A justificação de uma moral compartilhada

Régis Franco Casarin

Resumo


Nesse texto exponho a análise que Tugendhat faz, no artigo O problema de uma moral autônoma, sobre a justificação de uma moral autônoma. Começo com a explanação sobre a diferença entre moral heterônoma e autônoma. Depois passo a apresentar a visão histórica sobre a temática da moral autônoma. Aqui o nosso autor analisa três visões: autonomia kantiana, Contratualismo e moral da compaixão de Schopenhauer. Exponho, então, o pensamento de Tugendhat sobre o que ele entende por moral autônoma, a necessidade desta ser compartilhada e ter por base e justificação uma raiz dupla: interesse próprio e compaixão. Finalmente faço algumas observações sobre o conceito de moral apresentado pelo próprio Tugendhat e sobre a realidade da justificação da moralidade exposta pelo nosso autor.


Texto completo:

PDF


O conteúdo dos textos publicados pela intuitio é de inteira responsabilidade de seus respectivos autores e não expressa necessariamente as opiniões de seus editores.

Revista eletrônica dos discentes do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da PUCRS.


e-ISSN: 1983-4012

 


Indexação: LATINDEX 

 


Programa de Pós-Graduação em Filosofia - PUCRS
Veritas

EDIPUCRS: Revistas Eletrônicas da PUCRS
PORTAL: www.pucrs.br

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS