História da proibição do skate em Blumenau/SC (1999-2007)

Leonardo Brandão

Resumo


Este trabalho se insere num domínio historiográfico conhecido como “História do Esporte”. Tomamos como estudo de caso a prática do skate, atividade sualmente inserida no âmbito dos “Esportes Radicais” e que vem sendo praticada por um conjunto significativo de jovens. O recorte geográfico da pesquisa é o município de Blumenau/ SC, geralmente lembrado por ser palco da Oktoberfest. Nesta cidade, a prática do skate foi proibida pela Lei nº 5211, que entrou em vigor no dia 17 de maio de 1999, sendo revogada somente em 2007, durante a gestão do prefeito João Paulo Kleinübing. Para compreender os motivos que levaram o skate a ser proibido, foi realizada uma pesquisa com base em fontes impressas, jornais e revistas, e também através de entrevistas com os principais atores sociais envolvidos com a prática do skate nessa cidade. O objetivo foi analisar tanto os motivos que levaram à proibição dessa atividade em Blumenau quanto seu retorno à legalidade, mapeando a ação dos principais agentes desse processo e também narrando os episódios que envolveram os atos de restrição e coibição à atividade, geralmente efetuados pela guarda municipal. Concluiu-se que, embora a proibição da prática do skate tenha sido decretada em 1999, uma coibição bastante rígida a essa prática já existia desde o final da década de 1980. Além disso, seu retorno à legalidade, ocorrido com a revogação da lei no ano de 2007, foi conquistada através da pressão organizada pelos skatistas, liderada por George Gonçalves, Presidente da União Blumenauense de Esportes Radicais (UBER), e com o apoio da revista 100% skate, uma publicação nacional especializada nessa atividade.


Palavras-chave


história; skate; proibição; Blumenau

Texto completo:

PDF

Referências


ANSCHAU, Quéli. Cidade e sociabilidade juvenil: uma experiência em Blumenau. Blumenau: Liquidificador Produtos Culturais, 2011.

BRANDÃO, Leonardo. Para além do esporte: uma história do skate no Brasil. Blumenau: Edifurb, 2014.

______. A Cidade e a tribo skatista: juventude, cotidiano e práticas corporais na história cultural. Dourados: Ed. UFGD, 2011.

CARESIA, Roberto Marcelo. Blumenau e a modernização urbana: alterando costumes (1940-1960). In: FERREIRA, Cristina (Org.). Visões do Vale: perspectivas historiográficas recentes. Blumenau: Nova Letra, 2000. p. 169-183.

CHIZZOTI, Antonio. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis: Vozes, 2010.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro, DP&A, 2003.

MATTEDI, Marcos Antônio. A formação de políticas em Blumenau: o caso do problema das enchentes. In: THEIS, Ivo; MATTEDI, Marcos; TOMIO, Fabrício (Org.). Novos olhares sobre Blumenau: contribuições críticas sobre seu desenvolvimento recente. Blumenau: Edifurb, 2000. p. 195-230.

MAY, T. Pesquisa social: questões, métodos e processos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. Entre o corpo e a técnica: antigas e novas concepções. In: Motrivivência, ano XI, n. 15, p. 1-6, ago. 2000.

SIEBERT, Claudia. A legislação urbanística de Blumenau: 1850-1997. In: Dynamis. Blumenau, v. 8, n. 30, p. 113-131, 2000.

VIGARELLO, Georges. Treinar. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges. História do corpo: as mutações do olhar. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 197-252.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2016.2.22966

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064

Capes65Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios - www.publicationethics.org

Apoio MEC/CAPES: Beneficiados pelo Edital Nº 013/2016.
Apoio MCTI/CNPq: Beneficiados pelo Edital Nº 25/2016.
Apoio MCTI/CNPq: Beneficiados pelo Edital Nº 24/2015.
Apoio MCTI/CNPq/MEC/CAPES: Beneficiados pelo Edital Nº 09/2012.
Apoio MCTI/CNPq/MEC/CAPES: Beneficiados pelo Edital Nº 15/2011.

PROEX –  2012/2013

AVALIAÇÃO QUALIS CAPES - 2016 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - A2

INDEXADORES E PORTAIS

  • Web of Science - Master Journals List (Clarivate Analytics)
  • SSCI - Social Sciences Citation Index (Clarivate Analytics)
  • AHCI - Arts and Humanities Citation Index (Clarivate Analytics)
  • Scopus (Elsevier)
  • SJR - ScIMAGO Journal & Country Rank (Elsevier)
  • Historical Abstracts with Full Text (EBSCO)
  • Academic Search Premier (EBSCO)
  • Fonte Acadêmica (EBSCO)
  • Fuente Academica (EBSCO)
  • CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
  • Portal CAPES

FATOR DE IMPACTO NO SJR (SCImago Journal & Country Rank)

SCImago Journal & Country Rank

Licença Creative Commons OriginalityCheck®
Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. 
TurnITin
Todos os artigos são submetidos ao software Turnitin, antes de iniciar qualquer tipo de avaliação.
Diadorim  Open Access 
Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul. 
 

Copyright: © 2017 EDIPUCRS