Pesquisa e Serviço Social: contribuições à crítica / Research and Social Work: contributions to criticism

José Fernando Siqueira da Silva, Maria Izabel da Silva

Resumo


O artigo em questão se propõe a oferecer contribuições ao debate sobre a pesquisa em Serviço Social, processo este imprescindível aos profissionais que lidam cotidianamente com a reprodução continuada e ampliada da desigualdade social na ordem burguesa madura (genericamente caracterizada como “questão social”). Faz isto considerando as inúmeras contradições atualmente existentes para a realização de pesquisas orientadas pelo ponto de vista da totalidade, centradas na riqueza da própria realidade (na sua lógica objetiva). Quais caminhos devem ser trilhados para estimular a elaboração de estudos genuinamente ontológico-materiais? Quais os principais obstáculos para isto? Como situar as particularidades da pesquisa em Serviço Social nesse contraditório contexto?


Palavras-chave


Serviço Social. Pesquisa. Teoria Social de Marx.

Texto completo:

PDF/A (Corrigido)

Referências


ANTUNES, R. Adeus ao Trabalho? Ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 2005.

BRAZ, M.M.R. Notas sobre o Projeto ético-político do Serviço Social. In: CRESS/MG. Contribuições para o exercício profissional de assistente social: coletânea de leis CRESS/MG. Belo Horizonte: CRESS, 2013.

BRAZ, Marcelo; RODRIGUES, Mavi. O ensino em Serviço Social na Era Neoliberal (1990-2010). Sociabilidade Burguesa e Serviço Social. Rio de Janeiro: Lumen Juris, p. 255-281, 2013.

CASTELO, Rodrigo. O novo desenvolvimentismo e a decadência ideológica do pensamento econômico brasileiro. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 112, p. 613-636, dez. 2012. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282012000400002&lng=pt&nrm=iso Acesso em 01 jun. 2015.

CHAUI, M.A Universidade em ruínas. In: TRINDADE, Helgio (org.). Universidade em ruínas: na república dos professores. Petrópolis: Vozes, p. 211-222, 1999.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

ESCORSIM, L. O conservadorismo clássico. São Paulo: Cortez Editora, 2011.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

______. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. São Paulo: Global Editora, 2009.

GONÇALVES, Reinaldo. Novo desenvolvimentismo e liberalismo enraizado. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 112, p. 637-671, dez. 2012. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010166282012000400003&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 01 jun. 2015.

HARVEY, D. O enigma do capital e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

IAMAMOTO, M. V. Serviço Social em tempo de capital fetiche – capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez Editora, 2007.

______. Renovação e conservadorismo no Serviço Social: ensaios críticos. São Paulo: Cortez: Celats, 1994.

IAMAMOTO, M. V.; CARVALHO, R. de. Relações sociais e Serviço Social no Brasil. Esboço de uma interpretação histórico-metodológica. São Paulo: Cortez, 1985.

KAMEYAMA, N. A trajetória da produção de conhecimento em Serviço Social: avanços e tendências. Caderno ABESS, n. 8. Diretrizes curriculares e pesquisa em Serviço Social. São Paulo. Cortez, p.33-76, 1998.

LARA, R. Pesquisa e Serviço Social: da concepção burguesa de ciências sociais à perspectiva ontológica. Revista Katálysis, Florianópolis, UFSC, v.10, p. 73-82, 1997.

LEHER, R. A universidade reformada: atualidade para pensar tendências da educação superior 25 anos após sua publicação. Revista Contemporânea de Educação, v. 8, p. 316-340, 2013.

______. Florestan Fernandes e a defesa da educação pública. Educação & Sociedade (Impresso), v. 33, p. 1157-1173, 2012.

______; SILVA, S. M. A universidade sob céu de chumbo: a heteronomia instituída pela ditadura empresarial-militar. Universidade e Sociedade (Brasília), v. XXII, p. 6-17, 2014.

LUKÁCS, G. Introdução a uma estética marxista. Trad. Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

______. Ontologia do ser social: os princípios ontológicos de Marx. São Paulo: Ciências Humanas, 1979.

______. Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo Editorial, 2012.

______. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013.

______. Prolegômenos para uma ontologia do ser social. São Paulo: Boitempo Editorial, 2010.

MARX, K. Crítica da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo, 2005a.

______. Crítica da filosofia do direito de Hegel — Introdução. In: Crítica da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo, p. 145 56, 2005b.

______. O capital – Crítica da Economia Política. São Paulo: Abril Cultural, 1984, v.2.

______. O capital – Crítica da Economia Política. São Paulo: Abril Cultural, 1985, v.3, tomos 1 e 2.

______. O capital: crítica da economia política. Trad. Reginaldo Sant’Ana. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. v.1, tomo 1.

______. O manifesto comunista/ K. Marx e Friedrich Engels: [tradução M. Lucia Como]. 15. ed. (2005). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998. (Coleção Leitura).

______. O método da economia política. In: FERNANDES, Florestan (Org). Marx e Engels – História. São Paulo: Ática, 1989. (Textos originais de Marx e Engels)

______. Posfácio. In: MARX, Karl. O Capital. V.1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p.15-29, 1998.

MARX, Karl. Teses sobre Feuerbach. In MARX; ENGELS. Obras escolhidas. Lisboa: Edições Avante; Moscou: Editorial Progresso, 1982. Tomo III. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/marx/1845/tesfeuer.htm. Acesso em: 05/06/2015.

______. Para a questão judaica. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

NETTO, José Paulo. A construção do Projeto Ético-Político do Serviço Social. 1999. Disponível em: http://www.cpihts.com/PDF03/jose%20paulo%20netto.pdf. Acesso em: 21/06/2015.

______. Capitalismo monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez. 1992.

______. Ditadura e Serviço Social: Uma análise do Serviço Social no Brasil pós-64. 4. ed. São Paulo: Cortez, 1998.

______. O Serviço Social e a tradição marxista. Revista Serviço Social & Sociedade. São Paulo: Cortez Editora, n. 30, p. 89-102, 1989.

QUINTANEIRO, T. Um toque de clássicos. Belo Horizonte: UFMG, 1995.

SAMPAIO JR., Plínio de Arruda. Desenvolvimentismo e neodesenvolvimentismo: tragédia e farsa. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 112, p. 672-688, dez. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282012000400004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 01/06/2015.

SETUBAL, A.A. Desafios à pesquisa no Serviço Social: da formação acadêmica à prática profissional. Revista Katalysis, Florianópolis, UFSC, v.10, p. 64-72, 2007.

SILVA, J. F. S. Crise do capital, neoconservadorismo e Serviço Social: apontamentos para o debate. Revista Em Pauta. Rio de Janeiro: UERJ, n. 35, janeiro/junho 2015. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaempauta/article/view/18624/13594

______. Serviço Social: razão ontológica ou instrumental? Revista katálysis, n.1, v. 16, jan/jun, p. 72-81, 2013a.

______. Serviço Social: resistência e emancipação? São Paulo: Cortez, 2013b.

______; SILVA, M.I. Reprodução do capital, trabalho estranhado e violência. In: LOURENÇO, E. Â. DE S.; NAVARRO, V. L.; BERTANI, I. F.; SILVA, J. F. S. DA; SANT’ ANA, R. S. (Org.). O Avesso ao Trabalho: trabalho II, precarização e saúde do trabalhador. Expressão Popular, UNESP-Franca, 2010a.

SILVA, M.I. A apropriação das obras de Ricardo Antunes pelo Serviço Social: a categoria Trabalho em debate. Tese de Doutorado em Serviço Social (Programa de Pós-Graduação em Serviço Social – Doutorado), Faculdade de Ciências Humanas e Sociais – FCHS, Universidade Estadual Paulista – UNESP/Franca, 2014.

______; SILVA, J.F.S. O sucateamento do ensino superior público brasileiro no contexto da crise globalizada contemporânea. In: Lentes Pedagógicas. Faculdade Católica de Uberlândia, 2011.

______. O trabalho docente voluntário: a experiência da UFSC. Florianópolis: Editora da UFSC, 2010b.

______; NOGUEIRA, C.M. O trabalho docente voluntário no contexto da crise contemporânea. In: Riqueza e Miséria do Trabalho III. Ricardo Antunes (org.). São Paulo: Boitempo, 2014.

______. Pesquisa Social I. In: Apostila do Curso de Serviço Social. UNIVALE, Itajaí/SC, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1677-9509.2015.2.21773

e-ISSN: 1677-9509


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.