por Hegel em seus Cursos de Estética dentro de uma produção artística. Para o artigo em questão, selecionou-se a peça Macbeth, escrita pelo dramaturgo inglês William Shakespeare. A partir do objetivo principal do trabalho ora apresentado, mostrar-se-á que os aspectos violentos e fantasmagóricos da aludida peça são manifestações da ironia no autor. Para auxiliar a execução do tema proposto, far-se-á uso de comentários vertidos da pena do teórico da Literatura Harold Bloom. De igual modo, perceber-se-á que a noção do irônico (das Ironische) em Hegel não se restringe apenas a suas exposições sobre estética, mas guarda semelhanças estruturais com elementos importantes do seu método, como é o caso da noção de “consciência infeliz” presente na Fenomenologia do Espírito.


Palavras-chave


Ironia; Hegel; Macbeth.

Texto completo:

PDF

Referências


BATES, Jennifer Ann. Hegel and Shakespeare on Moral Imagination. New York: State University of New York Press, 2010, 402 pgs.

BLOOM, Harold. The anxiety of influence. New York: Oxford University Press, 1997.

_____________. Gênio: os 100 autores mais criativos da história da literatura. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.

_____________. Shakespeare: a invenção do humano. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

EGGINTON, William. “Cervantes, Irony and making of reality”. MLN, Volume 117, Number 5, December 2002 (Comparative Literature Issue), pp. 1040-1068 (Article) Johns Hopkins University Press.

FREUD, Sigmund. “Arruinados pelo êxito”. In: Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud – Volume XIV. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1986.

HEGEL, G. W. F. Cursos de estética – Volume I. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

_____________. On Tragedy. Westport (USA): Greenwood Press, 1962.

MONTENEGRO, Maria Aparecida de Paiva. Pulsão de morte e racionalidade no pensamento freudiano. Fortaleza: Editora UFC, 2002.

SAFATLE, Vladimir. Muito longe, muito perto: dialética, ironia e cinismo a partir da leitura hegeliana de O sobrinho de Rameau. Artefilosofia, Ouro Preto, n. 2, p. 36-55, jan. 2007.

SHAKESPEARE, William. Macbeth. São Paulo: Agir, 2008.

_____________. Macbeth. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1998.

_____________. Macbeth. Hertfordshire (Great Britain): Wordsworth Editions, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-4012.2016.1.20464

O conteúdo dos textos publicados pela intuitio é de inteira responsabilidade de seus respectivos autores e não expressa necessariamente as opiniões de seus editores.

Revista eletrônica dos discentes do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da PUCRS.


e-ISSN: 1983-4012

 


Indexação: LATINDEX 

 


Programa de Pós-Graduação em Filosofia - PUCRS
Veritas

EDIPUCRS: Revistas Eletrônicas da PUCRS
PORTAL: www.pucrs.br

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS