A personagem de autoficção: anotações de uma hipótese para textos futuros

Renato Prelorentzou

Resumo


Este artigo tem o estranho intento de reunir algumas ideias iniciais para futuras abordagens sobre o fenômeno da autoficção. Sem desconsiderar o longo e polêmico debate em torno do termo, procura analisá-lo a partir da leitura do clássico A personagem de ficção e da ideia de insuficiência do conceito de fiction tal como proposto por Catherine Gallagher (2009). A maior tentativa é sugerir que o pacto ficcional forte e inequívoco que o romance firmou talvez seja uma exceção na história da literatura e que o pacto ambíguo que a autoficção agora propõe talvez seja uma espécie de reedição da instabilidade ontológica que foi suprimida pelo romance tradicional.


Palavras-chave


Autoficção; Romance; Personagem; Narrador

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. Notas de literatura I. Tradução e apresentação de Jorge M. B. de Almeida. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2003.

ALBERCA, Manuel. El pacto ambiguo: de la novela autobiográfica a la autoficción. Madrid: Biblioteca Nueva, 2007.

ANDRADE, Fábio de Souza. Samuel Beckett: o silêncio possível. São Paulo: Ateliê Editorial, 2001.

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. Vários tradutores. São Paulo: Perspectiva, 2004 [original 1946].

CANDIDO, Antonio; ROSENFELD, Anatol; PRADO, Décio de Almeida; GOMES, Paulo Emílio. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 2002 [original 1968].

CASAS, Ana (Org.). La autoficción: reflexiones teóricas. Madrid: Arco, 2012.

COLONNA, Vincent. Tipologia da autoficção. In: NORONHA, Jovita Maria Gerhein. Ensaios sobre a autoficção. Belo Horizonte: Editora UF MG, 2014.

DAVIS, Natalie Zemon. The return of Martin Guerre. Cambridge: Harvard, 1983.

DOU BROVSKY, Serge. Fils. Paris: Galilée, 1977.

FRANZEN, Jonathan. Como ficar sozinho. Tradução de Oscar Pilagallo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

FUK S, Julián. História abstrata do romance. 2016. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2016.

GALLAGHER, Catherine. Ficção. In: MORETTI, Franco (Org.). O Romance 1: a cultura do romance. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

GASPARINI, Philippe. Autofiction: une aventure du language. Paris: Éditions du Seuil, 2008.

GASPARINI, Philippe. Autoficção é o nome de quê? In: NORONHA, Jovita Maria Gerhein. Ensaios sobre a autoficção. Belo Horizonte: Editora UF MG, 2014.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. Tradução de Maria Betânia Amoroso. São Paulo: Companhia das Letras, 2001 [original 1976].

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. Tradução de Rosa Freire d´Aguiar e Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

HOBSBAWM, Eric. The revival of narrative: some comments [1980]. In: ROBERTS, Geoffrey. The History and Narrative Reader. Londres: Routledge, 2001.

LECARME, Jacques. Autoficção: um mau gênero? In: NORONHA, Jovita Maria Gerhein. Ensaios sobre a autoficção. Belo Horizonte: Editora UF MG, 2014.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico. Tradução de Jovita Maria Gerhein Noronha, Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: UF MG, 2008 [original 1975].

LE ROY LADURIE, Emmanuel. Montaillou, village occitan de 1294 à 1324. Paris: Gallimard, 1982 [original 1975].

PROU ST, Marcel. Em busca do tempo perdido. Vol. 5: A prisioneira. Tradução de Manuel Bandeira e Lourdes Sousa de Alencar. São Paulo: Globo, 2006 [original 1923].

PROU ST, Marcel. Em busca do tempo perdido. Vol. 7: O tempo redescoberto. Tradução de Lúcia Miguel Pereira. São Paulo: Globo, 2006 [original 1927].

ROBIN, Régine. La autoficción: el sujeto siempre en falta. In: ARFU CH, Leonor (Org.). Identidades, sujetos y subjetividades. Buenos Aires: Prometeo, 2002.

SPERANZA, Graciela. ¿Dónde está el autor? In: Otra parte – Revista de Letras y Artes, n. 14, outono 2008.

STONE, Lawrence. The revival of narrative: reflections on a new old history [1979]. In: ROBERTS, Geoffrey. The History and Narrative Reader. Londres: Routledge, 2001.

VASCONCELOS, Sandra Guardini Teixeira. A formação do romance inglês: ensaios teóricos. São Paulo: Fapesp, 2007.

WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. Tradução de Alípio Correia de Franca Neto. São Paulo: Edusp, 2001 [original 1978].




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7726.2017.2.26080

e-ISSN: 1984-7726 | ISSN-L: 0101-3335


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.