Dimensões Constitutivas de Tecnologias Sociais no Campo da Saúde: uma proposta de construção e apropriação de conhecimento em territórios vulneráveis / Constitutive Dimensions of Health Field's Social Technologies: a proposal for construction and...

Cristina Maria Barros de Medeiros, Luiza Rosangela da Silva

Resumo


Ao longo dos últimos quinze anos, o conceito de tecnologia social (TS) vem incorporando diversos significados e usos, o que revela a necessidade de diferentes metodologias para sua aplicação e seu entendimento, conforme o campo disciplinar e o objeto. Em saúde coletiva, o termo guarda interface com a noção de determinantes sociais em saúde (DSS), dada a heterogeneidade de demandas geradas sobre o sistema de saúde pelos mais variados contextos culturais, ambientais e socioeconômicos. Enseja, portanto, a construção e investigação de processos, de práticas, de fluxos de comunicação e informação entre atores e territórios diversos – enfim, dimensões específicas do que é definido como tecnologia social em saúde (TSS). Este artigo sistematiza, pela primeira vez, a metodologia utilizada para a emersão de um conceito multidimensional e coletivamente construído de TSS, a partir de uma iniciativa realizada pela Fundação Oswaldo Cruz em 2009, em um território de alta vulnerabilidade social no Rio de Janeiro, adotada, desde então. Finalmente, sublinha a capacidade de adequação desta metodologia para abordar as complexas questões impostas por estes territórios.


Palavras-chave


Tecnologias Sociais em Saúde. Determinantes sociais da saúde. Saúde coletiva. Políticas públicas multissetoriais. Controle social.

Texto completo:

PDF/A

Referências


BARCELLOS, Christovam de Castro et al. Organização espacial, saúde e qualidade de vida: análise espacial e uso de indicadores na avaliação de situações de saúde. Inf. Epidemiol. Sus, Brasília, v. 11, n. 3, set. 2002. Disponível em: http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-16732002000300003&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 15 ago. 2015.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BAUMGARTEN, Maíra. Conhecimento, planificação e sustentabilidade. São Paulo Perspec., São Paulo , v. 16, n. 3, p. 31-41, julho 2002 Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392002000300005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 ago. 2015.

BAZZO, Walter Antonio. Ciência, tecnologia e sociedade e o contexto da educação tecnológica. Florianópolis: Ed. UFSC, 1998.

BECKER, Howard Saul. Métodos de pesquisa em ciências sociais. São Paulo: HUCITEC, 1994.

BODSTEIN, Regina; ZANCAN, Lenira. Avaliação das ações de promoção da saúde em contextos de pobreza e vulnerabilidade social, pp. 39-59. In: Zancan, L; Bodstein, R; Marcondes, W.B. (Orgs.). Promoção da saúde como caminho para o desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Abrasco, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde/Ministério da Saúde. 2. Ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

BRASIL. Fundação Oswaldo Cruz. Fiocruz como instituição pública estratégica de Estado para a saúde. CONGRESSO INTERNO DA FIOCRUZ. VI. 18-22 out. 2010. Relatório Final. Disponível em: http://www.fiocruz.br/media/relatorio_final_ultima_versao.pdf. Acesso em: 15 ago. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE). Apresentação. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/visualizar_texto.cfm?idtxt=3042. Acesso em: 15 ago. 2015.

BREILH, Jaime. Epidemiologia crítica: ciência emancipadora e interculturalidade. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006.

_____. Precisamos ter um novo viver, com taxas de crescimento menos agressivas, mas com mais qualidade. Revista POLI: saúde, educação e trabalho. Entrevista Cátia Guimarães e Raquel Júnia, ano IV, n. 20, nov./dez. 2011.

BUSS, Paulo Marchiori; PELLEGRINI FILHO, Alberto. A saúde e seus determinantes sociais. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, ano 17, n.1, p.77-93, 2007.

CAVALLIERI, Fernando et al. Índice de Desenvolvimento Social – comparando as realidades microurbanas da cidade do Rio de Janeiro. Coleção Estudos Cariocas, ed. n. 8, texto n. 20080401, abril, 2008.

Diretoria de Informações Geográficas. Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos (IPP). Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Disponível em: http://portalgeo.rio.rj.gov.br/estudoscariocas/download/2394_IndicedeDesenvolvimentoSocial_IDS.pdf. Acesso em: 15 ago. 2015.

_____; VIAL, Adriana. Favelas na cidade do Rio de Janeiro: o quadro populacional com base no Censo 2010. Coleção Estudos Cariocas, ed. n. 12, texto n. 20120501, maio 2012. Secretaria Extraordinária de Desenvolvimento. Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos (IPP). Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Disponível em: http://portalgeo.rio.rj.gov.br/estudoscariocas/download/3190_FavelasnacidadedoRiodeJaneiro_Censo_2010.PDF. Acesso em: 15 ago. 2015.

COMISSÃO Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde. As causas sociais das iniquidades em Saúde no Brasil. Relatório Final da Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde, abril 2008. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/causas_sociais_iniquidades.pdf. Acesso em: 15 ago. 2015.

DAGNINO, Renato; BRANDÃO, Flávio Cruvinel; NOVAES, Henrique. Sobre marco analítico conceitual da tecnologia social. In: LASSANCE JR., A. et al. Tecnologia Social – uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004.

DAHLGREN, G; WHITEHEAD, M. Policies and strategies to promote social equity in health. Stockholm: Institute for Future Studies, 1991.

DIONNE, Hughes. A pesquisa-ação para o desenvolvimento local. Brasília: Líber Livro, 2007.

FIOCRUZ. Indicadores de Cooperação Social. Coordenadoria de Cooperação Social, 2014. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/indicadores_em_ cooperacao_social2014.pdf. Acesso em: 15 ago. 2015.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HASENBALG, Carlos. Educação. In: CARDOSO, Adalberto (Coord.). Desenvolvimento humano e condições de vida na cidade do Rio de Janeiro. Coleção Estudos Cariocas, n. 4, texto n. 20040101, jan. 2004, p 130-175. Secretaria Municipal de Urbanismo. Convênio IUPERJ/IPEA/IPP/Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.armazemdedados.rio.rj.gov.br e http://portalgeo.rio.rj.gov.br/estudoscariocas/download/2352_RelatoriodeDesenvolvimento Humano.pdf. Acesso em: 15 ago. 2015.

LAURELL, A.C. A saúde-doença como processo social. In: NUNES, E.D. Medicina social: aspectos históricos e teóricos. Global, 1983.

LEONTIEV, Alexis Nikolaevich. O desenvolvimento do psiquismo humano. São Paulo: Moraes, 1972.

LIMA Carla; BUENO, Leonardo Brasil. Território, participação popular e saúde: Manguinhos em debate. 1.ed. Rio de Janeiro: Ediouro/ENSP/Fiocruz, 2010.

MACIEL, Ana Lúcia Suárez; FERNANDES, Rosa Maria Castilhos. Tecnologias sociais: interface com as políticas públicas e o Serviço Social. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 105, p. 146-165, mar. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282011000100009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 ago. 2015.

MARTINELLI, Maria Lúcia. Serviço social na área de saúde: uma relação histórica. Revista Intervenção Social, Lisboa, n. 28, p. 09-18, 2014.

MEDEIROS, Cristina Maria Barros de. A construção coletiva dos direitos da cidadania e justiça. In: Seminário Internacional Direitos Humanos, Violência e Pobreza. II. Anais... Rio de Janeiro: Rede Sirius/UERJ, 2008, v.1.

_____. Diálogos com a superação: sobre formação, qualificação profissional e reconstrução de histórias de vida de deficientes visuais. 2010. 235 p. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: UFRJ/COPPE, 2010.

MINAYO, Cecília Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

MOTTER, D. G.; ALVES, J. M. de. Construção do princípio de integralidade: percepções e ações desencadeadas pela equipe de saúde da família quanto às demandas sociais apresentadas no município de Londrina – PR. Serviço Social em Revista, v. 8, n. 2, Londrina, jan./jun. 2006.

NOVAES, Henrique; DIAS, Rafael de Brito. Construção do marco analítico-conceitual da tecnologia social. In: DAGNINO, Renato (Org.). Tecnologia social: uma ferramenta para construir outra sociedade. 2.ed. Campinas, SP: Komedi, 2010.

OLIVEIRA, S. C., COSTA, E. H. S., DAGNINO, Renato, FARIA, L. I. L. A tecnologia social sob análise: uma avaliação de possíveis indicadores. In: HOFFMANN, W. A. M. Ciência, tecnologia e sociedade. São Carlos: Ed UFCar, 2011.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Eliminação de Doenças Negligenciadas e Outras Infecções Relacionadas à Pobreza. 49º Conselho Diretor. Resolução 19 – CD 49.R19. Organização Mundial da Saúde. Washington, D.C., EUA, 28 set. /2 out. 2009.

PASTOR, Marcia. A democratização da gestão da política de assistência social: fragmentos de um estudo. Katálysis, Florianópolis, v. 10. n. 2, jul./dez. 2007.

RIO DE JANEIRO. Escritório de Gerenciamento de Projetos do Governo do Rio (EGP-RIO). Complexo de Manguinhos. Censo Domiciliar. Relatório Técnico, mar. 2010. Secretaria de Estado da Casa Civil do Rio de Janeiro. Disponível em: http://arquivos.proderj.rj.gov.br/egprio_imagens/Uploads/MD.pdf. Acesso em: 15 ago. 2015.

SIMIONATTO, Ivete; COSTA, Carolina Rodrigues. Estado e políticas sociais: a hegemonia burguesa e as formas contemporâneas de dominação. Katálysis, Florianópolis, v. 17, n. 1, p. 68-76, jun. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-49802014000100007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 16 ago. 2015.

THOMAS, Hernán. Tecnologías sociales y ciudadanía socio-técnica. Notas para la construcción de la matriz material de un futuro viable. Revista Ciência e Tecnologia Social CTS, n. 1. 2011. Disponível em: http://seer.bce.unb.br/index.php/cts/index>UnB, 2011. Acesso em: 15 ago. 2015.

WHITEHEAD, Margaret. The concepts and principles of equity and health. Program on Health Policies and Planning of the WHO Regional Office for Europe. Copenhagen: WHO, 2000. Disponível em: http://salud.ciee.flacso.org.ar/flacso/optativas/equity_and_health.pdf. Acesso em: 15 ago. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1677-9509.2016.1.22248


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Textos & Contextos (Porto Alegre)
eISSN: 1677-9509
DOI: 10.15448/1677-9509
Avaliação do Qualis CAPES - 2016
Área Capes - Serviço Social
Classificação: A2
E-mail: textos@pucrs.br
 
 
Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul
 
 
Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS