Terceirização na Política de Assistência Social: ouvindo os trabalhadores / Outsourcing in Social Assistance Policy: listening to the workers

Maria Erica Ribeiro Pereira, Maria Helena de Paula Frota

Resumo


Os trabalhadores da Assistência Social, ao mediar serviços socioassistenciais, são eles próprios sujeitos de direitos. Assim, analisa-se a terceirização na Assistência Social através da experiência de trabalhadores de um CREAS cearense. O percurso investigativo contemplou pesquisa bibliográfica, documental e de campo, observação simples, questionário e entrevista semiestruturada. Constatou-se que a terceirização via organização não governamental se mostra funcional às práticas conservadoras, por fragmentar demandas, descentralizar a responsabilização pela qualidade dos serviços, do trabalho e do trabalhador – realidade contrastante com os ganhos legais nessa política. Este cenário requer proteção aos seus viabilizadores, como um devir e uma condição-chave na conformação da política pública, gratuita, de qualidade, cuja responsabilidade se reporta ao Estado.

 


Palavras-chave


Trabalho. Terceirização. Assistência Social.

Texto completo:

PDF

Referências


ABUL-EL-HAJ, Jawdat. Ceará e o dilema desenvolvimentista brasileiro. Políticas Públicas e Sociedade. Fortaleza, n. 6, p. 11-22, jul/dez. 2003.

ALVES, Giovanni. Terceirização e capitalismo no Brasil: um par perfeito. Revista TST, Brasília, ano 80, n. 3, jul/set. 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: DF, 2015.

______. MDS. Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do Suas – NOB/RH/SUAS. Brasília: MDS, 2011.

______. Lei Orgânica da Assistência Social (2011). Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8742compilado.htm. Acesso em: 20 jun. 2016.

______. CNAS. Resolução nº 17, de 20 de junho de 2011. Brasília: MDS, 2011.

______. MDS. Norma Operacional Básica do Suas – NOB/SUAS. Brasília: MDS, 2012.

______. CNAS. Resolução nº 31, de 31 de outubro de 2013. Brasília: MDS, 2013.

______. CNAS. Política Nacional de Educação Permanente do SUAS. Brasília: MDS, 2013.

______. CNAS. Resolução nº 09, de 15 de abril de 2014. Brasília: MDS, 2014.

______. Censo SUAS 2015 (2016). Disponível em: http://aplicacoes.mds.gov.br/sagi/snas/vigilancia/index2.php. Acesso em: 15 abr. 2016.

______. Lei nº 13.429, de 31 de março de 2017: Altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974, que dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas e dá outras providências; e dispõe sobre as relações de trabalho na empresa de prestação de serviços a terceiros. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13429.htm. Acesso em: 01 maio 2017.

______. Tribunal de Contas do Ceará. Terceirização ilícita. Fortaleza: TCE, 2012.

CARELLI, Rodrigo. Terceirização e direitos trabalhistas no Brasil. In: DRUCK, G; FRANCO, T. (Orgs). A perda da razão social do trabalho: terceirização e precarização. São Paulo: Boitempo, 2007.

COUTO, Berenice R.; YAZBEK, Maria C.; RAICHELIS, Raquel. A política nacional de assistência social e o SUAS: apresentando e problematizando fundamentos e conceitos. In: COUTO, Berenice R. et al (Orgs). O Sistema Único de Assistência Social no Brasil: uma realidade em movimento. São Paulo: Cortez, 2012.

CUT. Campanha de Combate à Terceirização: não à precarização. São Paulo: CUT, 2009.

DIEESE. O processo de terceirização e seus efeitos sobre os trabalhadores no Brasil. São Paulo: DIEESE, 2007.

______. Impactos da Lei nº 13.429/2017 (antigo PL 4.302/1998) para os trabalhadores: contrato de trabalho temporário e terceirização. Disponível em: https://www.dieese.org.br/notatecnica/2017/notaTec175TerceirizacaoTrabalhoTemporario.pdf. Acesso em: 04 maio 2017.

DIEESE/CUT. Terceirização e desenvolvimento: uma conta que não fecha. Dossiê acerca do impacto da terceirização sobre os trabalhadores e propostas para garantir a igualdade de direitos. São Paulo: CUT/DIEESE, 2014.

DRUCK, Graça; THÉBAUD-MONY, Anne. Terceirização: a erosão dos direitos dos trabalhadores na França e no Brasil. In: DRUCK, Graça; FRANCO, Tânia. (Orgs). A perda da razão social do trabalho: terceirização e precarização. São Paulo: Boitempo, 2007.

DRUCK, Graça; FRANCO, Tânia. Terceirização e precarização: o binômio anti-social em industrias. In: DRUCK, Graça; FRANCO, Tania. (Orgs). A perda da razão social do trabalho: terceirização e precarização. São Paulo: Boitempo, 2007.

GONDIM, Linda M. P. Os governos das mudanças no Ceará: um populismo weberiano? Caxambu: ANPOCS, 1995.

NOBRE, Maria C. Q. Modernização do atraso: a hegemonia burguesa do CIC e as alianças eleitorais da "Era Tasso". Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2008.

PEREIRA, Maria Erica R. As engrenagens da terceirização na Assistência Social: estudo com trabalhadores do Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS) - Regional de Fortaleza-Ceará. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2015.

POCHMANN, Márcio. Nova classe média? O trabalho na base da pirâmide social brasileira. São Paulo: Boitempo, 2012.

SILVEIRA, Jucimeiri I. Gestão do trabalho: concepção e significado para o SUAS. In: BRASIL. MDS. Gestão do trabalho no âmbito do SUAS: uma contribuição necessária para ressignificar as ofertas e consolidar o direito socioassistencial. Brasília: MDS, 2011.

SPOSATI, Aldaíza. O primeiro ano do Sistema Único de Assistência Social. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n.87, 2006.

SPOSATI, Aldaíza et al. Assistência na trajetória das políticas sociais brasileiras: uma questão em análise. São Paulo: Cortez, 2014.

THOMPSON, Edward. Senhores e caçadores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1677-9509.2017.1.24612


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Textos & Contextos (Porto Alegre)
eISSN: 1677-9509
DOI: 10.15448/1677-9509
Avaliação do Qualis CAPES - 2016
Área Capes - Serviço Social
Classificação: A2
E-mail: textos@pucrs.br
 
 
Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul
 
 
Copyright: © 2006-2017 EDIPUCRS