Origem e relação do trabalho com o ser humano e as limitações do trabalho na prisão / Origin and work relationship with human being and labor limitations in prison

Rafaelle Lopes Souza, Marina Aparecida Pimenta da Cruz Correa

Resumo


O presente trabalho se propõe a analisar a origem e a relação do trabalho com o homem, elucidando a realização do trabalho prisional e os entraves para seu funcionamento, a fim de conciliar as diretrizes da Lei de Execução Penal que estabelece o trabalho como forma de (re) socialização na prisão à realidade apresentada àqueles que cumprem pena restritiva de liberdade. Considerando a categoria trabalho como determinante na vida humana ao longo da história, relegando status de homem trabalhador valorizado pela sociedade, a identidade profissional acaba, muitas vezes, confundida com o próprio indivíduo no meio social. Portanto, torna-se necessário pensar no lugar que o trabalho ocupa na vida do homem, sobretudo de pessoas que passaram pelo sistema prisional, uma vez que a identidade do sujeito se atrela, geralmente, ao trabalho que exerce no meio social.

Palavras-chave


Trabalho. Lei de Execução Penal. Ressocialização. Trabalho prisional.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALVIM, Rui Carlos Barbosa. O trabalho penitenciário e os direitos sociais. São Paulo: Atlas, 1991.

ANTUNES, Ricardo L.C. Crise capitalista contemporânea e as transformações no mundo do trabalho. São Paulo, 1999. Disponível em: http://www1.univap.br/~gpaiva/Pol_arquivos/POL-03.htm. Acesso em: 28 fev. 2015.

ANTUNES, Ricardo L. C. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 6. ed. São Paulo: Boitempo, 2002.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho. Ensaio sobre a metamorfose e centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez/Campinas: Ed. Unicamp, 1997.

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação. Rio de Janeiro: Moderna,1996.

BRASIL. Lei 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Diário Oficial da União, 13 jul. 1984.

LEAL, César Barros. Prisão: crepúsculo de uma nova era. 2.ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2001.

CABRAL, Luisa Rocha; SILVA, Juliana Leite. O trabalho penitenciário e a ressocialização do preso no Brasil. Revista do CAAP. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, jan.-jun. 2010. Disponível em: http://www2.direito.ufmg.br/revistadocaap/index.php/revista/article/view/277/274. Acesso em: 12 mar. 2015.

CARNOY, Martin. Mundialização e reforma da educação: o que os planejadores devem saber. UNESCO, 2002.

COSTURANDO a liberdade: o negócio da bola – Detentos de quatro presídios de Minas Gerais trabalham na confecção e bolas de futebol. Empresas reduzem o custo, estado abate as despesas do sistema e o preso ganha uma nova chance. Estado de Minas, 18 maio 2014.

DALLAGO, C. S. T. Relações de trabalho e modo de produção capitalista. In: SEMINÁRIO DE SAÚDE DO TRABALHADOR DE FRANCA. Anais eletrônicos. Unesp Franca, 2010. Disponível em: http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?pid=MSC0000000112010000100001&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 10 jan. 2015.

DELGADO, Maurício Godinho; PORTO, Lorena Vasconcelos. O estado do bem-estar social do século XXI. Revista LTr, São Paulo, v. 71, n. 10, p. 1159-1153, 2007.

DEJOURS, Christophe. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Oboré, 1991.

DEFOE, Daniel. As aventuras de Robison Crusoé. São Paulo: Companhia de Letras, 2005.

FRANCO, Maria Laura P. Barbosa. Possibilidades e limites do trabalho enquanto princípio educativo. Caderno de Pesquisa, São Paulo, n. 68, p. 29-37, 1989.

SOUTO MAIOR, Jorge Luiz. A fúria. Revista LTR, São Paulo, v. 66, n. 11, p. 1287-1309, 2002.

MARX, K. O capital. V. I, tomo 1. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

MENDES, Ana Magnólia Bezerra. Aspectos psicodinâmicos da relação homem-trabalho: as contribuições de C. Dejours. Revista Psicologia: Ciência e Profissão, v. 15, n. 1-3, 1995.

MORIN, Estelle M. Os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas [online], v.41, n.3, p.08-19, 2001.

NADER, Paulo. Introdução ao estudo do direito. Rio de Janeiro: Forense, 2008.

PONTIERI, Alexandre. Brasil Trabalho do preso. ADITAL. Disponível em: http://site.adital.com.br/site/noticia.php?lang=PT&cod=39787. Acesso em: 04 jan. 2015.

SÁ, Geraldo Ribeiro de. A prisão dos excluídos. Origem e reflexões sobre a pena privativa de liberdade. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 1996.

ZAVATTARO, H.A; BENZONI, P.E. A relação do homem com o trabalho e as organizações. São Paulo, UNIP, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1677-9509.2016.1.22831


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Textos & Contextos (Porto Alegre)
eISSN: 1677-9509
DOI: 10.15448/1677-9509
Avaliação do Qualis CAPES - 2016
Área Capes - Serviço Social
Classificação: A2
E-mail: textos@pucrs.br
 
 
Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul
 
 
Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS