Militares pardos e pretos e sua “utilidade” para o bom governo da região de Serro Frio: notas de pesquisa

Ana Paula Pereira Costa

Resumo


Neste texto analisa-se a experiência da mobilização de tropas de pardos e de pretos em variados serviços de manutenção da ordem pública em um território que teve sua origem ligada às atividades de exploração do ouro e de pedras preciosas e que, portanto, foi marcado por um contexto de tensões e constantes mudanças econômicas, políticas, sociais e territoriais, a saber: a comarca de Serro Frio, entre os anos de 1730 a 1763. Objetiva-se assinalar a importância e a utilidade que a mobilização das tropas de pardos e pretos tinha na visão das autoridades locais para ordenar este território mineiro, sobretudo no que concerne aos excessos e inconveniências causadas por fugas de escravos, roubos, garimpo ilegal, sendo a atuação dessas tropas colocadas como imprescindíveis ao bom funcionamento da governabilidade da região.


Palavras-chave


tropas de pardos e de pretos; serviço militar; Serro Frio

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes. Formação do Brasil no Atlântico sul. Séculos XVI e XVII. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

BICALHO, Maria Fernanda. A cidade e o Império: o Rio de Janeiro no século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CASTRO, Celso; IZECKSOHN, Vitor; KRAAY, Hendrik (Org.). Nova história militar brasileira. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

COSTA, Ana Paula Pereira. Atuação de poderes locais no Império Lusitano: uma análise do perfil das chefias militares dos Corpos de Ordenanças e de suas estratégias na construção de sua autoridade. Vila Rica (1735-1777). 2006. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 2006.

______. Armar escravos em Minas colonial: potentados locais e suas práticas de reprodução social na primeira metade do século XVIII. Vila Rica, 1711-1750. 2010. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 2010.

COTTA, Francis A. Organização militar. In: ROMEIRO, Adriana; BOTELHO, Ângela V (Orgs.). Dicionário histórico das Minas Gerais. Período colonial. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 218-223.

______. No rastro dos Dragões: universo militar luso-brasileiro e as políticas de ordem nas Minas setecentistas. 2005. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, 2005.

______. Negros e mestiços nas milícias da América portuguesa. Belo Horizonte: Crisálida, 2010.

DANTAS, Mariana L. R. “Em benefício do bem comum”: esquadras de caçadores do mato nas Minas setecentistas. In: LIBBY, Douglas C.; FURTADO, Júnia F (Orgs.). Trabalho livre, trabalho escravo: Brasil e Europa, séculos XVII e XIX. São Paulo: Annablume, 2006. p. 251-272.

FRAGOSO, João. A nobreza vive em bandos: a economia política das melhores famílias da terra do Rio de Janeiro, século XVII: algumas notas de pesquisa. Revista Tempo, Niterói, v. 8, n. 15, p. 11-35, 2003.

FRAGOSO, João; BICALHO, Maria Fernanda; GOUVÊA, Maria de Fátima (Orgs.). O Antigo Regime nos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

FURTADO, Júnia F. O livro da capa verde. São Paulo: Annablume, 1996.

______. (Org.). Diálogos Oceânicos. Minas Gerais e as novas abordagens para uma história do império ultramarino português. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

______. Chica da Silva e o contratador dos diamantes. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

______. O Distrito dos Diamantes: uma terra de estrelas. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (Orgs.). História de Minas Gerais. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. Vol. 1. p. 303-320.

GUIMARÃES, Carlos Magno. Escravidão e quilombos nas Minas Gerais do século XVIII. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (Orgs.).

História de Minas Gerais. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. Vol. 1. p. 439-454.

HESPANHA, António M. (Org.) Nova história militar de Portugal. Séculos XVI-XVII. Vol. II. Lisboa: Círculo de Leitores, 2003.

JESUS, Nauk Maria de. Para uma história da organização militar na capitania de Mato Grosso. In: POSSAMAI, Paulo (Org.). Conquistar e defender: Portugal, Países Baixos e Brasil. Estudos de história militar na Idade Moderna. São Leopoldo: Oikos, 2012. p. 313-325.

KARASCH, Mary C. A vida dos escravos no Rio de Janeiro (1808-1850). São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

______. The Periphery of the periphery? Vila Boa de Goiás, 1780-183. In: DANIELS, Christine; KENNEDY, Michael V. (Orgs.). Negotiated Empires: Centers and Peripheries in the Americas, 1500-1820. New York & London: Routledge, 2003. p. 143-169.

LARA, Sílvia Hunold. Fragmentos setecentistas – escravidão, cultura e poder na América portuguesa. 2004. Tese (Livre-Docência) – Universidade Estadual de Caminas (Unicamp), Campinas, 2004.

______. Conectando historiografias: a escravidão africana e o Antigo Regime na América. In: FERLINI, Vera L.; BICALHO, Maria F. (Orgs.). Modos de governar. São Paulo: Alameda, 2005. p. 21-44.

MARTA, Michel Mendes. Em busca de honras, isenções e liberdades: as milícias de homens pretos forros na cidade do Rio de Janeiro (meados do século XVIII e início do XIX). 2013. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, 2013.

MATTOS, Hebe. Henrique Dias: expansão e limites da justiça distributiva no Império Português. In: VAINFAS, Ronaldo; SANTOS, Georgina; NEVES, Guilherme Pereira das (Orgs.). Retratos do Império. Niterói: EdUFF, 2006. p. 29-45.

MELLO, Evaldo Cabral de. A fronda dos mazombos: nobres contra mascates, Pernambuco, 1666-1715. São Paulo: Ed. 34, 2003.

MORAES, Fernanda Borges de. De arraiais, vilas e caminhos: a rede urbana das Minas coloniais. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (Orgs.). História de Minas Gerais Belo Horizonte: Autêntica, 2007. Vol. 1. p. 55-85.

MOREIRA, Luiz Guilherme S.; LOUREIRO, Marcello José G. A nova história militar e a América portuguesa: balanço historiográfico. In: POSSAMAI, Paulo (Org.). Conquistar e defender: Portugal, Países Baixos e Brasil. Estudos de história militar na Idade Moderna. São Leopoldo: Oikos, 2012. p. 13-31.

NAZZARI, Muriel. O desaparecimento do dote: 1600-1900. São Paulo: Cia. das Letras, 2001.

PAIVA, Eduardo França De corpo fechado: o gênero masculino, milícias e trânsito de culturas entre a África dos mandingas e as Minas Gerais da América, no início do século XVIII. In: LIBBY, Douglas Cole; FURTADO, Júnia F. (Orgs.). Trabalho livre, trabalho escravo. Brasil e Europa, séculos XVIII e XIX. São Paulo: Annablume, 2006. 113-129.

PAULA, Leandro Francisco. Negros no campo das armas: homens de cor nos corpos militares das Minas setecentistas (1709-1800). 2012. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

REIS, Liana Maria. Minas Armadas: Escravos, armas e política de desarmamento na capitania mineira setecentista. Varia Historia, Revista de História do Departamento da UFMG, Belo Horizonte, n. 31, 2004.

RESENDE, Maria Efigênia Lage de. Itinerários e interditos na territorialização das Geraes. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de;VILLALTA, Luiz Carlos (Orgs.). História de Minas Gerais. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. Vol. 1. p. 25-53.

RIBEIRO, Mônica da Silva. Trajetória familiar e ampliação jurisdicional: o governo do primeiro conde de Bobadela na América portuguesa (1733-1763). In: GUEDES, Roberto (Org.). Dinâmica imperial no antigo regime português: escravidão, governos, fronteiras, poderes, legados: séc. XVII-XIX. Rio de Janeiro: Mauad X, 2001. 83-96.

SANTOS, Joaquim Felício dos. Memórias do Distrito Diamantino. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1976.

SILVA, Kalina Vanderlei. Os Henriques nas Vilas Açucareiras do Estado do Brasil: Tropas de Homens Negros em Pernambuco, séculos XVII e XVIII, Estudos de História, v. 9, n.2, 2002.

SILVA, Luiz Geraldo. Gênese das milícias de pardos e pretos na América portuguesa: Pernambuco e Minas Gerais, séculos XVII e XVIII. Revista de História São Paulo, n. 169, p. 111-144, 2013.

______. Sobre a “etnia crioula”: o Terço dos Henriques e seus critérios de exclusão na América portuguesa do século XVIII. In: GONÇALVES, Andréa Lisly; CHAVES, Cláudia M. Graças; VENÂNCIO, Renato Pinto (Orgs.). Administrando Impérios: Portugal e Brasil nos séculos XVIII e XIX. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012. p. 71-96.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2016.2.21935

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios - www.publicationethics.org



AVALIAÇÃO QUALIS CAPES - 2016 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - A2

INDEXADORES E PORTAIS

  • Web of Science - Master Journals List (Clarivate Analytics)
  • SSCI - Social Sciences Citation Index (Clarivate Analytics)
  • AHCI - Arts and Humanities Citation Index (Clarivate Analytics)
  • Scopus (Elsevier)
  • SJR - ScIMAGO Journal & Country Rank (Elsevier)
  • Historical Abstracts with Full Text (EBSCO)
  • Academic Search Premier (EBSCO)
  • Fonte Acadêmica (EBSCO)
  • Fuente Academica (EBSCO)
  • CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
  • Portal CAPES

FATOR DE IMPACTO NO SJR (SCImago Journal & Country Rank)

SCImago Journal & Country Rank

Licença Creative Commons OriginalityCheck®
Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. 
TurnITin
Todos os artigos são submetidos ao software Turnitin, antes de iniciar qualquer tipo de avaliação.
Diadorim  Open Access 
Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul. 
 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS