A personagem e o espaço e o espaço da personagem: uma reflexão a partir de um corpus português

Maristela Kirst de Lima Girola

Resumo


O estudo procura demonstrar que a progressiva complexificação da construção da personagem feminina relaciona-se direta e necessariamente à construção do espaço ficcional, tomando como objetos de análise as seguintes obras: A Sibila (1954), de Agustina Bessa-Luís; O Anjo Ancorado (1958), de José Cardoso Pires; Casas Pardas (1977), de Maria Velho da Costa e Não entres tão depressa nessa noite escura (2000), de António Lobo Antunes.


Palavras-chave


Literatura Portuguesa; Romance do século XX; Espaço; Personagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ADÃO, Deolinda M. Novos espaços do feminino: uma leitura de Ventos do apocalipse de Paulina Chiziane. In: A mulher em África: vozes de uma margem sempre presente. Lisboa: Colibri/Centro de Estudos Africanos-FLUL, 2006.

BUESCU, Helena Carvalhão. Incidências do olhar: percepção e representação. Natureza e registo descritivo na evolução do romance romântico (Portugal, França, Inglaterra). Lisboa: Caminho, 1990.

ANTUNES, António Lobo. Não entres tão depressa nessa noite escura. Lisboa: Dom Quixote, 2000.

BRAIDOTTI, Rosi. A diferença sexual como um projecto político nómada. Trad. Joana Passos. In: MACEDO, Ana Gabriela (Org.). Gênero, identidade e desejo: antologia crítica do feminismo contemporâneo. Lisboa: Cotovia, 2002.

BULGER, Laura Fernanda. A Sibila – uma superação inconclusa. Lisboa: Guimarães, 1990.

CABRAL, Eunice. José Cardoso Pires: representações do mundo social na ficção (1958-82). Lisboa: Cosmos, 1999.

COELHO, Nelly Novaes. Escritores portugueses do século XX. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2007.

COSTA, Maria Velho da. Casas Pardas. 3. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1986.

CULLER, Jonathan D. Sobre a desconstrução: teoria e crítica do pós-estruturalismo. Tradução de Patrícia Burrowes. Rio de Janeiro: Record; Rosa dos Tempos, 1997.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário da Língua Portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

GUBAR, Susan. A “página em branco” e questões acerca da criatividade feminina. Tradução de Francesca Rayner. In: MACEDO, Ana Gabriela (Org.). Gênero, identidade e desejo: Antologia crítica do feminismo contemporâneo. Lisboa: Cotovia, 2002.

GUSMÃO, Manuel. Casas Pardas – a arte da polifonia e o rigor da paixão: uma poética da individuação histórica. In: COSTA, Maria Velho da. Casas Pardas. 3. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1986.

HARAWAY, Donna. O manifesto ciborgue: a ciência, a tecnologia e o feminismo socialista nos finais do século XX. Tradução de Ana Maria Chaves. In: MACEDO, Ana Gabriela (Org.). Gênero, identidade e desejo: Antologia crítica do feminismo contemporâneo. Lisboa: Cotovia, 2002.

HURTADO, Felipe Cammaert. O leitor da memória: o papel do leitor em O manual dos inquisidores. In: CABRAL, Eunice; JORGE, Carlos J. F.; ZURBACH, Christine (Org.). A escrita e o mundo em António Lobo Antunes. Actas do Colóquio Internacional da Universidade de Évora. Lisboa: Dom Quixote, 2004.

JONES, Ann Rosalind. Escrever o corpo: para uma compreensão0 de l’écriture féminine. Tradução de Maria Filomena Louro. In: MACEDO, Ana Gabriela (Org.). Gênero, identidade e desejo: Antologia crítica do feminismo contemporâneo. Lisboa: Cotovia,

LOTMAN, Iuri. A estrutura do texto artístico. Trad. Maria do Carmo Vieira Raposo e Alberto Raposo. Lisboa: Estampa, 1978.

MACEDO, Ana Gabriela. Os estudos feministas revisitados: finalmente visíveis? In: BUESCU, Helena Carvalhão; DUARTE, João Ferreira; GUSMÃO, Manuel (Org.). Floresta encantada: novos caminhos da literatura comparada. Lisboa: Dom Quixote, 2001.

MACHADO, Álvaro Manuel. Agustina Bessa-Luís: o imaginário total. Lisboa: Dom Quixote, 1983.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O olho e o espírito. 7. ed. Trad. Luís Manuel Bernardo. Lisboa: Veja, 2009.

PETROV, Petar. O ensaio na obra de José Cardoso Pires. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2009.

RECTOR, Mónica. A voz da Sibila. In: LEÃO, Isabel Ponce (Org.). Estudos Agustinianos. Porto: Universidade Fernando Pessoa, 2009.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Trad. de Marina Appenzeller. Campinas: Papirus, 1995. Tomo II.

SANTOS, Inês Fonseca. Pelas veredas da infância: o regresso a casa num poema de Manuel António Pina. In: Textos e Pretextos, Lisboa, Centro de Estudos Comparatistas, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, As Casas, n. 6, 2005.

SARAIVA, Antônio José. LOPES, Óscar. História da literatura portuguesa. 4. ed. Porto: Porto, s/d. SEIXO, Maria Alzira. Dez anos de literatura portuguesa (1974-1984): ficção. In: Colóquio/Letras. Balanço, n. 78, p. 30-42, mar. 1984.

SEIXO, Maria Alzira (Org.). Dicionário da obra de António Lobo Antunes. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2008. Vol. I.

SEIXO, Maria Alzira (Org.). Dicionário da obra de António Lobo Antunes. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2008. Vol. II.

SEIXO, Maria Alzira. Maria Velho da Costa – Casas Pardas. In: Colóquio/Letras, Balanço, n. 47, p. 90-91, jan. 1979.

SEIXO, Maria Alzira. O livro da criação. In: ARNAUT, Ana Paula. António Lobo Antunes: a crítica na imprensa. 1980-2010. Cada um voa como quer. Coimbra: Almedina, 2011. p. 243.

SHOWALTER, Elaine. A crítica feminista no deserto. Trad. de Margarida Esteves Pereira. In: MACEDO, Ana Gabriela (Org.). Gênero, identidade e desejo: antologia crítica do feminismo contemporâneo. Lisboa: Cotovia, 2002.

SOMBRA, José de Carvalho. A subjetividade corpórea: a naturalização da subjetividade na filosofia de Merleau-Ponty. São Paulo: UNESP, 2006.

TORRES, Alexandre Pinheiro. O neo-realismo literário português. Lisboa: Moraes, 1976.

TORRES, Alexandre Pinheiro. Sociologia e significado do mundo romanesco de José Cardoso Pires: um ensaio de interpretação expressamente dedicado ao Leitor Distraído. In: O Anjo Ancorado. 3. ed. Lisboa: Arcádia, 1964.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7726.2017.2.25795

e-ISSN: 1984-7726 | ISSN-L: 0101-3335


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.