EMIGRAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO CULTURAL A COLONIZAÇÃO ITALIANA NO RIO GRANDE DO SUL

Olivio Manfroi

Resumo


A colonização do território brasileiro, através de imigrantes europeus, sob o regime da pequena propriedade, contrariava os interesses da ordem colonial, voltados para a manutenção do latifúndio e do trabalho escravo. Os fazendeiros de café, diante da inevitável abolição do tráfico de africanos, recuperaram essa nova política de colonização, transformando-a em simples projeto de imigração para suas lavouras. A colonização foi mantida como justificativa e legitimação da imigração. As colônias italianas do Rio Grande do Sul foram o resultado dessa política de colonização - propaganda para uma imigração - espontânea. Os imigrantes, isolados, abandonados e segregados, criaram, do nada, seu universo de identificação cultural. A religião católica forneceu-lhes os elementos indispensáveis dessa reconstituição cultural. OM


Texto completo:

PDF

Referências


-




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.1975.2.36220

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.