Expressões do conservadorismo nos códigos de ética dos assistentes sociais de 1947e 1965 / Expressions of conservatism in the social workers codes of ethics of 1947 and 1965

Olegna de Souza Guedes

Resumo


O presente artigo decorre de pesquisa bibliográfica e documental e pretende contribuir para a reflexão sobre fundamentos teóricos e filosóficos, que convergem para afirmação de expressões do pensamento conservador na descrição de princípios fundamentais e de deveres profissionais dos assistentes sociais, presentes nos dois primeiros Códigos de Ética (1947/1965) desta categoria profissional, no Brasil. Apresenta aspectos do neotomismo presente nestes códigos e demarca as suas relações com perspectivas ideológicas e políticas que pretendiam orientar as ações profissionais dos assistentes sociais nos diferentes contextos históricos nos quais se inscrevem esses códigos de ética. Pretende-se somar às publicações que orientam a reflexão teórica sobre estes códigos e contribuir com o debate sobre aspectos do tradicionalismo ético, na trajetória sócio-histórica do Serviço Social no Brasil.

Palavras-chave


Conservadorismo. Código de ética. Neotomismo. Pessoa humana. Bem comum.

Texto completo:

PDF/A

Referências


AGOSTINHO. As confissões. São Paulo: Abril Cultural, 1973. (Coleção os Pensadores)

AGUIAR, A.G. Serviço social e filosofia: das origens à Araxá. São Paulo: Cortez/UNIMEP, 1984.

AUBERT, R. Os inícios do catolicismo social. In: ROGIER, J. L.; AUBERT, R.; KNOWLES, M. D. A nova história da igreja. Petrópolis: Vozes, 1975.

AMMANN, S.B. Ideologia do desenvolvimento de comunidade no Brasil. 9.ed. São Paulo: Cortez, 1997.

ASSOCIAÇÃO Brasileira de Assistentes Sociais (ABAS). Código de Ética de Secção de São Paulo, 1947. Secção de São Paulo, 1948. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/CEP_ 1947.pdf. Acesso em: 04 mar.2016.

BARROCO, M.L. Ética e serviço social: fundamentos ontológicos. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2003.

BOTTOMORE, T. Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

CASTRO, M. M. História do serviço social na América Latina. São Paulo: Cortez/Celats, 1986.

CONSELHO Federal de Assistentes Sociais (CFAS). Código de ética profissional, 1965. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/CEP_1965.pdf. Acesso em: 04 mar.2016.

DURKHEIM. E. Aula inaugural do curso de Ciências Sociais (Bordeaux, 1887). In. CASTRO, Anna Maria. Introdução ao pensamento sociológico. 6.ed. Rio de Janeiro: Eldorado Tijuca, 1978.

ESCORSIM NETTO, L. O conservadorismo clássico: elementos de caracterização e crítica. São Paulo: Cortez, 2011.

FERREIRA. P.L. Serviço Social e Racionalização. Revista de Serviço Social, ano I, n.9, 1939.

GODOY. J.H.A. Economia humana e desenvolvimentismo católico: o pensamento e a ação de Louis-Joseph Lebret no Brasil. Teoria & Pesquisa. Revista de Ciência Política, v. 24, n. 1, p. 40-53, jan. /jun. 2015. Disponível em: http://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/viewFile/427/280. Acesso em: 31 fev. 2016.

GUEDES, O. S. Implicações da concepção neotomista de homem na gênese do serviço social brasileira –1930/1940. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2000.

GUERRA, Y.A.D. Expressões do pragmatismo no serviço social: reflexões preliminares. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 16, n. esp., p. 39-49, 2013.

GUTIERREZ. E. R. De Leão XIII a João Paulo II: cem anos de doutrina social da igreja católica. 2.ed. São Paulo, Paulinas, 1991.

IAMAMOTO, M. e CARVALHO, R. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1983.

IAMAMOTO, M. V. Renovação e conservadorismo no serviço social: ensaios críticos. 4.ed. São Paulo: Cortez, 1997.

IANNI, O. O ciclo da revolução burguesa. Petrópolis: Vozes, 1984.

_____. O colapso do populismo no Brasil. 2.ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1971.

JAMES, W. Pragmatismo. São Paulo: Nova Cultural, 1989. (Coleção os Pensadores)

JOÃO XXXIII. Carta Encíclica Pacem In Terris. São Paulo: Paulinas, 1963.

JUNQUEIRA. H. I. Exigências personalistas e as organizações internacionais. Revista de Serviço Social, São Paulo, XIV (74), p. 110-118, 1954.

KIEHL, M. A formação do assistente social. Revista de Serviço Social, São Paulo, ano 1, n. 11, 1939.

LACERDA, E. P.L; GUEDES, O.S. Do conservadorismo à moral conservadora no serviço social brasileiro. Serviço Social em Revista, Londrina. UEL, 2008. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/ssrevista/c-v8n2_lelica.htm. Acesso em: 15 jan. 2015.

LEÃO XIII. Carta Encíclica Rerum Novarum. Carta Encíclica Mater et Magister. In: DE SANCTIS, Frei Antônio O.F.M. (Org.). Encíclicas e documentos sociais: da Rerum Novarum à Octogesima Adveniens. São Paulo: USP/LTR, 1972.

MALHEIROS, U. O assistente social deve ser um técnico. Revista de Serviço Social, São Paulo, ano 1, 1939, p.3.

MANCINI. L.C. IV Semana Social, totalitarismo. Revista de Serviço Social, São Paulo, ano II, p.3-6, 1940.

_____. Discurso de paraninfo. Revista de Serviço Social, São Paulo, ano III, n. 25/26, p. 26-29, 1941.

_____. O sentido do serviço social. Revista de Serviço Social, São Paulo, ano II, n. 15, 1940.

MARITAIN, J. Para una filosofia de la persona humana. Santiago: Editorial Letras, 1939.

_____. Humanismo integral: uma nova visão da ordem cristã. Rio de Janeiro: Cia Editora Nacional, 1945.

_____. A pessoa humana e o bem comum. Lisboa: Livraria Morais Editora, 1962.

_____. Os direitos do homem. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1967.

_____. Sete lições sobre o ser. São Paulo: Loyola, 1996.

NETTO. J.P. Capitalismo monopolista e serviço social. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1996a.

_____. Ditadura e serviço social: uma análise do serviço social no Brasil pós-64. 3.ed. São Paulo: Cortez, 1996b.

NISBET, R. A. Introdução crítica à sociologia rural. São Paulo: Hucitec, 1981.

RALPH, D.C. A igreja e o estado no Brasil no século XX: sete monografias recentes sobre o catolicismo brasileiro – 1916-1964. São Paulo: CEBRAP, 1975.

REIS. A. P. O desenvolvimento para o bem-estar social em face da realidade brasileira. In: Congresso Brasileiro de Serviço Social, II. Anais... Rio de Janeiro, CBCISS, p. 59-71, 1961.

ROMANO, R. Conservadorismo romântico: origem do totalitarismo. São Paulo: Brasiliense, 1981.

ROSA. R.T.A. O pensamento de Louis-Joseph Lebret e sua relevância para igreja católica na segunda metade do século XX. Revista Jesus Histórico e sua Recepção, Rio de Janeiro, ano VI, v. 11, 2013. Disponível em: http://www.revistajesushistorico.ifcs.ufrj.br/arquivos11/4-renato.pdf. Acesso em: 05 mar. 2016.

SILVA, L.M.R. Aproximação do serviço social à tradição marxista: caminhos e descaminhos. Tese (Doutorado em Serviço Social) - São Paulo: PUC, 1991 (mimeo).

TELLES. G.U. A ordem social. Revista de Serviço Social, São Paulo, ano I, n. 1, p.3, 1939.

YAZBECK, M. C. Estudo da evolução histórica da escola de serviço social de São Paulo no período de 1936 a 1945. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – São Paulo: PUC, 1977.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1677-9509.2016.1.24058


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Textos & Contextos (Porto Alegre)
eISSN: 1677-9509
DOI: 10.15448/1677-9509
Avaliação do Qualis CAPES - 2016
Área Capes - Serviço Social
Classificação: A2
E-mail: textos@pucrs.br
 
 
Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul
 
 
Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS