O profissional da saúde e o processo de cura: do doente excluído ao sujeito empoderado

Laura Patrício de Arruda

Resumo


Este artigo contém elementos que possibilitam a discussão sobre como os profissionais da saúde podem reorganizar sua prática a partir de uma visão que considera o trânsito do doente excluído ao sujeito empoderado. Partindo do pressuposto de que a doença implica, inevitavelmente, uma crise para o doente, sobretudo acerca do seu papel social, um processo de cura não pode ser somente um retorno linear a um estado anterior, mas sim um restabelecimento de uma nova harmonia, que compreende as cicatrizes do estar, ou do ter estado doente. Salienta-se, um pensamento no qual a doença pode ser benéfica, uma vez que o paciente empreende forças para superar limitações. E, ao superá-las, deixa de lado a exclusão social que uma doença acarretaria, abrindo espaço para o empoderamento do sujeito.
Palavras-chave – Profissionais da saúde. Processo de cura. Exclusão social. Empoderamento.

Texto completo:

PDF



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Textos & Contextos (Porto Alegre)
eISSN: 1677-9509
DOI: 10.15448/1677-9509
Avaliação do Qualis CAPES - 2016
Área Capes - Serviço Social
Classificação: A2
E-mail: textos@pucrs.br
 
 
Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul
 
 
Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS