Cabo Verde e as quatro décadas de independência: dissonâncias, múltiplos discursos, reverberações e lutas por imposições de sentido à sua história recente

Cláudio Alves Furtado

Resumo


Os quarenta anos da independência de Cabo Verde, assinalados a 5 de Julho de 2015, mereceram comemorações oficiais dissonantes, com alguma tensão entre o Governo e a Presidência da República. Esta tensão nada mais é do que a expressão, num momento preciso e com protagonistas especiais, de um processo sinuoso e tenso, vivido e interpretado de diversas formas, seja em função de contextos e conjunturas históricopolíticas em concreto, seja da presença dos atores particulares (institucionais ou não) produtores, reprodutores ou meros veiculadores das narrativas que buscam inscrever, na memória histórica nacional, os sentidos e os significados do ato (independência) e do processo (construção do Estado) que se seguiu. Se o presente texto busca, por um lado, fazer emergir os atores, as narrativas, as disputas e os silêncios que marcaram essas curtas e rápidas quatro décadas de independência, por outro, intenta descortinar as tensões, as vicissitudes e os recuos que têm marcado os olhares e os discursos sobre a independência e seus eventuais ganhos e, bem assim, as visões de mundo que sustentam tais olhares e discursos. Pretende-se sustentar que as contradições entre os projetos político-sociais presentes na sociedade cabo-verdiana entre Maio de 1974 e Junho de 1975, de forma recorrente e sinuosa, vão marcar toda a história recente de Cabo Verde, potenciadas, contextualmente, pelas injunções decorrentes de inserções diversas, nuancées e, até, contrastantes, no domínio da integração internacional do país.


Palavras-chave


Cabo Verde; independência; desenvolvimento; tensões; narrativas; silêncios

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Germano. O dia das calças roladas. Lisboa: Editorial Caminho, 1992.

ANJOS, José Carlos Gomes dos. Elites Intelectuais e a Conformação da Identidade Nacional em Cabo Verde. In: Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro, v. 25, n. 3, 2003. p. 580-606.

______. Intelectuais, literatura e poder em Cabo Verde. Praia: INIPC/EUFRGS, 2002.

______. Representações sobre a Nação Cabo-verdiana: Definição mestiça da identidade nacional como ideologia de clientelismo em contexto de dominação racial. In: Fragmentos - Revista de Letras, Artes e Cultura, Praia, n. 11/15, 1997.

APPIAH, Kwame Anthony. Na casa do meu pai. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

BALANDIER, Georges. La situation coloniale. Approche théorique. In: EXTRAITS, Cahiers internationaux de sociologie, Paris: PUF, v. 110, p. 9-29., jan.-jun. 2001.

BARROS, Crisanto Avelino. As elites politico-administrativas cabo-verdianas: 1975- 2008. Tese (Doutorado em Ciências Políticas e Sociais) – Uni-CV/UCL, Praia/Louvainla- Neuve, 2012.

CABRAL, Iva; FURTADO, Cláudio. Les Etats-Nations face à l´intégration régionale en Afrique de l´Ouest. Le cas du Cap Vert. Paris: Éditions Karthala, 2010.

CARDOSO, Humberto. O Partido único em Cabo Verde: um assalto à esperança. Praia: Imprensa Nacional de Cabo Verde, 1993.

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO 25 DE ABRIL. Acordo entre o Governo Português e o Partido Africano da Independência da Guiné e de Cabo Verde. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1974. Disponível em: . Acesso em 01 dez 2015.

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO 25 DE ABRIL. Estatuto Orgânico do Estado de Cabo Verde. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1974. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2015.

COSTA, Daniel H. O Papel do Chefe de Estado no Semipresidencialismo Caboverdiano. In: LOBO, Marina Costa; AMORIM NETO, Octavio (Org.). O Semipresidencialismo nos Países de Língua Portuguesa. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2009. p. 105-137.

______. Sistema Eleitoral e Sistema Partidário Cabo-verdianos (1991-2001), Com um olhar sobre o Mundo. In: Revista Direito & Cidadania, n. 16/17, 2003. p. 253-300.

______. O Semipresidencialismo em Cabo Verde-1991/2000. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ), Rio de Janeiro, 2001.

COUTINHO, Ângela S. B. O processo de descolonização de Cabo Verde. In: ROSAS, Fernando et al. (Org.). O Adeus ao Império – 40 Anos de descolonização Portuguesa. Lisboa: Nova Vega, 2015. p.125-140.

Decreto nº 754/74, de 28 de dezembro que nomeia os membros do Governo de Transição. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1974.

DEPELCHIN, Jacques. Silences in African History. Between the Syndromes of Discovery and Abolition. Dar Es Salaam: Mkuki na Nyota Publishers, 2005.

EVORA, Roselma. Poder Legislativo no Regime Democrático em Cabo Verde. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Nacional de Brasília (UNB), Brasília, 2009.

______. Sistema de Governo e Democracia em Cabo Verde. Roma: L´Harmathan Itália, 2013.

______. Cabo Verde: a abertura política e a transição para Democracia. Praia: Spleen Edições, 2004.

FAUSTINO, Manuel. Jorge Querido: subsídios sob suspeita. Mindelo: Ilhéu Editora, 1990.

FANON, Franz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FERNANDES, Gabriel. Em busca da Nação. Notas para uma interpretação do Cabo Verde crioulo. Florianópolis/Praia: EUFSC/IBNL, 2006.

______. A diluição da África: uma interpretação da saga identitária cabo-verdiana no panorama político (pós) colonial. Florianópolis: EDUFSC, 2002.

FREEDOM HOUSE. Freedom in the world 2015. Washington, 2015. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2015.

FURTADO, Cláudio Alves. A pertinência teórica e a relevância social do conhecimento em Ciências Sociais em Cabo Verde: desafios para uma agenda autónoma e endógena de investigação. In: FURTADO, Cláudio et al. (Org.). As Ciências Sociais em Cabo Verde: Temáticas, Abordagens e Perspectivas Teóricas. Praia: Edições Uni-CV, 2015. p. 29-62.

______. Social Movements in Cabo Verde: processes, trends and vicissitudes. In: SYLLA, Ndongo Samba (Ed.). Liberalism and its Discontents: Social Movements in West Africa. Dakar: Rosa Luxemburg Foundation, 2014. p. 419-461.

______. Raça, Classe e Etnia nos estudos em e sobre Cabo Verde: as marcas do silêncio. In: Afro-Asia. Salvador, n. 45, p. 143-171, 2012.

______. Génese e reprodução da classe dirigente em Cabo Verde. Praia: ICLD, 1998.

HENRIQUES, Joana Gorjão. Ser africano em Cabo Verde é um tabu. In: Público, 03 jan. 2016. Disponível em

um-tabu-1718673>. Acesso em: 03 jan. 2016.

IMF. Country page: Cabo Verde. Disponível em: . Acesso em: 13 de jan. 2016.

INE. Inquérito Multi-objetivo. Estatísticas do Emprego e Do Mercado de Trabalho-2014. Praia, 2015a.

______. Objectivos de desenvolvimento do milénio. Indicadores de Cabo Verde. Praia, 2015b.

LIMA, Aristides Raimundo. Reforma Política em Cabo Verde. Do pluralismo à Modernidade do Estado. Praia: Edição do autor, s/d.

______. Reforma Política em Cabo Verde, do Paternalismo à Modernização. Praia: Grafedito, 1992.

LOPES, José Vicente. Aristides Pereira: Minha Vida, Nossa História. Praia: Spleen Edições, 2012.

______. Cabo Verde. As causas da independência. Praia: Spleen Edições, 2003.

______. Os bastidores da Independência. Praia: Spleen Edições, 2002.

______. Os desatinos de Caldeira Marques: resposta a um bazófio arrependido. Praia: Spleen, 2000.

MARQUES, António Caldeira. Os bazófios da independência (com uma carta inédita de Baltazar Lopes da Silva). Lisboa: Edição do Autor, 1999.

MARTINS, Amaralis Barbosa. Relações entre Portugal e Cabo Verde antes e depois da independência. Dissertação (Mestrado em Espaço Lusófono: Lusofonia e Relações Internacionais) – Universidade Lusófona, Lisboa, 2009.

MARTINS, PEDRO. Testemunho de um combatente. Praia/Mindelo: Instituto Camões/ Centro Cultural Português: 1995.

MAXWELLL, Kenneth. As colónias portuguesas e a sua descolonização. In: Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 15/16/17, p. 529-547, mar. 1985.

MEMMI, Albert. Retrato do Colonizado precedido do retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2007.

MKANDAWIRE, Tandika. Running While Others Walk: Knowledge and the Challenge of Africa’s Development. In: Africa Development, Dakar, v. XXXVI, n. 2, p. 1-36, 2011.

______ (Org.). African Intellectuals. Rethinking Politics, Language, Gender and Development. Dakar: CODESRIA, 2005.

MONTEIRO, Artemisa Odila Candé. Guiné – Bissau: Da luta armada à construção do estado nacional: Conexões entre o discurso de unidade nacional e diversidade étnica (1959-1994). Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2013.

MUDIMBE, V. The Invention of Africa: Gnosis, Philosophy and the Order of Knowledge. Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press, 1988.

______. The Idea of Africa. Bloomington, Indianapolis: Indiana University Press & James Currey, 1994.

OLIVEIRA SALAZAR, Antônio de. Discurso proferido na posse da Comissão Executiva da União Nacional, em 18 de Fevereiro de 1965. Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2015.

PEREIRA, Aristides Maria. Uma luta, um partido, dois países. Lisboa: Noticias editorial, 2003.

PNUD. Cabo Verde – Relatório Objectivos do Milénio para o Desenvolvimento 2015. Praia, 2015.

______. Relatório de Desenvolvimento Humano (1992 a 2014). Nova York, 2014.

QUERIDO, Jorge. Um demorado olhar sobre Cabo Verde. O país, sua génese, seu percurso, suas certezas e ambiguidades. Lisboa: Chiado Editora, 2011.

______. Cabo Verde, subsídios para história da nossa luta de libertação. Lisboa: Veja, 1989.

REZOLA, Maria Inácia. 25 de abril – mitos de uma revolução. Lisboa: A esfera de Livros, 2007.

ROSAS, Fernando et al. (Org.). O Adeus ao Império – 40 Anos de descolonização Portuguesa. Lisboa: Nova Vega, 2015. ROSAS, Fernando. Lisboa Revolucionária. 1908-1975. Lisboa: Tinta da China, 2010.

SANCHES, Edalina. Sistema de Partidos cabo-verdiano no período democrático: 1991- 2006. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – ICS/UL, Lisboa, 2008.

SILVEIRA, Onésimo. A tortura em nome do partido único. O PAICV e a sua polícia política. Mindelo: Terra Nova e Ponto& Vírgula, 1992.

TRANSPARNCY INTERNATIONAL. Country Profile. Disponível em: . Acesso em: 12 de novembro de 2015.

VIEIRA, Joaquim, MONICO, Reto. Nas Bocas do Mundo - O 25 de Abril e o PREC na Imprensa Internacional. Lisboa: Editora Tinta da China, 2014.

WEIßMANN, Thomas. Perceções da revolução dos cravos na imprensa alemã: os exemplos de die zeit (RFA) e neuesdeutschland (RDA). Do 25 de abril de 1974 até à demissão de Spínola. In: Diacrítica [online]. Braga, v. 28, n. 2, p. 61-77, 2014. Disponível em: . Acesso em 27 dez. 2015.

ZELEZA, Paul Tiyambe. Banishing the Silences. Dakar: s.e., 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2016.3.22888

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios - www.publicationethics.org



AVALIAÇÃO QUALIS CAPES - 2016 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - A2

INDEXADORES E PORTAIS

  • Web of Science - Master Journals List (Clarivate Analytics)
  • SSCI - Social Sciences Citation Index (Clarivate Analytics)
  • AHCI - Arts and Humanities Citation Index (Clarivate Analytics)
  • Scopus (Elsevier)
  • SJR - ScIMAGO Journal & Country Rank (Elsevier)
  • Historical Abstracts with Full Text (EBSCO)
  • Academic Search Premier (EBSCO)
  • Fonte Acadêmica (EBSCO)
  • Fuente Academica (EBSCO)
  • CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
  • Portal CAPES

FATOR DE IMPACTO NO SJR (SCImago Journal & Country Rank)

SCImago Journal & Country Rank

Licença Creative Commons OriginalityCheck®
Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. 
TurnITin
Todos os artigos são submetidos ao software Turnitin, antes de iniciar qualquer tipo de avaliação.
Diadorim  Open Access 
Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul. 
 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS