Os escravos da fazenda jesuítica de São Cristóvão e seus leilões, Rio de Janeiro, 1761-1762

Marcia Sueli Amantino

Resumo


Esse texto tem como objetivo apresentar a comunidade escrava que vivia na fazenda de São Cristóvão, localizada na capitania do Rio de Janeiro, ao longo de alguns momentos do século XVIII . Serão utilizados três tipos de fontes: 1. a listagem feita em 1759 no momento do sequestro da fazenda, ocasionado pela ordem de expulsão dos religiosos da Companhia de Jesus de Portugal e de seus domínios; 2. uma nova avaliação desses escravos feita em 1761 a partir das denúncias de que os bens estavam se perdendo e os escravos fugindo ou causando tumultos; 3. os registros das arrematações de sua mão de obra nos leilões que ocorreram na praça do Rio de Janeiro entre os anos de 1761 e 1762. Pretende-se com essa análise demonstrar a complexa estrutura familiar que os jesuítas conseguiram estabelecer entre seus cativos e o posterior desmonte dessas unidades familiares após a expulsão dos religiosos e da venda de seus bens. Além disso, busca-se demonstrar que os arrematantes de parte desses escravos eram homens que conviviam com essa comunidade de cativos e, portanto, conheciam previamente a quem estavam arrematando.


Palavras-chave


Companhia de Jesus; expulsão; fazenda; São Cristóvão; escravos.

Texto completo:

PDF

Referências


ACCIOLI, Inácio. Memórias históricas e políticas da província da Bahia. Salvador: Imprensa Oficial, v. V, 1940. In: SANTOS, Fabricio Lyrio dos. A expulsão dos jesuítas da Bahia: aspectos econômicos. Revista Brasileira de História, v. 28, n. 55, jun. 2008.

ALDEN , Dauril. The Making of an Enterprise: The Society of Jesus in Portugal, its Empire and Beyond 1540-1750. Califórnia: Stanford University Press, 1996.

______. Aspectos econômicos da expulsão dos jesuítas do Brasil: notícia preliminar. In: Conflito e continuidade na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 1970.

AMANTINO , Marcia. As origens da terra jesuítica na capitania do Rio de Janeiro e a implantação do Engenho Velho no século XVII. America Latina em la história econômica, v. 23, n. 3, p. 7-36, set.-dez. 2016.

______. A expulsão dos jesuítas da Capitania do Rio de Janeiro e o confisco de seus bens. RIHGB, ano 170, n. 443, p. 169-192, 2009.

______. Os escravos da Companhia de Jesus no Rio de Janeiro e em Córdoba (Argentina) no momento dos sequestros de seus bens, 1759 e 1767. RIHGB, v. 464, p. 199-222, 2014a.

______. Reprodução endógena e mestiçagens dos escravos nas fazendas jesuíticas na capitania do Rio de Janeiro, 1759-1779. Revista História e Cultura, Franca, SP, v. 3, n. 2, p. 250-273, 2014b.

AMANTINO, Marcia; CARDOSO, Vinicius Maia. A fazenda jesuítica da Papucaia, Rio de Janeiro, século XVIII . Revista IHS – Antiguos Jesuítas em Iberoamerica. v. 1, n. 1, p. 44-66, 2013.

ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas. Lisboa: Comissão nacional para as comemorações dos descobrimentos portugueses, 2001.

ASSUNÇÃO, Paulo de. Negócios Jesuíticos: o cotidiano da administração dos bens divinos. São Paulo: Edusp, 2004.

BENCI, Jorge. Economia cristã dos senhores no governo dos escravos. São Paulo: Grijalbo, 1977.

CAMPOS, Marcia Cândida Araújo de. Outros olhares: Uma reflexão sobre a ação catequética nos relatos das cartas da Cia de Jesus na América portuguesa (c.1549-1580). Dissertação (Mestrado) – Universidade Salgado de Oliveira, Niterói, 2015.

CHAUVIN, Jean Pierre. A “expulsão dos jesuítas” como lugarcomum. Revista de Estudos de Cultura, Universidade Federal de Sergipe, n. 6, p. 47-64, set.-dez. 2016.

COSTA e SÁ, Joaquim José da. Dicionário Portuguez-francez e Latino. Lisboa: Ferreira, 1794.

COUTO, Jorge. O Colégio Jesuítico do Recife e o destino de seu patrimônio (1759-1777). Tese (Mestrado em História Moderna de Portugal) – Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1990.

DEL VALLE, Ivonne. Escribiendo desde los márgenes. Colonialismo y jesuitas en el siglo XVIII . México: Siglo XXI, 2009.

EN GEMANN, Carlos. De laço e de nós. Rio de janeiro: Apicuri, 2008.

FLOREN TINO , Manolo; GÓES, José Roberto. A paz nas senzalas: família escravas e tráfico atlântico, Rio de Janeiro, c.1790-c.1850. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

FORBES , Jack D. Black, Africans and Native Americans: Color, Race and Caste in the Evolution of Red-Black People. Oxford: Basil Blackwell, 1987.

FRANCO, José Eduardo. O mito dos jesuítas: em Portugal, no Brasil e no Oriente, séculos XVI a XX. Lisboa: Gradiva, 2006.

FREIRE , Jonis. Legados da administração jesuítica: comunidade e família entre os cativos da fazenda de Santa Cruz, século XVIII. In: EN GEMANN, Carlos; AMANTINO, Marcia. Santa Cruz: de legado dos jesuítas a pérola da Coroa. Rio de Janeiro: EdUER J, 2013.

GUEDES, Roberto. Egressos do cativeiro: trabalho, família, aliança e mobilidade social. Rio de Janeiro: Mauad, 2008.

HANSEN , João Adolfo. O nu e a luz: cartas jesuíticas do Brasil. Nóbrega – 1549-1558. Revista Inst. Est. Bras., São Paulo, 1995.

LIBBY, Douglas Cole. A empiria e as cores: representações identitárias nas Minas Gerais dos séculos XVIII e XIX. In: PAIVA, Eduardo França et al. (Org.). Escravidão, mestiçagens, populações e identidades culturais. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: PPGH-UFMG, Vitória da Conquista: Edições UES B, 2010.

LONDOÑO, Fernando Torres. Escrevendo cartas: jesuítas, escrita e missão no século XVI. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 22, n. 43, p. 11-32, 2002.

MAYO, Carlos A. Estancia y sociedad en la pampa, 1740-1820. Buenos Aires: Editorial Biblos, 2004.

PAIVA, Eduardo França; ANASTASIA, Carla. O trabalho mestiço: maneiras de pensar e formas de viver, séculos XVI a XIX. São Paulo: Annablume, 2002.

PAIV A, Eduardo França. Dar nome ao novo: uma história lexical das Américas portuguesa e espanhola, entre os séculos XVI e XVIII (as dinâmicas de mestiçagem e o mundo do trabalho). Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

PÉCORA, Alcir. Arte das cartas jesuíticas do Brasil. In: Voz Lusíada. Anais do Encontro Internacional Nóbrega-Anchieta. São Paulo: Green Forest do Brasil, 1999. Vol. 1.

SANCHES , Vanessa Gomes Ramos. Pelos caminhos da liberdade. Alforrias no Rio de Janeiro imperial (1840-1888). Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2017.

VIANA, Larissa. O idioma da mestiçagem: as irmandades de pardos na América portuguesa. São Paulo: Unicamp, 2007.

Fontes

AMF. Arquivo do Ministério da Fazenda. Auto de sequestro na Fazenda de São Cristóvão e terras dela pertencentes 9/11/1759. Códice. 81.20.16.

AMF. Arquivo do Ministério da Fazenda. Termo de arrematação de escravos, 1761-1762. Códice: 81.20.18.

AN. Arquivo Nacional/Rio de Janeiro. Carta do Marquês de Lavradio ao desembargador chanceler Joaquim Alves Munis, ordenando que fosse avisado a todos os ministros que estivessem encarregados da administração dos bens confiscados da Companhia de Jesus, que vendessem tais bens, 18 de fevereiro de 1771. Registro da correspondência do Vice-Reinado com diversas autoridades. Secretaria de Estado do Brasil. Códice 70, volume 05.

ANTT. Arquivo Nacional Torre do Tombo. Autos de inventários do Colégio do Rio de Janeiro e de suas fazendas. Catálogo Desembargo do Paço, Repartição da Corte, Extremadura e Ilhas. 1759-1760- Maço 2038, cx. 1978.

ARSI. Arquivo Romanum Societatis Iesu. Catalogus Primus ex Triennalibus – Provincia Brasilica, Bras. 6/II .

Lei de 3 de setembro de 1759. Exterminando os Jesuítas e proibindo

a comunicação com os mesmos. In:

www.iuslusitaniae.fcsh.unl.pt>. Acesso em: 20 fev. 2017,

Revista do Archivo do Districto Federal, Rio de Janeiro, ano 1, n. 9, set. 1894.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2018.3.29187

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.