O MPLA e a governação: entre internacionalismo progressista marxista e pragmatismo liberal-nacionalista

Nuno de Fragoso Vidal

Resumo


Este texto apresenta uma análise da política angolana desde a independência aos nossos dias partindo de duas posições políticas contrárias que influenciaram de sobremaneira o percurso do país no pós-independência e que permitem compreender não só as disputas em curso como as políticas e estratégias seguidas. São contrastadas as posições caracterizadas como de pragmatismo nacionalista de matriz liberal e internacionalismo progressista de matriz socialista-marxista, seguindo critérios de ideologia influenciando a gestão política, economia política e política externa. A análise identifica a matriz que, embora sob diversas roupagens, discursos e protagonistas, apresenta uma coerência de médio e longo-prazo e uma linha orientadora do percurso político-econômico trilhado pelo partido no poder desde 1975. O trabalho estruturase em duas grandes partes, historicamente sequenciais, sendo a primeira dedicada ao enquadramento do tema e suas implicações políticas ao longo da presidência de Agostinho Neto (1975-1979) e a segunda abarcando a muito mais longa administração de Eduardo dos Santos, desde 1979 aos nossos dias, passando por diferentes contextos nacionais e internacionais ao longo dos anos. 


Palavras-chave


Angola; política; governação; ideologia; história política do pósindependência

Texto completo:

PDF

Referências


BAYART, Jean-François. The State in Africa, the politics of the belly. London: Longman, 1989.

BIRMINGHAM, David. The Twenty-Seventh of May, an Historical Note on the Abortive 1977 Coup in Angola. African Affairs, v. 77, n. 309, p. 554-564, 1978.

BITTENCOURT, Marcelo. Dos jornais às armas. Trajectórias da contestação angolana. Lisboa: Vega, 1999.

______. “Estamos Juntos!” O MPLA e a luta anticolonial (1961-1974). Luanda: Kilombelombe, 2008. 2 v.

COSTA, Jorge; LOPES, João Teixeira; LOUÇÃ, Francisco. Os Donos Angolanos de Portugal. Lisboa: Bertrand Editora, 2014.

FERNANDES, Filipe S. Isabel dos Santos. Segredos e Poder do Dinheiro. Lisboa: Casa das Letras, 2015.

FILIPE, Celso. O Poder Angolano em Portugal. Lisboa: Planeta, 2013.

HODGES, Tony. Angola pins hopes on unique debt strategy. Financial Times, New York, 7 July 1987.

LAMB, David. Angola moving to end isolation from the West and dependency on Cubans. Los Angeles Times, Los Angeles, 3 Dec. 1978.

______. Cuban advisers downgraded; Angola turns pragmatic as economy founders. Herald Tribune, London, 6 Dec. 1978a.

MABEKO-TALI, Jean-Michel. Dissidences et pouvoir d’Etat: le MPLA face a lui-même (1962-1977). 1996. Tese (Doutorado em História) – Université Paris VII, Paris, 1996.

MESSIANT, Christine. 1961, L’Angola colonial, histoire et société. Les premises du movement nationaliste. Bâle, Suisse: P. Sclettwein Publishing Switzerland, 2006.

______. À propos des “transitions démocratiques”, notes comparatives et préables à l’analyse du cas angolais’. Revista Africana Studia, Porto, v. 2, p. 61-95, 2001.

MEYNS, Peter. O desenvolvimento da economia Angolana a partir da independência: problemas da reconstrução nacional. Revista Internacional de Estudos Africanos, IICT, Lisboa, n. 2, p. 121-161, 1984.

MIRANDA, Arlindo. Angola 2003/2004, Waiting for Elections. Bergen Norway: Christian Michelsen Institute, 2004.

MOREIRA, Vital. Presidencialismo superlativo. Jornal Público, Lisboa, 9 fev. 2010.

OLIVEIRA, Ricardo Soares de, Business success, Angola-style: postcolonial politics and the rise and rise of Sonangol. Journal of Modern African Studies, London, v. 45, n. 4, p. 595-619, 2007.

______. Magnificent and Beggar Land. Angola since the Civil War. London: Hurst, 2015.

OTTAWAY, David. Angola tries new pragmatism; Neto asks for help to repair economy. Herald Tribune, London, 27 Dec. 1978.

SOMERVILLE, Keith, Angola: Politics, Economics and Society. London: Frances Pinter, 1986.

VIDAL, Nuno, The genesis and development of the Angolan political and administrative system from 1975 to the present. In: KYLE, Steve. Lusophone Africa: Intersections between Social Sciences. Cornell, NY: Cornell Institute for African Development, May 2-3, 2003. p. 1-16.

______. Multipartidarismo em Angola. In: VIDAL, Nuno; PINTO DE ANDRADE, Justino (Orgs.). O processo de transição para o multipartidarismo em Angola. Lisboa e Luanda: Universidade Católica de Angola e Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, 2006. p. 11-57.

______. Sectores Sociais, Sociedade Civil, Política e Direitos Humanos em Angola. In: VIDAL, Nuno; PINTO DE ANDRADE, Justino (Orgs.). Sociedade Civil e Política em Angola. Luanda; Lisboa: Firmamento, 2008. p. 11-40.

______. The international institutionalization of patrimonialism in Africa. The case of Angola. In: VIDAL, Nuno; CHABAL, Patrick (Eds.). Southern Africa: civil society, politics and donor strategies. Luanda; Lisboa: Universidade de Coimbra, Universidade Católica de Angola, Media XXI, 2009. p. 19-44.

______. Angolan civil society activism since the 1990s: reformists, confrontationists and young revolutionaries of the ‘Arab spring generation’. Review of African Political Economy, London, v. 42, n. 143, p. 77-91, 2015.

VIDAL, Nuno; PINTO DE ANDRADE, Justino (Orgs.). Economia Política e Desenvolvimento em Angola. Luanda: Universidade de Coimbra, Universidade Católica de Angola; Cha de Caxinde, 2011.

WALLERSTEIN, Immanuel. Left and Right in Africa. The Journal of Modern African Studies, London, 9, I, p. 5-10, 1971.

WOLFERS, Michael; BERGEROL, Jane. Angola in the Frontline. London: Zed Press, 1983.

WRIGHT, George. The Destruction of a Nation, United States’ policy toward Angola since 1945. London: Pluto Press, 1997.

ZENHA RELA, José Manuel. Angola entre o presente e o futuro. Lisboa: Escher, Agropromotora, 1992.

MPLA, Discurso pronunciado pelo Presidente do MPLA–Partido do Trabalho Camarada José Eduardo dos Santos na Sessão de Abertura do III Congresso do Partido; pela Paz, Unidade Nacional e Recuperação Económica. Luanda: Secretariado do Comité Central, 1990.

MPLA. Selecção de discursos do Camarada Presidente Agostinho Neto. Luanda: Direção de Informação e Propaganda – DIP, 1978.

MPLA. Relatório do Comité Central ao I Congresso Extraordinário. Luanda: Secretariado do Comité Central, 1980.

MPLA. Principais resultados do desenvolvimento econômico-social da RPA no triénio 1978-1980. Luanda: Secretariado do Comité Central, 1980a.

MPLA. Resoluções e Mensagens do I Congresso Extraordinário. Luanda: Secretariado do Comité Central, 1980b.

MPLA, 1985 Documentos da Iª Conferência Nacional do MPLA-PT, de 14 a 19 de janeiro de 1985. Luanda: Secretariado do Comité Central, 1985.

MPLA. Relatório do Comité Central ao II Congresso do Partido, realizado em Luanda de 2 a 10 de dezembro de 1985. Luanda: Secretariado do Comité Central, 1985a.

WEST AFRICA. London, 23 Octobre 1978. AFRICA CONTEMPORARY RECORD – ACR. London, v. 11, 1980; v. 12, 1981;

v. 15, 1983; v. 16, 1985; v. 18, 1987; v. 21, 1990. ANGOP – ANGOLA PRESS. Transcrição na íntegra do discurso proferido por José Eduardo dos Santos na sessão de abertura do seminário sobre Saneamento Econômico e Financeiro, 17 de agosto de 1987.

AFRICA RESEARCH BULLETIN – ARB. New York, September 1979, December 1980, July 1982, January 1983, October 1984, October 1987.

ASSOCIATED PRESS. London, 2 May 1979.

FINANCIAL TIMES. New York, 14 September 1987; 21 September 1987; 11 July 1979.

AFRIQUE-ASIE. n. 177, 25 décembre 1978, p. 23-25.

GRANDE REPORTAGEM. “Mavinga: a última batalha”, ano I, n. 2, 2ª série, mar./jun. 1990, p. 105-113.

LIBÉRATION. 17 et 20 août 1987.

JEUNE AFRIQUE. n. 1515, 15 janvier 1990.

LE MONDE. Paris, 12 décembre 1978.

O JORNAL. Lisboa, 25 agosto 1989.

PÚBLICO. Lisboa, 28 março de 2016. “Condenação de activistas reforça ideia de que Angola ‘vive uma ditadura’”. Disponível em:

noticia/condenacao-de-activistas-reforca-ideia-de-que-angola-vive-ma-ditadura- 1727399?page=-1> Acesso em: 24 maio 2016.

THE NEW YORK TIMES. New York, 13 December 1978; 18 September 1978.

SURVEY OF WORLD BROADCAST. Resumo da Rádio Nacional de Angola. London, 19 December 1978; 17 January 1979.

REUTERS. London, 8, 28 and 31 December 1982.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2016.3.23461

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios - www.publicationethics.org



AVALIAÇÃO QUALIS CAPES - 2016 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - A2

INDEXADORES E PORTAIS

  • Web of Science - Master Journals List (Clarivate Analytics)
  • SSCI - Social Sciences Citation Index (Clarivate Analytics)
  • AHCI - Arts and Humanities Citation Index (Clarivate Analytics)
  • Scopus (Elsevier)
  • SJR - ScIMAGO Journal & Country Rank (Elsevier)
  • Historical Abstracts with Full Text (EBSCO)
  • Academic Search Premier (EBSCO)
  • Fonte Acadêmica (EBSCO)
  • Fuente Academica (EBSCO)
  • CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
  • Portal CAPES

FATOR DE IMPACTO NO SJR (SCImago Journal & Country Rank)

SCImago Journal & Country Rank

Licença Creative Commons OriginalityCheck®
Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. 
TurnITin
Todos os artigos são submetidos ao software Turnitin, antes de iniciar qualquer tipo de avaliação.
Diadorim  Open Access 
Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul. 
 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS