Epistemologia da Auto-Organização na Educação Não Formal Permanente em Comunidades / Self-Organization Epistemology in Non-Formal Life Long Learning and Education Communities

Maria Clara Faria Costa Oliveira, Lizete Maria Pulgati de Lima

Resumo


O desafio de compreender com rigor os fenómenos de aprendizagem e de educação social terá que seguir atenta e criticamente os constructos das várias áreas do saber humano, exigindo capacidade em assumirmos as nossas crenças na investigação e/ou ação que empreendemos, bem como a não omissão do papel observacional das nossas explicações. Para ser considerado um membro das comunidades constitutivas, o educador deve demonstrar solicitude e empatia, os principais ingredientes para produzir confiança, sem manipulações, mas antes com a humildade de quem se encontra disponível para acolher e ser acolhido; métodos e técnicas que promovem a autoexposição de educandos-educadores sociais (sobretudo de âmbito biográfico) são aqui indicados.

Palavras-chave


Aprendizagem. Padrões Auto-Organizativos. Educador Social. Observador.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1677-9509.2014.1.16980


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Textos & Contextos (Porto Alegre)
eISSN: 1677-9509
DOI: 10.15448/1677-9509
Avaliação do Qualis CAPES - 2016
Área Capes - Serviço Social
Classificação: A2
E-mail: textos@pucrs.br
 
 
Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul
 
 
Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS