A justificação de uma moral compartilhada

Régis Franco Casarin

Resumo


Nesse texto exponho a análise que Tugendhat faz, no artigo O problema de uma moral autônoma, sobre a justificação de uma moral autônoma. Começo com a explanação sobre a diferença entre moral heterônoma e autônoma. Depois passo a apresentar a visão histórica sobre a temática da moral autônoma. Aqui o nosso autor analisa três visões: autonomia kantiana, Contratualismo e moral da compaixão de Schopenhauer. Exponho, então, o pensamento de Tugendhat sobre o que ele entende por moral autônoma, a necessidade desta ser compartilhada e ter por base e justificação uma raiz dupla: interesse próprio e compaixão. Finalmente faço algumas observações sobre o conceito de moral apresentado pelo próprio Tugendhat e sobre a realidade da justificação da moralidade exposta pelo nosso autor.


Texto completo:

PDF


ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


e-ISSN: 1983-4012


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.