O longo século XX, a Nova República e os velhos problemas. A Carta Constitucional de 1988 e a recorrência do trabalho escravo contemporâneo no Brasil

Vitale Joanoni Neto

Resumo


O Brasil foi um Estado escravista por mais de 350 anos. Essa prática foi legalmente extinta em 1888, mas deixou seu legado. Passado todo o século XX e duas graves ditaduras, vivemos a esperança de melhores momentos com a abertura política iniciada nos anos 1980, a promulgação de uma Constituição em 1988 e com ela, o fortalecimento dos direitos civis, individuais, inaugurando uma nova etapa na luta pelos direitos humanos. Em que pesem os avanços presentes nessa carta quanto aos direitos trabalhistas, direitos sociais, liberdades individuais, o Brasil ainda vivia às voltas com denúncias de trabalho escravo e tais casos não retratavam uma sobrevivência do passado, mas eram e continuaram a ser durante esse início de século XXI, expressão dessa sociedade moderna, atingindo áreas aparentemente insuspeitas como a agroindústria e inclusive nas regiões metropolitanas do Sudeste brasileiro. O traço de permanência possível de ser observado entre o passado e o presente não está na tentativa de confronto, ou de comparação entre o modelo de exploração de mão-de-obra legal extinto no século XIX e a prática criminosa e moralmente condenável verificada hoje; mas sim na perpetuação de uma brutal distância social entre ricos e pobres que torna o país, nas palavras de Hobsbawm, um monumento à desigualdade social.


Palavras-chave


Brasil; Escravidão; Trabalho; Direitos Humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEIXO, Lúcia Helena Gaeta. Vozes no silêncio. Cuiabá: EdUFMT, 1995.

ALVES, Maria Helena Moreira. Estado e oposição no Brasil. 1964- 1984. Bauru: EDUSC, 2005.

ARAÚJO, João Vieira de. O Codigo Penal interpretado segundo as fontes, a doutrina e a jurisprudencia e com referencias aos projectos de sua revisão. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1901.

BRITO FILHO, José C. Monteiro de. Trabalho com redução do homem à condição análoga à de escravo e dignidade da pessoa humana. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2017.

BRASIL. Lei de 7 de novembro de 1831. Declara livres todos os escravos vindos de fôra do Imperio, e impõe penas aos importadores dos mesmos escravos. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2017.

BRASIL. Lei nº 3.353, de 13 de Maio de 1888. Declara extinta a escravidão no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2017.

BRASIL. Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal (Publicação Original). Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1967. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2017.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 1, DE 17 de outubro de 1969. Edita o novo texto da Constituição Federal de 24 de janeiro de 1967. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2017.

BRASIL. Lei No 10.803, de 11 de dezembro de 2003. Altera o art. 149 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, para estabelecer penas ao crime nele tipificado e indicar as hipóteses em que se configura condição análoga à de escravo. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2017.

BRASIL. Portaria MTB Nº 1.129 de 13/10/2017. Dispõe sobre os conceitos de trabalho forçado, jornada exaustiva e condições análogas à de escravo para fins de concessão de seguro-desemprego ao trabalhador que vier a ser resgatado em fiscalização do Ministério do Trabalho. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2017.

BUTLER, Judith. A quién le pertenece Kafka? Y otros ensayos. Santiago de Chile: Palinodia, 2014.

BUTLER, Judith. Vida precaria. El poder del duelo y la violencia. Buenos Aires: Paidós, 2009.

CARDOSO, Ciro Flamarion S. O trabalho na colônia. In: LINHARES, M. Yedda (Org.). História Geral do Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 1990.

CASALDÁLIGA, Pedro. Uma Igreja da Amazônia em conflito com o latifúndio e a marginalização social. São Félix, 10 out. 1971.

CIMI. Amazônia e a investida do capital. América Latina 500 anos de conquista. São Paulo: Ícone, 1988. v. 2.

CÓDIGO CRIMINAL DO IMPÉRIO. Recife: Typographia Universal, 1858.

COMISSÃO PASTORAL DA TERRA. Conflitos no campo no Brasil. Goiânia: CPT, 1989.

CUNHA, Euclides da. À margem da História. São Paulo: Martim Claret, 2006.

D’ARAUJO, Maria Celina. Estado, classe trabalhadora e políticas sociais. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Org.). O Brasil Republicano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. v. 2.

ESTERCI, Neide. A ilusão do trabalho livre. In: ESTERCI, N.; FRY, P.; GOLDENBERG, M. (Orgs.). Fazendo antropologia no Brasil. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

FERNANDES, Florestan. O problema da descolonização. In: GALEANO, Eduardo et al. América Latina 500 anos de conquista. São Paulo: Ícone, 1987.

FIGUEIRA, Ricardo Rezende. Pisando fora da própria sombra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos Científicos, 1989.

GOMES, Ângela M. de Castro. Trabalho análogo a de escravo: construindo um problema. História Oral, v. 11, n. 1-2, p. 11-41, jan.-dez. 2008.

GOMES, Ângela M. de Castro Gomes. Código Penal e trabalho análogo ao de escravo. In: FIGUEIRA, R. R.; PRADO, A. A.; GALVÃO, E. M. (Org.). A universidade discute a escravidão contemporânea: práticas e reflexões. Rio de Janeiro: Mauad X, 2015.

GORENDER, Jacob. O escravismo colonial. São Paulo: Ática, 1988.

JOANONI NETO, Vitale. Fronteiras da crença. Cuiabá: EdUFMT, 2007.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto. São Paulo: Alfa-Ômega, 1975.

MARTINS, José de Souza. Fronteira. São Paulo: Contexto, 2009.

MENEZES, Esron Penha de. Retalhos para a História de Rondônia. [Manaus]: [Imprensa Oficial do Estado do Amazonas], 1980.

NABUCO, Joaquim. O abolicionismo. São Paulo: Publifolha, 2000.

NEVES, Frederico de Castro. Tragédia oculta. Nossa História. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, ano 1, n. 2, p. 72-77, dez. 2003.

OLEARI, Osvaldo. Comprei este escravo. Realidade. São Paulo, ano VI, n. 72, p. 112-118, mar.1972.

RODRIGUES, Nina. Os africanos no Brasil. São Paulo: Nacional, 1976.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos. São Paulo: Cortez, 2013.

SILVA, José Bonifácio de Andrada e. Projetos para o Brasil. São Paulo: Publifolha, 2000.

SILVA, Jovam Vilela. Mobilidade populacional na fronteira Oeste de colonização. Cuiabá: KCM, 2005.

SIQUEIRA, Elizabeth M; COSTA, Lourença A; CARVALHO, Cathia M. C. O processo histórico de Mato Grosso. Cuiabá: UFMT, 1990.

SOUZA, Braz Florentino Henriques de. Código Criminal do Império do Brasil. Recife: Typographia Universal, 1858.

VELLOSO, Mônica Pimenta. Os intelectuais e a política cultural do Estado Novo. In FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Org.). O Brasil Republicano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. v. 2.

VIOLA, Sólon Eduardo Annes. Direitos Humanos e democracia no Brasil. São Leopoldo: Ed. UNISINOS, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2018.2-31671

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios - www.publicationethics.org



AVALIAÇÃO QUALIS CAPES - 2016 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - A2

INDEXADORES E PORTAIS

  • Web of Science - Master Journals List (Clarivate Analytics)
  • SSCI - Social Sciences Citation Index (Clarivate Analytics)
  • AHCI - Arts and Humanities Citation Index (Clarivate Analytics)
  • Scopus (Elsevier)
  • SJR - ScIMAGO Journal & Country Rank (Elsevier)
  • Historical Abstracts with Full Text (EBSCO)
  • Academic Search Premier (EBSCO)
  • Fonte Acadêmica (EBSCO)
  • Fuente Academica (EBSCO)
  • CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
  • Portal CAPES

FATOR DE IMPACTO NO SJR (SCImago Journal & Country Rank)

SCImago Journal & Country Rank

Licença Creative Commons OriginalityCheck®
Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. 
TurnITin
Todos os artigos são submetidos ao software Turnitin, antes de iniciar qualquer tipo de avaliação.
Diadorim  Open Access 
Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul. 
 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS