Representações do Associativismo entre as mutuais de trabalhadores na Corte do Império

Mateus Fernandes de Oliveira Almeida

Resumo


O presente artigo lança luz sobre a cultura associativa entre trabalhadores na Corte do Segundo Reinado através de estatutos de sociedades de mútua ajuda e pareceres emitidos pelos conselheiros de Estado da Seção dos Negócios do Império. Toma particularidade aqui, abordagens que remetem às representações identitárias e os significados de moralidade, altruísmo e nobilitação do trabalho no interior das redes de sociabilidade e da importância a elas creditadas pelos sujeitos históricos em evidência.


Palavras-chave


mutualismo; trabalhadores; Corte do Império.

Texto completo:

PDF

Referências


BATALHA, Cláudio. Identidade da classe operária no Brasil (1880-1920): atipicidade ou legitimidade. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 12, n. 23/24, p.111-124, set. 1991/ ago. 1992.

BATALHA, Cláudio. Sociedades de trabalhadores no Rio de Janeiro do século XIX: algumas reflexões em torno da classe operária. Cadernos AEL. Campinas, v. 6, n. 10/11, p.41-68, 1999.

BATALHA, Cláudio. Cultua associativa do Rio de Janeiro da Primeira República. In: BATALHA, Cláudio H. M.; SILVA, Fernando Teixeira da; FORTES, Alexandre (Orgs.). Culturas de classe: identidade e diversidade na formação do operariado. Campinas: Unicamp, 2004.

FONSECA, Vitor M. M. da. No gozo dos direitos civis: associativismo no Rio de Janeiro, 1903-1916. Rio de Janeiro: Muiraquitã, 2008.

FORTES, Alexandre. Da solidariedade a assistência: estratégias organizativas e mutualidade no movimento operário de Porto Alegre na primeira metade do século XX. Cadernos AEL. Campinas, v. 6, nº 10/11 - Sociedades operárias e mutualismo, p.171-218, 1999.

JESUS, Ronaldo P. de. Visões da Monarquia: Escravos, Operários e Abolicionistas na Corte. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009.

HOBSBAWM, Eric J. Mundos do Trabalho: novos estudos sobre história operária. Coleção Oficinas da História. Tradução de Waldea Barcellos e Sandra Bedran. 3ª. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

LACERDA, David P. Solidariedade entre ofícios: a experiência mutualista no Rio de Janeiro imperial (1860-1882). Dissertação (Mestrado em História Social), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

Mac CORD, Marcelo. Andaimes, Casacas, Tijolos e Livros: uma associação de artífices no Recife, 1836-1880. Tese (Doutorado em História Social), UNICAMP, Campinas, 2009.

MACCORD, Marcelo e BATALHA, Cláudio H. (org.) Organizar e proteger: Trabalhadores, associações e mutualismo no Brasil (séculos XIX e XX). Campinas: Unicamp, 2014.

NOMELINI, Paula Christina. Associações operárias mutualistas e recreativas em Campinas (1906-1931). Dissertação (Mestrado em História), UNICAMP, Campinas, 2007.

SILVA JR., Adhemar Lourenço da. As sociedades de socorros mútuos: estratégias privadas e públicas (estudo centrado no Rio Grande do Sul - Brasil, 1854-1940). Tese (Doutorado), Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

VITORINO, Arthur José Renda. Escravismo, proletários e a greve dos compositores de 1858 no Rio de Janeiro. Cadernos AEL. Campinas, v. 6, n. 10/11, p.69-108, 1999




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2015.1.20672



e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.