A mídia e a construção de personagens de autoficção biográfica: uma leitura semântico-lexical de três notícias sobre a morte enigmática de João Guimarães Rosa

Camila Moreira Cesar, Marcelo Marinho

Resumo


Este artigo propõe-se a analisar a construção de personagens de ficção biográfica em torno da figura pública do escritor João Guimarães Rosa, com base na confrontação de três matérias jornalísticas versando sobre a morte enigmática do romancista, ocorrida em 19 de novembro de 1967. Cabe ressaltar que, em 2017, celebram-se 50 anos desse evento marcante da cultura brasileira, ainda por se decifrar em todo seu alcance e significação. Por esse viés, o presente estudo parte igualmente do fato de que Grande Sertão: Veredas é qualificado, por seu próprio autor, como uma “autobiografia irracional”: trata-se, de maneira inédita na história da literatura, de contar uma vida (e uma morte), para em seguida vivê-la. Por esse viés, a análise centra-se na dimensão narrativa do texto jornalístico, no plano das imbricações entre universo fático e universo ficcional (MOTTA, 2005). Com esteio em um corpus constituído por três artigos publicados no O Globo, O Estado de São Paulo e Folha de São Paulo, discorre-se sobre os índices semântico-lexicais e as condicionantes editoriais (CHARAUDEAU, 2010) que induzem a consolidação de diferentes relatos proto-biográficos em torno da imagem de Guimarães Rosa, romancista que, por sua vez, é artífice e demiurgo consciente de suas próprias personas (no sentido junguiano do termo), ou suas personagens de autoficção biográfica – categoria poética que solicita o aprofundamento de reflexões teórico-críticas. No presente caso, a notícia biográfica constrói-se com apoio em recursos poéticos, por meio de um discurso em que, articulando-se mutuamente, convergem literatura e jornalismo. Interroga-se, por fim, o papel do jornalismo enquanto construtor de personagens, em sua dimensão de representações sociais, como no caso da imagem de pessoas públicas, assim como as formas indiciais de indução ficcional que certos sujeitos podem exercer sobre os jornalistas e seus veículos, como forma de ampliar e consolidar a difusão de uma obra literária por meio de um personagem biográfico que seduz a atenção do leitor para muito além do último capítulo.


Palavras-chave


João Guimarães Rosa; Jornalismo e literatura; Autoficção; Personagem de ficção

Texto completo:

PDF

Referências


BERGER, Christa. Jornalismo na comunicação. In: WEBER, Maria Helena; BENTZ, Ione; HOHLFELDT, Antonio (Org.). Tensões e objetos da pesquisa em comunicação. Porto Alegre:

Sulina, 2002.

BIRD, Elizabeth; DARDENNE, Robert. Mito, registo e 'estórias': explorando as qualidades narrativas das notícias. In: TRAQUINA, Nelson (Org.). Jornalismo: questões, teorias e 'estórias'. Lisboa: Vega, 1993.

CORNU, Gérard; RUELLAN, Denis. Technicité intellectuelle et professionnalisme des journalistes. In: Réseaux. Dossier: les conventions. v. 11, n. 62, 1993, p. 145-157. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2016.

CORNU, Daniel. Journalisme et la vérité. In: Autres Temps. Cahiers d'éthique sociale et politique. v. 58, n. 1, p. 13-27, 1998. Disponível em:

_1998_num_58_1_2041>. Acesso em: 25 set 2016.

COUTINHO, Eduardo de Faria (Org.). Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.

FRANÇOIS, Anne Isabelle; TRAN-GERVAT, Yen-Maï. Guide pratique des exercices comparatistes. Paris: Presses Sorbonne Nouvelle, 2010.

HALL, Stuart. Codage/décodage. In: Réseaux. Les théories de la réception. v. 12, n. 68, 1994, p. 27-39. Disponível em:

_2618>. Acesso em: 30 set. 2016.

GOFFMAN, Erving. Os quadros da experiência social: uma perspectiva de análise. Petrópolis: Vozes, 2012.

JUNG, Carl Gustav. The Archetypes and the Collective Unconscious. Princeton: Princeton University Press, 1981.

JUNG, Carl Gustav. Two Essays in Analytical Psychology. Princeton: Princeton University Press, 2014.

LAGE, Nilson. Teoria e técnica do texto jornalístico. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

LITS, Marc. Personne privée, personnage public. In: Communication [En ligne]. v. 20, n. 2, p. 9-24, 2001. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2016.

LYRA, Pedro. O real no poético. Rio de Janeiro: Cátedra, 1980. MARINHO, Marcelo. Grande Sertão: Veredas – Lectures critiques et approche stylistique. Contribution à l'étude de la poétique de l'Enigme. Villeneuve d'Ascq: Presses Universitaires du Septentrion, 2001. 638 p.

MARINHO, Marcelo. GRND SRT~: vertigens de um enigma. Campo Grande: UCDB/Letra Livre, 2001.

MARINHO, Marcelo. João Guimarães Rosa. Paris: L’Harmattan,

MARINHO, Marcelo. João Guimarães Rosa, “autobiografia irracional” e crítica literária: veredas da oratura In: Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 47, n. 2, p. 186-193, abr./jun. 2012.

Disponível em:

php/fale/article/view/11315>. Acesso em: 12 ago. 2016.

MEDINA, Cremilda. A arte de tecer o presente: narrativa e cotidiano. São Paulo: Summus, 2003.

MOTTA, L. G. Análise pragmática da narrativa jornalística. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, v. 28, p.

-09, 2005.

MOUTINHO, José Geraldo Nogueira. Guimarães Rosa previu a própria morte. In: Folha de São Paulo. Folha Ilustrada. São Paulo, 21 nov. 1967. Disponível em:

com.br/ilustrada/2008/11/21/ilustrada-21_11_1967.pdf>.Acesso em: 12 ago. 2016.

NORA, Pierre. L'événement monstre. In: Communications, 18, 1972. L'événement. p. 162-172. Disponível em:

fr/doc/comm_0588-8018_1972_num_18_1_1272>. Acesso em: 12 ago. 2016.

OLINTO, Antonio. Jornalismo e literatura. 2. ed. Porto Alegre: JÁ, 2008.

OLYMPIO, José (Ed.). Em memória de Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: José Olympio, 1968.

RICOEUR, P.. Temps et récit. 1. L’intrigue et le récit historique.

Paris: Seuil, 1983.

RODRIGUES, Nelson. O óbvio ululante: primeiras confissões. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

ROSA, João Guimarães. O Verbo e o Logos. Discurso de posse na Academia Brasileira de Letras. Pronunciado em 16 de novembro de 1967. In: OLYMPIO, José (Ed.). Em memória de

Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: José Olympio, 1968. p. 55-

Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2016.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

ROSA, Vilma Guimarães. Relembramentos: João Guimarães Rosa, meu pai. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

S/N. Guimarães Rosa faleceu domingo. In: O Estado de S.

Paulo. São Paulo, p. 18, 21 nov. 1967.

S/N. Morre Guimarães Rosa 3 Dias Depois do Ingresso na Academia. In: O Globo. Rio de Janeiro, p. 8, 20 nov. 1967.

SILVA, Gislene. Jornalismo e construção de sentido: pequeno inventário. In: Estudos em Jornalismo e Mídia, Florianópolis, v. 2, n. 2, p. 95-107, jan. 2005. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2016.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo: porque as notícias são como são. Vol. 1. Florianópolis: Insular, 2005.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo. A tribo jornalística – uma comunidade interpretativa transnacional. Vol. 2. Florianópolis: Insular, 2008.

TUCHMAN, Gaye. Making News by Doing Work: Routinizing the Unexpected. In: American Journal of Sociology, v. 79, n. 1, p. 110-131, jul. 1973. Disponível em:

stable/2776714>. Acesso em: 25 set. 2016.

WINDEN, Jesse van; BARTHOLOMEW, Angela. IMPOSE ENACT – The Artist's Persona. Editorial. Kunstlicht, Amsterdam, v. 36, n. 3, p. 7-19, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2016.

WOLF, Mauro. Teorias da Comunicação. Lisboa: Presença, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7726.2017.2.25640

e-ISSN: 1984-7726 | ISSN-L: 0101-3335


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.