Entre fluxos, fontes e trajetórias: imigração portuguesa para uma capital da Amazônia (1850-1920)

Cristina Donza Cancela, João Santos Ramalho Cosme

Resumo


O artigo discute a imigração portuguesa para a capital do Estado do Pará, Belém, no período da economia da borracha. A temática é analisada a partir da problematização do uso das habilitações consulares, observando suas potencialidades e seus limites para o estudo da imigração portuguesa no que diz respeito aos seus números e perfis. E, ainda, cruzar as habilitações consulares com outras fontes para discutir a dinâmica e o trânsito de indivíduos e famílias que aportaram em terras amazônicas.


Palavras-chave


imigração portuguesa; Amazônia; economia da borracha

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Jorge Fernandes. Os brasileiros: emigração e retorno no Porto oitocentista. Porto, 1994.

BENCHIMOL, Samuel. Amazônia: formação social e cultura. 3. ed. Manaus: Valer, 2009.

BRITO, Eugenio Leitão. História do Grêmio Literário e Recreativo Português. Belém/ Pará, 1994.

CANCELA, Cristina Donza. Imigração portuguesa, casamento e riqueza em Belém (1870-1920) In: Sousa, Fernando de; Martins , Ismênia; Matos , Maria Izilda. Nas duas margens: os portugueses no Brasil, Porto, Portugal: Afrontamento, 2009.

______. Casamento e família em uma capital amazônica (Belém 1870-1920). Belém: Açaí, 2011.

CANCELA, Cristina Donza; BARROSO, Daniel Souza. Imigração portuguesa e casamento: um olhar a partir do gênero, da geração e da atividade (Belém, 1908-1920). In: SARGES, Maria de Nazaré et al. Entre Mares: o Brasil dos portugueses. Belém: Pakatatu, 2010.

______. Casamentos portugueses em uma capital da Amazônia. Perfil demográfico, normas e redes sociais. Belém (1891-1920). História, São Leopoldo: Unisinos, v. 15, n. 01, jan./abr. 2011.

CARVALHO, Marcos Antonio de. Bebendo açaí comendo bacalhau: perfil e práticas da sociabilidade lusa em Belém do Pará entre finais do século XIX e início do XX. 2011. Tese (Doutorado em História) – Universidade do Porto, Faculdade de Letras, Departamento de História e de Estudos Políticos e Internacionais, Porto, Portugal, 2011.

CASTRO, Zília Osorio et al. Tratados do Atlântico Sul: Portugal-Brasil 1825-2000. Ministério dos Negócios Estrangeiros/Instituto Diplomático, Portugal, 2006. (Coleção Biblioteca diplomática).

CHAMBOULEIRON, Rafael. Povoamento, ocupação e agricultura na Amazônia colonial (1640-1706). Belém: Açaí, 2010.

COSME, João dos Santos Ramalho. A emigração portuguesa para o Brasil na segunda metade do século XVIII. Lisboa: Universidade de Lisboa, 2007.

CRUZ, Ernesto. História de Belém. Belém: Universidade Federal do Pará, 1973.

EMMI, Marilia Ferreira. A Amazônia como destino das migraçãos internacionais do final do século XIX ao início do XX: O caso dos Portugueses. In: Anais do XVII Encontro Nacional de Estudos Populacionais – ABEP, Caxambú, Minas Gerais, Brasil, 20 a 24 de setembro de 2010.

FONTES, Edilza. Preferem-se portugues(as): trabalho, cultura e movimento social em Belém do Pará (1885-1914). 2002. Tese (Doutorado em História) – Universidade de Campinas – UNICAMP, Campinas, 2002.

HIDAKA, Ana Tereza Tomiko Vicente. Os infortúnios da imigração portuguesa: a benemérita liga portuguesa de repatriação (1908-1949). 2013. Dissertação (Mestrado em História Social da Amazônia) – Universidade Federal do Pará – UFPA, Belém, 2013.

LEITE, Joaquim da Costa. Emigração portuguesa: a lei e os números. Análise Social, v. XXIII, n. 3, p. 463-480, 1987.

MARIN, Rosa Acevedo. As alianças matrimoniais na alta sociedade paraense no século XIX. In: Revista Estudos Econômicos, São Paulo, Instituto de Pesquisas Econômicas da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (IPE/USP), n. 15, 1985.

MATOS, Maria Izilda. Âncora de emoções: a imigração portuguesa. Cadernos CERU, série 2, v. 19, n. 01, jun. 2008.

MONTEIRO, Isilda. Os passaportes: do enquadramento legal à prática (1855-1926). In: Sousa, Fernando et al. Um passaporte para a terra prometida. Porto, Portugal: Fronteira do Caos & CEPESE, 2011. p. 117-136.

MONTEIRO, Miguel. Migrante, Emigrantes e “brasileiros”: territórios, itinerários, trajectórias (1834-1926). Fafe, 2000.

PEREIRA, Miriam Halpern. A política portuguesa de emigração (1850 1930). Bauru: Editora da Universidade do Sagrado Coração (EDUSC)/Portugal, Instituto Camões, 2002.

______. Algumas considerações complementares sobre a política de emigração portuguesa. Análise Social, Lisboa, v. XXV, p. 735-739, 1990.

REIS, Arthur Cézar Ferreira. Síntese de História do Pará. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1972.

SANTOS, Roberto. História econômica da Amazônia (1800-1920). São Paulo: T. A. Queiroz, 1980.

SARGES, Maria de Nazaré et al. (Org.). Entre Mares: o Brasil dos portugueses. Belém: Pakatatu, 2010.

SCOTT, Ana Silvia Volpi. Aproximando a metrópole da colônia: família, concubinato e ilegitimidade no noroeste Português (século XVIII e XIX). In: Anais do XIII Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais – ABEP, Ouro Preto, Minas Gerais, novembro de 2002.

______. Os Portugueses. São Paulo: Contexto, 2010.

SERRÃO, Joel. A emigração portuguesa: sondagem histórica. Lisboa, Portugal: Livros Horizonte, 1974. (Coleção Horizonte, n. 12).

SOUSA, Fernando de Sousa; MARTINS, Ismênia. A emigração portuguesa para o Brasil. Porto: CEPESE; Rio de Janeiro: FAPERJ, 2007.

SOUSA, Fernando de Sousa; MARTINS, Ismênia; MATOS, Maria Izilda (Org.). Nas duas margens: os portugueses no Brasil. Porto, Portugal: Afrontamento, 2009.

SOUSA, Fernando de Sousa; ROCHA, Ricardo. O Distrito de Bragança (1835-2011). Disponível em: . Acesso em: 9 set. 2014.

TRUZZI, Oswaldo. Redes em processos migratórios. Tempo Social – Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 20, n. 1, 2004.

WEINSTEIN, Barbara. A borracha na Amazônia: expansão e decadência (1850-1920). São Paulo: HUCITEC/EDUSP, 1993 [1983].




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2016.1.21580



e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.