A produção de subjetividades no romance e na entrevista midiática: rastros do autobiográfico e da escrita feminista de Maria Valéria Rezende

Cândida de Oliveira, Tânia Regina Oliveira Ramos

Resumo


Este estudo investiga os discursos do biográfico na contemporaneidade sob a forma do romance e da entrevista midiática. Para tanto, retoma a obra de Philippe Lejeune sobre a noção de “pacto autobiográfico”, procura estabelecer diálogos com estudos que demarcam novos modos de pensar a relação do biográfico com a subjetividade a partir do conceito de espaço biográfico, de Leonor Arfuch, e a crítica literária feminista. Com esse aporte teórico, visa analisar a produção de subjetividades na literatura brasileira contemporânea, focando a literatura de autoria feminina e tendo como corpus de análise Outros cantos, de Maria Valéria Rezende, publicado em 2016, e duas entrevistas concedidas pela escritora, veiculadas nos sites dos jornais O Globo e El País. Constata a emergência de uma escrita de viés feminista, em que narrativas ficcionais e autobiográficas são tecidas com o apoio da memória.


Palavras-chave


Literatura; Espaço autobiográfico; Subjetividade; Crítica feminista; Maria Valeria Rezende

Texto completo:

PDF

Referências


ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Tradução de Paloma Vidal. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.

BARTHES, Roland. (1975). Roland Barthes por Roland Barthes. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 1977.

BOURDIEU, Pierre. (1986). A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (Org.). Usos e abusos da história oral. 8. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. p. 183-191.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Rio de Janeiro: Editora da UERJ; Vinhedo: Horizonte, 2012.

FREITAS, Guilherme. Maria Valéria Rezende lança romance inspirado em sua atuação contra ditadura. Entrevista concedida por Maria Valéria Rezende ao jornal O Globo. 05 de janeiro de 2016. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2017.

FUNCK, Susana Bronéo. (1994). Da questão da mulher à questão do gênero. In: FUNCK, Susana Bronéo. Crítica literária feminista: uma trajetória. Florianópolis: Insular, 2016. p. 145-153.

LACERDA, Lilian Maria de. Lendo vidas: a memória como escritura autobiográfica. In: MIGNOT, Ana Chrystina; BASTOS, Maria Helena Camara; CUNHA, Maria Teresa Santos (Org.). Refúgios do eu: educação, história e escrita autobiográfica. Florianópolis: Mulheres, 2000. p. 81-107.

LEJEUNE, Philippe. (1975). O pacto autobiográfico. In: LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Tradução de Jovita Maria Gerheim Noronha, Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. p. 15-47.

LEJEUNE, Philippe. (1986). O pacto autobiográfico (bis). In: LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Tradução de Jovita Maria Gerheim Noronha, Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. p. 48-69.

LEJEUNE, Philippe. (2005). O pacto autobiográfico, 25 anos depois. In: LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Tradução de Jovita Maria Gerheim Noronha, Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. p. 70-85.

LEJEUNE, Philippe. Um “jê” de pistes. In: LEJEUNE, Philippe. Écrire sa vie: du pacte au patrimoine autobiographique. Paris: Mauconduit, 2015. p. 11-25. (Neste trabalho, utilizamos a tradução de Claudia Renata Duarte, cedida em aula para esta finalidade).

MORAES, Camila. Maria Valéria Rezende: “As pessoas pensam que freiras são bobinhas. Como podem escrever literatura?”. Entrevista concedida por Maria Valeria Rezende ao jornal El País. 24 fev. 2017. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2017.

MUZART, Zahidé Lupinacci. A questão do cânone. In: RODRIGUES, Carla; BORGES, Luciana; RAMOS Tânia Regina Oliveira (Org.). Problemas de gênero. Rio de Janeiro: Funarte, 2016. p. 305-314.

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

RAMOS, Tânia Regina Oliveira. Talentos e formosuras: novas vozes, novos espaços. In: Dascastagnè , Regina; LEAL, Virginia Maria Vasconcelos. Deslocamentos de gênero na narrativa brasileira contemporânea. São Paulo: Horizonte, 2010. p. 32-40.

REZENDE, Maria Valéria. Outros cantos. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2016.

RICHARD, Nelly. A escrita tem sexo? In: RICHARD, Nelly. Intervenções críticas: arte, cultura, gênero e política. Tradução de Romulo Monte Alto. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002. p.127-141.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7726.2018.2.29122

e-ISSN: 1984-7726

ISSN-L: 0101-3335

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2018 EDIPUCRS