Acompanhamento de egressos como instrumento de gestão / Follow-up of alumni as a management tool

Maria Carlota de Rezende Coelho, Janine Pereira da Silva

Resumo


O objetivo do artigo é propor uma ferramenta para acompanhamento de egressos como instrumento de gestão. Trata-se de estudo exploratório, de abordagem quanti-qualitativa, com egressos de um Programa de Mestrado em Vitória, ES, Brasil. Para obtenção dos dados utilizou-se questionário eletrônico. Entre os participantes, houve predomínio do sexo feminino e faixa etária de 31 a 40 anos. Metade dos egressos publicou dados relativos ao mestrado e 14% cursam ou cursaram o doutorado. Ademais, 43% são membros de instituição vinculada à sociedade civil e 18% declararam identificação com algum partido político. Identificou-se, ainda, que os valores que o Mestrado agregou à vida profissional dos egressos estão em consonância com os objetivos propostos pelo Programa. Portanto, esta ferramenta configurou-se como importante instrumento para acompanhamento de egressos e ocasionou, por consequência, melhorias no processo de gestão do Programa.


Palavras-chave


Educação de pós-graduação. Avaliação institucional. Egresso.

Texto completo:

PDF/A

Referências


BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal.

BRASIL. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 jun. 2013. Seção 1, p. 59.

BRUSCHINI, C.; LOMBARDI, M.R. O trabalho da mulher brasileira nos primeiros anos da década de 90. In: Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 10, 1996, Caxambu. Anais... Belo Horizonte: ABEP, v. 1, 1996.

CASTRO, M. G. Marxismo, feminismo e feminismo marxista – mais que um gênero em tempos neoliberais. Crítica Marxista, São Paulo, Boitempo, v.1, n. 11, p. 98-108, 2000.

DA SILVA, A. C.; MAGALHÃES, C. A. R. A relação pedagógica na pós-graduação e a formação do profissional. Revista da Educação, v. 11, n. 12, 2008.

EMESCAM. Regimento Interno do Mestrado em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local. Vitória – ES, 2017. Disponível em: . Acesso em: 01 ago. 2017.

EVANS, J. R.; MATHUR, A. The value of online surveys. Internet Res, v. 15. n. 2, p. 195-219, 2005. .

GOHN, M.G. Sociedade civil no Brasil: movimentos sociais e ONGs. Meta: Avaliação. Rio de Janeiro, v. 5, n. 14, p. 238-253, maio /ago. 2013

HORTALE, V. A.; MOREIRA, C. O. F.; BOCHNER, R.; LEA L, M. do C. Trajetória profissional de egressos de cursos de doutorado nas áreas da saúde e biociências. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 48, n. 1, p. 1-9, 2014. . PMCid:PMC4206114.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Características étnico-raciais da população: classificações e identidades. Rio de Janeiro: IBGE, 2008.

LIGUORI, Guido; VOZA, Pasquale (Orgs.). Dicionário Gramsciano (1926-1937). Tradução Ana Maria Chiarini, Diego Silveira Coelho Ferreira, Leonardo de Oliveira Galastri e Silva De Bernardins. Revisão Técnica Marco Aurélio Nogueira. 1.ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

MACCARI, E.A.; DOS SANTOS TEIXEIRA, G. C. Estratégia e planejamento de projeto para acompanhamento de alunos egressos de programas de pós-graduação stricto sensu. Revista de Administração da UFSM, v. 7, n. 1, p. 101-116, 2014. .

PANOSSO, G. H. Marketing educacional: influenciadores no processo decisório do aluno prospect na escolha por uma instituição de ensino superior. 2016. 162 f.: il. 29 cm. Dissertação (Mestrado) – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Campus Ijuí). Desenvolvimento. Ijuí, 2016.

PRATES, J. C. Formar para além do mercado e para o uso substantivo do instrumental do trabalho. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 01-06, jan. /jun. 2013.

REGO, I. J.; JÚNIOR, L.C. M. Pós-graduação lato senso e stricto senso: direito fundamental à educação capaz de conduzir a um relevante e renovado inovador Brasil do futuro. Revista Direitos Sociais e Políticas Públicas, Bebedouro, São Paulo, v. 3, n. 1, 2015.

SILVA, F.P. Padrões de participação em governos de esquerda na América Latina: Brasil e Venezuela em perspectiva comparada. DADOS - Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 59, n.3, p. 651-681, 2016.

SILVA, I. C.; DE FARIAS, L.A; SANTOS, W. Pós-graduação e produção científica: a hegemonia da teoria do capital humano e as demandas do setor produtivo. Filosofia e Educação, v. 8, n. 3, 2016.

SPAGNOLO, F.; GUNTHER, H. Vinte anos de pós-graduação: o que fazem nossos mestres e doutores? Uma visão geral. Cienc. Cultura, v. 38, n. 10, p. 1643-62, 1986.

YÁZIGI, E. Deixe sua estrela brilhar. Criatividade nas ciências humanas e no planejamento. São Paulo: CNPq/Plêiade, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1677-9509.2017.2.29514


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Textos & Contextos (Porto Alegre)
eISSN: 1677-9509
DOI: 10.15448/1677-9509
Avaliação do Qualis CAPES - 2016
Área Capes - Serviço Social
Classificação: A2
E-mail: textos@pucrs.br
 
 
Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul
 
 
Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS