As árvores que não deixam ver a floresta: natureza, agricultura e propaganda imigrantista no Brasil e na Argentina nas exposições universais do século XIX

Roberta Barros Meira, Daniel Campi, Mariluci Neis Carelli

Resumo


O presente trabalho examina a circulação de saberes nas exposições universais que ocorreram na segunda metade do século XIX. Pretende contribuir para essa discussão ao analisar os padrões de apresentação dos produtos nos pavilhões brasileiros e argentinos. Vale-se dos documentos produzidos pelas comissões para demonstrar a importância das riquezas naturais e agrícolas em um cenário de concorrência nos mercados internacionais, assim como dos relatórios apresentados pelo Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas do Brasil e pelo Departamento de Agricultura de la Republica Argentina. Nesse sentido, propõe-se a discutir as mudanças geradas pelo fortalecimento da ciência e dos técnicos, partindo da circulação de saberes e tecnologias entre um grupo de homens – que abarcava agricultores e estadistas. Escolheu-se trabalhar em duas direções: na vinculação das exposições mundiais com os projetos da elite agrária que priorizavam a exploração das riquezas naturais e, paralelamente, na ligação entre as exposições mundiais e a propaganda imigrantista.


Palavras-chave


Exposições universais. Riquezas naturais. Agricultura. Propaganda imigrantista.

Texto completo:

PDF

Referências


A LAVOURA: Boletim da Sociedade Nacional da Agricultura, Rio de Janeiro, 1899.

ALCORTA, Santiago. La Republica Argentina en la exposición universal de Paris de 1889. Paris: Sociedad Anónima de Publicaciones Periódicas, 1890. (Colección de informes reunidos por el delegado del gobierno D. Santiago Alcorta).

BRASIL. O Império do Brazil na Exposição Universal de 1876 em Philadelphia. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1876.

BRASIL. O Império do Brazil na Exposição Universal de 1873 em Vienna d’Áustria. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1873.

BRASIL. Relatório da Comissão que representou o Império do Brazil na Exposição Universal de Vienna D’Austria em 1873. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1874.

CAMPI, Daniel; BRAVO, María Celia. La agroindustria azucarera argentina: resumen historiográfico y fuentes. América Latina en la Historia Económica, [s. l.], v. 6, n. 11, p. 73-93, enero/jul. 1999.

CARDOSO, Ciro Flamarion; BRIGNOLI, Héctor Perez. O método comparativo na História. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; BRIGNOLI, Héctor Perez. Os métodos da História. Rio de Janeiro: Graal, 1979. p. 409-419.

CARRASCO, Gabriel. Del Atlántico al Pacifico y un argentino en Europa. Buenos Aires: Casa Editora, 1890.

COSTA, Angela Marques da; SCHWARCZ, Lilia Moritz. 1890-1914: no tempo das certezas. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

COUTY, Louis. Brasil em 1884: esboços sociológicos. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1984.

DANTAS, Regina Maria Macedo da Costa. Casa Inca ou Pavilhão da Amazônia? A participação do Museu Nacional na Exposição Universal Internacional de 1889 em Paris. 2012. Tese (Doutorado em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia) – Programa de Pós-graduação em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

DANTES, Maria Amélia (org.). Espaços da ciência no Brasil: 1800-1930. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.

DEAN, Warren. Latifundios y política agraria en el Brasil del siglo XIX. In: FLORESCANO (org.). Haciendas, latifundios y plantaciones en América Latina. México: Siglo Vientiuno Editores, 1975.

DUMAS, F. G. (dir.). Revista de la Exposición Universal de Paris en 1889. Barcelona: Montaner y Simon, 1889. FRERS, Emilio. En la administración pública. Buenos Aires: Imprenta Gadola, 1920.

FURTADO, Celso. Les Etats-Unis et le sous dévéloppement de l’ Amérique Latine. Paris: Celman-Lévy, 1970.

GRACIANO, Osvaldo Fábian. Estado, universidad y economía agroexportadora en Argentina: el desarrollo de las faculdades de agronomía y veterinaria de Buenos Aires y La Plata, 1904-1930. In: VALENCIA, Marta; MENDONÇA, Sonia Regina de (org.). Brasil e Argentina: estado, agricultura e empresários. Rio de Janeiro: Vício de Leitura, 2001. p. 233-266.

HEINZ, Flávio. Por outra história das elites. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

HOBSBAWN, Eric. Da revolução industrial inglesa ao imperialismo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1983.

HOLLANDA, Sérgio Buarque de. Prefácio do tradutor. In: DAVATZ, T. (org.). Memórias de um colono no Brasil (1858). São Paulo: EDUSP, 1972.

HOLLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LATZINA, Francisco. La Republique Argentine considérée au point de vue de l’agriculture & de l’elevage effectué em 1887 sous les áuspices de la commission argentine de l’exposition de Paris et compiles sous la Direction du Dr. Francisco Latzina. Paris: Socété Anonyme de Publications Périodiques, 1889.

LEFF, Enrique. La ecología política en América Latina: un campo en construcción. Sociedade e Estado, Brasília, v. 18, n. 1/2, p. 17-40, jan./dez. 2003. https://doi.org/10.1590/S0102-69922003000100003

LENZ, Maria Heloisa. A Buenos Aires do final do século XIX: a metrópole da Belle Époque Argentina. Revista Fênix, Uberlândia, ano 9, v. 9, n. 1, p. 1-19, jan./abr. 2012.

LISCIA, María Silvia di. Drogas y maderas para la nación argentina. Los recursos naturales en las exposiciones universales. In: LISCIA, Maria Silvia Di; LLUCH, Andrea (org.). Argentina en exposición-ferias y exhibiciones durante los siglos XIX y XX. Sevilha: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, 2009. (Colección Universos Americanos).

LOBO, Eulalia Maria Lahmeyer. História políticoadministrativa da agricultura no Brasil: 1808-1889. Brasília: Ministério da Agricultura, 1980.

LÓPEZ-OCÓN CABRERA, Leoncio. La formación de un espacio público para la ciencia en la América Latina durante el siglo XIX. Asclepio, Madrid, v. 50, n. 2, p. 205-225, 1998. https://doi.org/10.3989/asclepio.1998.v50.i2.343

MACOP. Edição fac-símile dos Anais do Congresso Agrícola, realizado no Rio de Janeiro, em 1878. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1988.

MACOP. Relatório apresentado à Assembleia Geral Legislativa na segunda sessão da décima quinta legislatura pelo Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas José Fernando da

Costa Júnior. Rio de Janeiro: Tipografia Commercial, 1873.

MACOP. Relatório que devia ser presente à Assembleia Geral Legislativa na Terceira sessão da Décima-primeira Legislatura pelo Ministro e secretário de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas Pedro de Alcântara Bellegarde. Rio de Janeiro: Tipografia Perseverança, 1863.

MENDONÇA, Sonia Regina. O ruralismo brasileiro: 1888-1931. São Paulo: Hucitec, 1997.

MENDONÇA, Sonia Regina. Agronomia e poder no Brasil. Rio de Janeiro: Vício de Leitura, 1998.

MOREIRA, Nicolau Joaquim. Indicações agrícolas para os imigrantes que se dirigirem ao Brasil. Rio de Janeiro: Imperial Instituto Artístico, 1875.

NOVAIS, Fernando Antônio. Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial: 1777-1808. São Paulo: Hucitec, 1979.

PÁDUA, José Augusto. As bases teóricas da história ambiental. Estudos Avançados, São Paulo, v. 24, n. 68, p. 81-101, 2010.

https://doi.org/10.1590/S0103-40142010000100009

PELLIZA, Mariano A. Manual del inmigrante en la República Argentina. Buenos Aires: Emprenta del Courrier de la Plata, 1888.

PENHOS, Marta. Saint Louis 1904: Argentina en escena. In: LISCIA, Maria Silvia Di; LLUCH, Andrea (org.). Argentina en exposición: ferias y exhibiciones durante los siglos XIX y XX. Sevilha: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, 2009. (Colección Universos Americanos). p. 59-84.

PLENCOVICH, María Cristina. La deriva de la educación agropecuaria en el sistema educativo argentino. 2003. Tesis (Doctorado en educación) – Universidad Nacional de Tres de Febrero, Universidad Nacional de Lanus, Buenos Aires, 2003.

PLUM, Werner. Exposições mundiais no século XIX: espetáculos da transformação sócio-cultural. Bonn: Friedrich-Ebert-Stifung, 1979.

PORTO-ALEGRE, Manoel Araújo. Saudosa oblação recitada na legislação brasileira e oferecida ao Exmo. Senhor Barão de Porto Seguro, enviado extraordinário e ministro plenipotenciário de S. M. o Imperador do Brasil e vice-presidente da comissão brasileira na exposição universal de Viena. Viena: Imperial e Real Tipografia, 1873.

PRADO, Maria Emília. Em busca do progresso: os engenhos centrais e a modernização das unidades açucareiras no Brasil. Rio de Janeiro: Papel Virtual, 2000.

PRADO, Maria Lígia Coelho. América latina no século XIX: tramas, telas e textos. São Paulo: EDUSP, 1999.

MURARI, Luciana. Natureza e cultura no Brasil. São Paulo: Alameda, 2009.

MURILLO SANDOVAL, Juan David. De lo natural y lo nacional: representaciones de la naturaleza explotable en la Exposición Internacional de Chile de 1875. Historia, Santiago de Chile, n. 48, p. 245-276, 2015. https://doi.org/10.4067/S0717-71942015000100007

PINTO RODRÍGUEZ, Jorge. Las exposiciones universales y su impacto en América Latina (1850-1930). Cuadernos de Historia, Santiago de Chile, n. 26, p. 57-89, marzo 2017.

SANJAD, Nelson. Exposições internacionais: uma abordagem historiográfica a partir da América Latina. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 785-826, 2017. https://doi.org/10.1590/s0104-59702017000300013

SQUEFF, Letícia. O Brasil nas letras de um pintor: Manuel de Araújo Porto-Alegre (1806-1879). Campinas: Unicamp, 2004.

STEPHAN, Beatriz González; ANDERMANN, Jens. Galerías del progreso: museos, exposiciones y cultura visual en América Latina. Rosário: Beatriz Viterbo, 2006.

SZMRECSÁNYI, Tamás. Esboços de história econômica da ciência e da tecnologia. In: SOARES, Luís Carlos (org.). Da revolução científica à big (business) science. São Paulo: Hucitec, 2001.

ZARRILLI, Adrián. Argentina, tierra de promisión. Una interpretación historiográfica de las relaciones entre la historia rural y la historia ambiental. Hib: Revista Historia Iberoamericana, v. 7, n. 1, p. 107-132, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2019.3.32599

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.