Fotografia e antropogênese: o melhor amigo do homem

Mauricio Lissovsky

Resumo


Observando as formulações assumidas pela distinção humano/animal ao longo da história da filosofia, Giorgio Agamben (2004) concluiu que qualquer conceito de humanidade deveria tanto excluir como incluir a natureza animal. Denominou esse dispositivo metafísico de “máquina antropológica”, o processo histórico que produz separações e reconciliações entre humanidade e animalidade (tais como as relações entre corpo e alma, por exemplo). No interior dessa máquina haveria uma zona de indeterminação onde é possível perceber a tensão entre gente e bicho, onde o movimento de separação é suspenso e a própria máquina exibe sua engrenagem capenga. Seria possível flagrar esse momento? Seria possível visitar esse lugar? A premissa dessa pesquisa é que a câmera fotográfica, como máquina antropológica, tem seu papel antropogênico particularmente visível quando os seres humanos são fotografados acompanhados de cães. Valendo-se de obras como os pintores Velasquez e Rembrandt e fotógrafos como Robert Capa e William Wegman o presente ensaio visa justificar essa premissa.


Palavras-chave


fotografia; cachorros; anões; máquina antropológica

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. The Open: Man and Animal. Stanford: Stanford University Press, 2004.

BAILLY, Jean-Christophe. El Animal como pensamiento. Santiago: Metales Pesados, 2014.

BARTHES, Roland. A Câmara Clara. Lisboa: Edições 70, 1979.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas I. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas II. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BENJAMIN, Walter. Radio Benjamin. London: Verso, 2014.

BORGES, Jorge Luis. “O Imortal”. In: O Aleph. São Paulo: Globo, 1996.

CADAVA, Eduardo. Words of Light. Princeton: Princeton University Press, 1992.

CRASKE, Matthew; FEEKE, Stephen. Hounds in Leash. The Dog in 18th and 19th Century Sculpture. Leeds: Henry Moore Foundation, 2000.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Kafka, por uma literatura menor. Rio de Janeiro: Imago, 1977.

FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

HEIDEGGER, Martin. Os Conceitos fundamentais da Metafísica: Mundo – Finitude – Solidão. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

HEMPEL, Amy. “William Wegman; the artist and his dog”. The New York Times Magazine (New York), 29/11/1987. Disponível em: . Acesso em: 21 maio 2017.

HESSE, Herman. The Fairy Tales of Hermann Hesse. Londres: Bantam Books, 1995.

KAFKA, Franz. “Investigações de um cachorro”. In: A Muralha da China. São Paulo: Exposição do Livro, s/d.

LEACH, Maria. God had a dog; folklore of the dog. New Brunswick: Rutdgers University Press, 1961.

LETTERMAN, David. “William Wegman and his dog Man-Ray on David Letterman” (David Letterman Show). Disponível em: . Acesso em: 21 maio 2017.

LÉVI-STRAUSS, Claude. La Pensée sauvage. Paris: Plon, 1962.

LEVINAS, Emmanuel. “Nombre de un perro, o el derecho natural”. In: Difícil Libertad. Buenos Aires: Lilmod, 2004.

MORTON, Stephen. “Troubling Resemblances, Anthropological Machines and the fear of wild animals: Following Derrida after Agamben”. In: TURNER, Lynn. The Animal Question in Descontruction. Edinburgh: Edinburgh Universty Press, 2013.

NIETZSCHE, Friedrich. Twilight of the idols. Middlesex: Penguin Books, 1972.

STRATTON-PRUITT, Suzanne L. “Introduction” in: Velasquéz’s Las Meninas. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

SWANTON, John R. Tlingit Myths and Texts. Bureau of American Ethnology Bulletin, n. 39, 1909. Disponível em: .

WEGMAN, William. William Wegman Short Films [1972]. Disponível em: . Acesso em: 21 maio 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2018.1.27487

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios - www.publicationethics.org



AVALIAÇÃO QUALIS CAPES - 2016 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - A2

INDEXADORES E PORTAIS

  • Web of Science - Master Journals List (Clarivate Analytics)
  • SSCI - Social Sciences Citation Index (Clarivate Analytics)
  • AHCI - Arts and Humanities Citation Index (Clarivate Analytics)
  • Scopus (Elsevier)
  • SJR - ScIMAGO Journal & Country Rank (Elsevier)
  • Historical Abstracts with Full Text (EBSCO)
  • Academic Search Premier (EBSCO)
  • Fonte Acadêmica (EBSCO)
  • Fuente Academica (EBSCO)
  • CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
  • Portal CAPES

FATOR DE IMPACTO NO SJR (SCImago Journal & Country Rank)

SCImago Journal & Country Rank

Licença Creative Commons OriginalityCheck®
Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. 
TurnITin
Todos os artigos são submetidos ao software Turnitin, antes de iniciar qualquer tipo de avaliação.
Diadorim  Open Access 
Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul. 
 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS