As mitologias do sertão através do cinema e literatura

Thiago de Brito Varjão

Resumo


O cinema e a literatura de cordel apresentam o Nordeste como uma feira de mitos com características sui generis no que concerne à cultura popular. O imaginário que cerca a região constitui o Nordeste como sendo a terra das lendas, dos cangaceiros, dos jagunços, dos vaqueiros e líderes religiosos. A partir desse ponto de vista, o Nordeste pode ser encarado como uma construção imagético-discursiva onde se propagam os mais diversos mitos, tipicamente, heroicos gerados em um grupo socioeconômico marginalizado, de proletários arraigados à terra. Nesse cenário, dois personagens fundamentais aparecem constantemente nas histórias populares: o cangaceiro e as figuras santas, beatos e líderes religiosos carismáticos. Dentro do corpus, se procura investigar como se dá o processo de criação desses personagens mitificados bem como a função destes a partir do universo imagético-discursivo do cinema e literatura.


Palavras-chave


literatura; cinema; cangaço; mito.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Márcia. História de cordéis e folhetos. Campinas: Mercado das letras, 2006.

ALBUQU ERQU E JÚNIOR, Durval Muniz de. A feira dos mitos: a fabricação do folclore e da cultura popular (nordeste – 1920-1950). São Paulo: Intermeios, 2013.

ALBUQU ERQU E JÚNIOR, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BANDEIRA, Manuel. Libertinagem & Estrela da manhã. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

BARTHES, Roland. Mitologias. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. p. 131-176.

BAZIN, André. O que é cinema? São Paulo: Cosac Naify, 2014. p. 237-262.

CAPIBA; FERR EIRA, Ascenso; SUASSUNA, Ariano. São os do Norte que vêm. Intérprete: Claudionor Germano. In: II Festival Internacional da Canção Popular. Rio de Janeiro: Codil, 1967. 1 LP. Lado A. Faixa 2.

CAVALCANTE, Rodolfo Coelho. Antônio Conselheiro: o santo guerreiro de Canudos. Salvador: [s.n.], 1977.

CAVGNAC, Julie. Pour une approche antropologique des formes poétique nordestines (Brésil). Caravelle, n. 65, 1995. p. 119-142. (Les cultures populares em Amérique latine).

DANTAS, Ronaldo Dória. Sertão de cabra valente e trabalhador. [S.l.: s.n.], [19--].

DEBS, Sylvie. Cinema e cordel: jogo de espelho. Fortaleza: Interarte Editora/Lume Filmes, 2014.

DEBS, Sylvie. Cinema e literatura no Brasil – os mitos do sertão: emergência de uma identidade nacional. Fortaleza: Interarte, 2007.

DUARTE, Manuel Florentino et al. Literatura de cordel (1 – Antologia). São Paulo: Global Editora, [19--].

MELLO, Frederico Pernambucano de. Guerreiros do Sol: violência e banditismo no Nordeste do Brasil. 5. ed. São Paulo: A Girafa, 2013.

MORIN, Edgar. O cinema ou o homem imaginário: ensaio de antropologia sociológica. São Paulo: Realizações, 2014.

PACHECO, José. A chegada de Lampeão no inferno. [S.l.: s.n.], [19--].

RODRIGUES, Nina. As coletividades anormais. Brasília: Edições do Senado Federal, 2006. v. 76. p. 41-56.

VIEIRA, Marcelo Dídimo de Souza. O cangaço no cinema brasileiro. 418 f. Tese (Doutorado em Multimeios) – Instituto de Artes: Universidade Estadual de Campinas: São Paulo, 2007.

FILMOGRAFIA

DEUS e o diabo na terra do sol. Direção: Glauber Rocha. Rio de Janeiro: Copacabana Filmes, 1964. 1 filme (125 min.), 35 mm, p&b.

LAMPIÃO-VITALINO. Direção: Geraldo Sarno. São Paulo: Saruê Filmes, 1969. 1 filme (9 min), 16 mm, p&b.

O HOMEM que virou suco. Direção: João Batista de Andrade. Santos. Santos; São Paulo; Rio de Janeiro: Raíz Produções Cinematográficas; Embrafilme – Empresa Brasileira de Filmes S.A.; Governo do Estado de São Paulo – Secretaria de Cultura, 1980. 1 filme (97 min), 35 mm, COR.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7726.2018.4.29889

e-ISSN: 1984-7726 | ISSN-L: 0101-3335


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.