Alegorias de ninguém

Francisco Marshall

Resumo


Este artigo parte do diagnóstico da crise histórica e cultural que abalou a credibilidade do mito, tal como expresso na épica de Homero e Hesíodo, na Grécia arcaica, e avança ilustrando as diferentes tentativas de se explicar ou justificar o mito. Por esta razão, o artigo é uma história do surgimento e desenvolvimento do conceito de “alegoria”, como categoria interpretativa do mito, e sua aplicação na antiguidade, na renascença e na atualidade.

Palavras-chave


Mito; Filosofia; Alegoria; Homero

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 1984-7726

ISSN-L: 0101-3335

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS