Imigrantes italianos no Brasil meridional: práticas sociais e culturais na conformação das comunidades coloniais

Maíra Ines Vendrame, Maria Catarina Chitolina Zanini

Resumo


O presente artigo pretende trazer elementos para avançar no entendimento da sociedade rural italiana formada no Rio Grande do Sul a partir do final do século XIX. Na percepção dos imigrantes, o espaço que compreendia os núcleos coloniais se caracterizava enquanto local de vivência de costumes, devendo ser gerenciado por normas próprias de controle. O contato conflituoso entre imigrantes e brasileiros permite perceber a maneira como os europeus compreendiam o território colonial.

Palavras-chave


Imigração italiana. Rio Grande do Sul. Comunidades coloniais.

Texto completo:

PDF

Referências


BAILY, Samuel L. Cadenas migratórias de italianos a la Argentina: algunos comentarios. Studios migratórios, v. 3, n. 8, p. 125-135, 1988.

BARTH, Frederik. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contracapa, 2002. p. 243.

BONFADA, Genésio. Os palotinos no Rio Grande do Sul. Santa Maria: Pallotti, 1991. p. 235.

BURMANN, Francisco. Memórias do Pe. Francisco Burmann. 1910. Caixa 2, Missão Brasileira. AHNSC, Santa Maria.

CORTI, Paola. Identità e comunità d’origine nelle vechie e nelle nuove generazioni di emigranti: due paesi, due storie familiari. In: ROSOLI, G. et al. Identità e integrazione: famiglie e paesi, percorsi e immagini di sè nell’ emigrazione Biellese. Milano: Electa, 1990. p.

-174.

CERETTA, Antônio. História do Vale Vêneto (1877-1886). 1894, Caixa 4, Missão Brasileira, Arquivo Histórico Nossa Senhora Conquistadora, Santa Maria.

DEVOTO, Fernando. Las cadenas migratórias italianas: algumas reflexiones a la luz del caso argentino. In: Studi Emigrazione, v. XXIV, n. 87, p. 355-373, 1987.

GRENDI, Edoardo. Polanyi: dall’ antropologia economica alla microanalise storica. Milão: Etas libri, 1978. p. 179.

GRENDI, Edoardo. Il Cervo e la republica. Il modello lìgure di antico regime. Torino: Giulio Einaudi Editore, 1993. p. 202.

LORENZONI, Júlio. Memórias de um imigrante. Porto Alegre: Sulina, 1975. p. 264.

MACIEL, Maria Lucia. O milagre italiano: caos, crise e criatividade. Rio de Janeiro: Relume Dumará/Brasília: Paralelo 15 Editores, 1996. p. 230.

MERLOTTI, Vânia B. P. O mito do padre entre descendentes italianos. Porto Alegre, EST; Caxias do Sul: UCS, 1979. p. 103.

MIGUEZ, E. Microhistoria, redes sociales e historia de las migraciones: ideas sugestivas y fuentes parcas. In: BJERG, M.; OTERO, H. (Comp.). Inmigracion y redes sociales en la Argentina Moderna. Tandil: CEMA-IEHS, 1995. p. 23-33.

POTIGNAUT, P.; STREIFF-FENART, J. Teorias da etnicidade: seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Frederik Barth. Tradução de E. Fernandes. São Paulo: UNESP, 1997. p. 250.

RAMELLA, Franco. Mobilidad geográfica y mobilidad social. Notas sobre la emigración rural de la Itália del Noroeste (1880-1914). Estudios Migratórios Latinoamericanos, v. 6, n. 17, p. 107-118, 1991.

RAMELLA, Franco. Por um uso fuerto del concepto de red em los

estudios migratórios. In: BJERG, M.; OTERO, H. (Comp.). Inmigracion y redes sociales en la Argentina Moderna. Tandil CEMLA-IEHS, 1995. p. 9-21.

RIGHI, José V.; BISOGNIN, Edir L.; TORRI, Valmor. Povoadores da Quarta Colônia. Porto Alegre: EST, 2001. p. 696.

TORRE, Angelo. Luoghi: La produzione di località in età moderna e contemporanea. Roma: Donzelli Editore, 2011. p. 407.

SEYFERTH, Giralda. A colonização alemã no Vale do Itajaí-Mirim.

Porto Alegre: Editora Movimento, 1974.

VENDRAME, Maíra Ines. “Lá éramos servos, aqui somos senhores”: a organização dos imigrantes italianos na ex-colônia Silveira Martins (1877-1914). Santa Maria: Ed. da UFSM, 2007. p. 321.

VENDRAME, Maíra Ines. Nós partimos pelo mundo, mas para viver melhor: redes sociais, família e estratégias migratórias. In: Revista Métis, v. 9, n. 17, p. 69-82, 2010.

VENDRAME, Maíra Ines. Ares de vingança: redes sociais, honra familiar e práticas de justiça entre os imigrantes italianos no sul do Brasil (1878-1910). Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013. p. 478.

XAVIER, Angela; HESPANHA, Antonio Manuel. As redes clientelares. In: HESPANHA, Antonio Manuel (Coord.). História de Portugal – Antigo Regime. Lisboa: Editoral Estampa, 1993. v. 4. p. 381-394.

VÉSCIO, Luiz E. O Crime do Padre Sório: Maçonaria e Igreja Católica no Rio Grande do Sul (1893-1925). Porto Alegre: Editora da UFRGS; Santa Maria: Editora da UFSM, 2001. p. 327.

WOORTMANN, Ellen. Herdeiros, parentes e compadres: colonos do sul e sitiantes do nordeste. São Paulo: HUCITEC; Brasília: Edunb, 1995. p. 336.

ZANINI, Maria Catarina. Italianidade no Brasil meridional. A construção da identidade étnica na região de Santa Maria-RS. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2006. p. 278.

ZANINI, Maria Catarina. Pertencimento étnico e territorialidade: italianos na região central do Rio Grande do Sul (BRASIL). Redes (Santa Cruz do Sul), v. 13, p. 140-163, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2014.1.17268



e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.