Identidades em trânsito: uma análise da representação feminina nos contos “Os sapatinhos vermelhos” nas versões de Andersen e Caio Fernando Abreu

Livia Maria Rosa Soares, Vilmaria Chaves Nogueira

Resumo


Este trabalho pretende apresentar uma análise comparativa sobre a representação feminina nos contos “Os sapatinhos vermelhos” de Hans Cristian Andersen e no conto homônimo de Caio Fernando Abreu. Verificaremos como os contos, publicados em diferentes épocas, representam e problematizam a condição da mulher frente a conflitos e interdições impostas socialmente. Buscaremos analisar como a narrativa de Caio Fernando Abreu revigora e atualiza o fantástico na pós-modernidade, especialmente ao representar o esfacelamento do sujeito, identidades marcadas pelo duplo, o esmaecimento dos afetos entre outras questões do cenário contemporâneo.


Palavras-chave


Conto clássico. Pós-modernidade. Paródia. Representação feminina.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Caio Fernando. Contos completos. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2018.

ANDERSEN, Hans Christian. Os sapatinhos vermelhos. Disponível em: http://www.4shared.com/file/60606773/b7a0e6cb/sapatinhos_vermelhos.html?s=1. Acesso em: 06 out. 2018. https://doi.org/10.5216/sig.v16i1.3751

BAUMAN, Z. Identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

BOURDIEU, Pierre. O Poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

CAMARANI, Ana Luisa S. A literatura fantástica: caminhos teóricos. Araraquara: Cultura Acadêmica, 2014. https://doi.org/10.12957/abusoes.2015.20993

CALVINO, Ítalo. Contos fantásticos do século XIX: O fantástico visionário e o fantástico cotidiano. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 29. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2016.

CHIAMPI, I. O realismo maravilhoso: forma e ideologia no romance hispano-americano. São Paulo: Perspectiva, 1980. https://doi.org/10.5195/reviberoamer.1982.3719

COELHO, Nelly Novaes. Panorama histórico da literatura infantil juvenil: das origens indo-europeias ao Brasil contemporâneo. 4. ed. rev. São Paulo: Ática, 2003.

COMPAGNON, A. Os cinco paradoxos da modernidade. Belo Horizonte: UFMG 2003.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. Lisboa: Presença, 1989.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia: ensinamentos das formas de arte do século XX. Trad. de Tereza Louro Pérez. Lisboa: Edições 70, 1985.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 10. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

JAMERSON, F. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. 2. ed. São Paulo: Ática, 2006.

LEAL; B. S. Caio Fernando Abreu: A Metrópole e a Paixão do Estrangeiro. São Paulo: Annablume, 2002.

MARÇAL, Márcia R. A tensão entre o fantástico e o maravilhoso. Fronteira Z: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária, São Paulo, n. 3, PUC-SP, 2009. https://doi.org/10.23925/1983-4373.2018i20p205-221

ROAS, David. A ameaça do fantástico: aproximações teóricas. Trad. Julián Fuks. São Paulo: Unesp, 2014.

SILVA, Antonia Marly M; Leite, Francisco G. Sob o domínio do duplo: um estudo comparativo de dois contos de Ignácio de Loyola Brandão. Estudos de literatura brasileira contemporânea, n. 54, p. 297-318, maio/ago. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/elbc/n54/2316-

-elbc-54-297.pdf. Acesso em: 5 jan. 2019. https://doi.org/10.1590/10.1590/2316-40185416

SOARES. Lívia Maria Rosa. Representações Femininas nos contos de fadas de Marina Colasanti. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual do Piauí, Teresina, 2014.

VAGULA, Vânia K. B; SOUZA, Renata J. A morte na literatura infantil de Hans Christian Andersen. Revista Caderno Seminal Digital, ano 21, v. 1, n. 23, jan.-jun. 2015. https://doi.org/10.12957/cadsem.2015.14510




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7726.2019.4.33117

e-ISSN: 1984-7726 | ISSN-L: 0101-3335


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.