Mundo da vida e pesquisa em educação: ressonâncias, implicações, replicações

Margarete Axt

Resumo


É propósito aqui criar algumas possibilidades de inflexão que permitam pensar em questões postas pela via da pesquisa-formação enquanto plano de experimentação no âmbito da própria escola. Esta modalidade investigativa afirma seu aspecto pro-ativo no sentido de que: ao mesmo tempo em que o pesquisador desenvolve seu trabalho, ele não pode se descuidar da formação propriamente dita, tendo em vista um cuidado ético de respeito ao outro, nesta relação. Trata-se, também, de considerar a relação academia-comunidade segundo um vínculo de indissociabilidade e de simultaneidade entre as dimensões universitárias pesquisa-extensão (formação). Não mais pesquisa antecedendo e guiando extensão, mas pesquisa e extensão (formação) fazendo-se juntas no mesmo contexto problemático em que se encontram em contato. Esta perspectiva oportuniza desenhar um plano, ao mesmo tempo de implicação-vivenciação do mundo da vida tal como se desenrola na escola, e de experimentação-experienciação de algumas alianças entre este mundo da vida na escola e o mundo teórico da academia, não opondo um ao outro, antes compondo-os no traçado de uma filosofia primeira, assim como proposta pelo filósofo russo Mikhail Bakhtin.

Palavras-chave


Educação continuada; pesquisa-formação; pesquisa-extensão; ética-estética; implicação-experimentação

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1984-7726 | ISSN-L: 0101-3335


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.