Jovens e sujeitos da História

Luis Fernando Cerri, Mariela Coudannes Aguirre

Resumo


Esse texto discute as concepções de jovens brasileiros, argentinos e uruguaios sobre os sujeitos na história, com base em seu aprendizado histórico escolar e extraescolar. Os dados foram obtidos a partir da pesquisa internacional “Jovens brasileiros e argentinos diante da História”, baseada em questionários para estudantes de 15 anos e seus professores, utilizando majoritariamente a escala Likert. Teoricamente, a pesquisa sustenta-se nos conceitos de consciência histórica e cultura histórica, tais como formulados pela Didática da História alemã, bem como no conceito de cultura política. Os resultados, em suma, apontaram que, dentro do universo pesquisado, as chamadas “personalidades importantes” típicas do ensino escolar da História são reconhecidas no que se refere aos “pais fundadores” das nações, mas não em sujeitos que representaram possibilidades alternativas no desenvolvimento da história nacional, o mesmo se dando com as personagens femininas. A ciência, a tecnologia e as invenções são vistas como um fator de mudança mais significativo do que as “pessoas importantes” e essas, por sua vez, são superadas pela importância reconhecida em movimentos coletivos.

Palavras-chave


Consciência histórica, Cultura histórica, Levantamento de dados intercultural

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2011.1.7488



e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.