O Profissional da Saúde e a Finitude Humana: a negação da morte no cotidiano profissional da assistência hospitalar

Ana Claudia Correia Nogueira, Louise Marie Oliveira, Viviane Pimentel

Resumo


Este artigo é um convite à reflexão sobre a prática dos profissionais da área de saúde no tocante à abordagem da morte no cotidiano institucional e na própria formação destes. A análise é voltada, fundamentalmente, aos que lidam com pacientes terminais. Conforme é mostrado, a falta de preparo das equipes de saúde e, em especial, dos médicos, no trato do fenômeno de finitude humana, é fruto de uma formação deficitária no que diz respeito à relação médico-paciente, somada a um processo social histórico de relegar a morte a um plano quase oculto no mundo contemporâneo. A reflexão proposta neste estudo é repensar essas questões, atrelando-lhe valores mais humanos, porém de forma esclarecida, trazendo a consciência da finitude da vida humana para a relação entre o paciente, o profissional, o tratamento e a doença que é vivenciada, visando tornar digno e pleno o período de vida que o paciente gozará até sua extinção, minimizando o impacto da morte sobre seus familiares e profissionais que o assistem.

Palavras-chave – Morte. Finitude humana. Prática professional. Humanismo.

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1677-9509


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.