A discórdia das canetas: um estudo do ethos em páginas de cunho político no Facebook

Cristina Rothier Duarte, Francisco Vieira da Silva

Resumo


Este artigo tem como objetivo geral analisar o ethos de duas páginas criadas no Facebook, Caneta desmanipuladora e Caneta desesquerdizadora, no intuito de investigar como tais páginas criam uma imagem de si a partir de enunciações publicadas em suas timelines. Para a realização deste estudo, tomamos como aporte teórico os estudos da Análise do Discurso de linha francesa, especialmente, o conceito de ethos discursivo trabalhado por Maingueneau, bem como o exame sobre o Facebook empreendido por Emediato. Metodologicamente, este trabalho se inscreve no âmbito de um viés descritivo-interpretativo de cunho qualitativo. Como resultado, verificamos, com base na análise do corpus, como dois enunciadores, que, a priori, apresentam propostas semelhantes, podem criar imagens de si distintas, a partir do ethos discursivo.


Palavras-chave


análise do discurso; ethos discursivo; Facebook.

Texto completo:

PDF

Referências


AMOSSY, Ruth. Introdução – Da noção retórica de ethos à análise do discurso. In: AMOSSY, Ruth (Org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2016. p. 9-28.

BOYD, Danah M.; ELLISON, Nicole B. Social network sites: definition, history, and scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication, v. 13, n. 1, p. 210-230, out. 2007. Disponível em:

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1083-6101.2007.00393.x/full. Acesso em: 29 mar. 2018.

COUTO, Edvaldo Souza. Narrativas pessoais nas redes sociais digitais. In: CORACINI, Maria José; CARMAGNANI, Anna Maria Grammatico (Org.). Mídia, exclusão e ensino: dilemas e desafios na contemporaneidade. Campinas: Pontes Editores, 2014. p. 281-295.

EMEDIATO, Wander. Discurso e web: as múltiplas faces do Facebook. Revista da ABRALIN, Paraná, v. 14, n. 2, p. 171-192, jul. 2015.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. Trad. Suzana Alexandria. São Paulo: Aleph, 2009.

LEMOS, André. Cibercultura: alguns pontos para compreender a nossa época. In: LEMOS, André; CUNHA, Paulo (Org.). Olhares sobre a cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2003. p. 11-23.

LEMOS, André. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2010.

LIMA, Venâncio Artur de. Mídia: teoria e política. 2. ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. Trad. Mário Vilela. São Paulo: Barcarolla, 2004.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2004.

MAINGUENEAU, Dominique. Ethos, cenografia, incorporação. In: AMOSSY, Ruth (Org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2016. p. 69-92.

MARQUES, Francisco Paulo Jamil Almeida. Ciberpolítica: conceitos e experiências. Salvador: EDUFBA, 2016.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina: 2010.

SOARES, Alexandre Ferrari; SELLA, Aparecida Feola; COSTA-HÜBES, Terezinha. Maingueneau. In: OLIVEIRA, Luciano Amaral (Org.). Estudos do discurso: perspectivas teóricas. São Paulo: Parábola Editorial, 2013. p. 261-279.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7726.2018.3.30549

e-ISSN: 1984-7726

ISSN-L: 0101-3335

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS