Tomada de consciência da fonologia em L2: instrução explícita e a aquisição do aspirado /p/ por falantes de português brasileiro

Ubiratã Kickhöfel Alves, Vivian Magro

Resumo


No contexto atual de pesquisas sobre aquisição do inglês (L2) por brasileiros, encontramos um grande número de investigações acerca do aspecto fonético-fonológico. Entretanto, a questão do papel da instrução explícita tem recebido pouca atenção nos estudos da área. A partir desse quadro, o presente trabalho visa a investigar os efeitos da instrução explícita acerca da produção da plosiva surda /p/, em posição inicial de palavra no inglês. Participaram do estudo doze aprendizes brasileiros de inglês, que foram divididos em dois grupos: (a) um Grupo Experimental, que recebeu aulas de pronúncia de caráter contextualizado acerca do fenômeno de aspiração; e (b) um Grupo de Controle, que não recebeu nenhuma forma de instrução. Anteriormente à etapa instrucional, os participantes de ambos os grupos realizaram testes de produção em português e em inglês, a partir dos quais foram coletados dados para que fossem verificados os índices de Voice Onset Time (VOT) das plosivas produzidas por estes aprendizes. Os testes consistiam em listas de palavras iniciadas por /p/, além de palavras distratoras. Após a instrução, os participantes realizaram novamente o teste em língua inglesa, de modo que seu progresso pudesse ser analisado. Os dados mostram que a instrução explícita contribuiu para um aumento nas médias de VOT das plosivas produzidas pelos aprendizes pertencentes ao Grupo Experimental. Por sua vez, o Grupo de Controle não produziu a plosiva labial com aspiração. Verificamos, assim, que a instrução explícita contextualizada exerce efeitos positivos na aquisição, por parte de aprendizes brasileiros, da aspiração da plosiva /p/ em posição inicial de palavra.

Palavras-chave


Aspiração; Instrução explícita; Ensino de pronúncia; Plosiva bilabial desvozeada

Texto completo:

PDF (EM INGLÊS)


e-ISSN: 1984-7726

ISSN-L: 0101-3335

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS