Desemprego e Informalidade na Argentina: uma análise das diretrizes e recomendações da OIT e da Cepal para geração de trabalho e renda à população juvenil

José Pedro Cabrera Cabral, Vanda Micheli Burginski

Resumo


O artigo traz a reflexão acerca do período de recuperação econômica na Argentina (2003-2007), considerado pelos economistas argentinos como período de consolidação. Os postos de trabalho perdidos, a partir da profunda crise que assolou a década de 90, passam a ser restituídos, segundo as análises econômicas da Organização Internacional do Trabalho – OIT –, Comissão Econômica para América Latina e o Caribe – Cepal – e governo argentino. Utilizamos como referências os relatórios da situação de emprego na América Latina elaborados pela OIT e pela Cepal, como também, estudos e pesquisas acerca da situação do emprego e desemprego juvenil na Argentina. Esse processo de recuperação econômica traz como preocupações centrais, de um lado, as altas taxas de desemprego juvenil; de outro, a necessidade de diminuição da informalidade do trabalho para esse segmento.

Palavras-chave


Emprego e Desemprego, Informalidade e Precarização, Juventude, Argentina.

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1677-9509


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.