A Imparcialidade em John Stuart Mill: uma virtude judicial

everton miguel maciel

Resumo


O presente artigo explora a ideia de imparcialidade na teoria política de John Stuart Mill. Trata-se de uma virtude judicial importante na história do liberalismo inglês por oferecer uma chave de leitura inédita à dicotomia da liberdade como diametralmente oposta à igualdade, aqui entendida do ponto de vista político e judicial. Vamos discorrer sobre o problema tentando respeitar os parâmetros do utilitarismo clássico administrado ao longo de toda a obra Utilitarianism. Tentaremos mostrar que a imparcialidade está para o ambiente judicial da mesma forma que o conceito de igualdade está para o ambiente político liberal. Defendemos que a imparcialidade representa algum tipo de sanção interna, como uma exigência moral, reclamada somente quando nosso dever é exigido publicamente. A conclusão indicará fatos e valores como pertencentes ao mesmo modelo teórico, sem a possibilidade de se estabelecer um rompimento entre prescritivismo e descritivismo na construção de uma teoria moral com essas características. 


Palavras-chave


Justiça; Liberalismo; Imparcialidade; Democracia; Utilitarismo.

Texto completo:

PDF

Referências


MILL, J. S. Utilitarianism / Three Essays on Religion et al. In: Collected Works, v.10. Toronto: Toronto University Press; ROBSON, John (Ed.), 1969.

___________. On Liberty. In: Collected Works, v.18. Toronto University Press; ROBSON, John (Ed.), 1977.

BOUTON, C. W. John Stuart Mill: on liberty and history. The Western Political Quarterly. Salt Lake City: University of Utah, v.18, n.3, set., 1965, pp.569-578.

CARVALHO, M. C M. de. Utilitarismo em Foco: um encontro com seus proponentes e críticos. Florianópolis: UFSC, 2007.

CLARK, B. S.; ELLIOTT, J. E. John Stuart Mill's Theory of Justice. Review of Social Economy. London: Taylor & Francis, v.59, n.4, dez., 2001, pp.467-490.

CRISP, R. Mill on utilitarianism. London: Routledge, 1997.

DWORKIN, R. Levando os Direitos a Sério. Tradução: Nelson Boeira. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GUISÁN, E. Esperando por Mill. Tradução: Rita de Cássia Lana. In PELUSO, Luiz Alberto (org). Ética & Utilitarismo. Campinas: Alínea, 1998, pp111-130.

___________. Manifesto Hedonista. Barcelona: Anthropos, 1990.

IRWIN, T. Mill: earlier utilitarianism and its critics / Mill: a revised version of utilitarianism. The Development of Ethics. v.3. New York: Oxford University Press, 2009, pp.364-425.

SKORUPSKI, J. Why Read Mill Today? Routledge: London, 2008.

SMART, J. J. J C.; WILLIAMS, Bernard. Utilitarismo: pro y contra. Tradução: Jesus Rodriguez Marin. Madrid: Tecnos, 1981.

THILLY, F.. The Individualism of John Stuart Mill. The Philosophical Review. Durham: Duke University Press, v.32, n.1, jan., 1923, pp.1-17.

WILLIAMS, B. Moral: uma introdução à ética. São Paulo: Martins Fontes, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-4012.2015.2.18715

O conteúdo dos textos publicados pela intuitio é de inteira responsabilidade de seus respectivos autores e não expressa necessariamente as opiniões de seus editores.

Revista eletrônica dos discentes do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da PUCRS.


e-ISSN: 1983-4012

 


Indexação: LATINDEX 

 


Programa de Pós-Graduação em Filosofia - PUCRS
Veritas

EDIPUCRS: Revistas Eletrônicas da PUCRS
PORTAL: www.pucrs.br

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS