Figurações da personagem detetivesca

Marta Maria Rodriguez Nebias

Resumo


Este artigo pretende traçar um panorama histórico da ficção policial, desde as suas primeiras manifestações, no século XIX, até as manifestações contemporâneas, buscando comprovar que a configuração da personagem detetivesca está sempre em consonância com o contexto social no qual se insere. Em um primeiro momento, analisaremos o detetive do chamado romance de enigma, surgido no século XIX, cujos maiores representantes são Dupin e Sherlock Holmes. Posteriormente, analisaremos o novo tipo de narrativa policial que surgiu no início do século XX, que pode ser considerada um desdobramento do policial de enigma: o romance negro (roman-noir), representado pelas personagens Philip Marlowe e Sam Spade. Por fim, teceremos considerações sobre o detetive contemporâneo, enfocando a personagem Mandrake, de Rubem Fonseca.


Palavras-chave


Ficção policial; Detetive; Personagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Paulo de Medeiros e. O mundo emocionante do romance policial. Rio de Janeiro: F. Alves, 1979.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BOILEAU, Pierre; NARCEJAC, Thomas. O romance policial. São Paulo: Ática, 1991.

BRAIT, Beth. A personagem. São Paulo: Ática, 1985.

CANDIDO, Antonio. A personagem do romance. In: A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 2009. p. 51-80.

CARNEIRO, Flávio. Das vanguardas ao pós-utópico: ficção brasileira no século XX. In: No país do presente: ficção brasileira do século XXI. Rio de Janeiro: Rocco, 2005. p. 13-34.

DOYLE, Conan. Sherlock Holmes. Vol. I: Romances. São Paulo: Martin Claret, 2014.

FIGUEIREDO, Vera Lucia Follain de. Os crimes do texto: Rubem Fonseca e a ficção contemporânea. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

FIGUEIREDO, Vera Lucia Follain de. O assassino é o leitor. In: Matraga – Revista do Instituto de Letras da UERJ, v. II, n. 4-5, p. 20-26, jan.-ago. 1988.

FONSECA, Rubem. A grande arte. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983.

FORSTER, Edward Morgan. Aspectos do romance. Rio de Janeiro: Globo, 2005.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1999.

JAMES, P. D. Segredos do romance policial. São Paulo: Três Estrelas, 2012.

MANDEL, Ernest. Delícias do crime: história social do romance policial. São Paulo: Busca Vida, 1988.

MEYER, Marlyse. Folhetim: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

PIGLIA, Ricardo. Sobre o gênero policial. In: O laboratório do escritor. São Paulo: Iluminuras, 1994.

POE, Edgar Allan. Os crimes da Rua Morgue e outras histórias. São Paulo: Saraiva, 1961.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7726.2017.2.25776

e-ISSN: 1984-7726

ISSN-L: 0101-3335

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS