“Consequências inclusivas na fenomenologia de Husserl, Merleau-Ponty e Waldenfels”

Márcio Junglos (PUCRS)

Resumo


Esse trabalho tem com objetivo pesquisar as consequências inclusivas através de uma fenomenologia não objetivada. Husserl, através de seu conceito de mundo-da-vida proporcionará uma inclusividade que fomentará, nos processos constitutivos, a inclusão não só do eu, mas do mundo e do outro, inviabilizando reducionismos. Esse conceito de inclusividade será ampliado por Merleau-Ponty através da ideia de corpo-reflexionante, no qual, o eu como doador de sentido passará a ser cúmplice do sentido. Revisitando esses teóricos, Waldenfels se reportará mais às questões ético-práticas no visar de uma ética fenomenológica. Waldenfels vai se preocupar tanto mais com uma efetivação constante de uma responsividade ética, ou seja, a atitude filosófica envolverá muito mais uma tomada de decisões do que uma aspiração teórica. Em Waldenfels, as atitudes teóricas e naturais apresentam-se como desafios para a abertura da razão.

Palavras-chave


Husserl, Merleau-Ponty, Waldenfels, inclusividade.

Texto completo:

PDF


ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


e-ISSN: 1983-4012


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.