Como as restrições sociais e estruturais compõem a identidade do falante

Dermeval da Hora, Pedro Felipe Lima Henrique

Resumo


A sociolinguística variacionista tem contribuído, desde os primeiros estudos
realizados no Brasil, para que, a partir de estudos descritivos, possamos delinear os perfis dos falantes em suas diferentes comunidades. Os avanços nesse ramo da Linguística, com foco que correlaciona aspectos sociais, estruturais e estilísticos, dizem muito a respeito da persona individual e de como a comunidade se define em termos do seu falar. Nosso objetivo neste texto é apresentar, em linhas gerais, como as restrições sociais e estruturais, correlacionadas ao uso de algumas variáveis, podem contribuir para a construção da identidade do falante, observando o encaixamento dessas variantes na comunidade, assim como refletir a respeito de questões como
percepção, estilo, atitude e sua relação e com essa identidade. Os estudos utilizados resultam de pesquisas realizadas com o corpus do Projeto Variação Linguística no Estado da Paraíba – VALPB (HORA, 1993), todos eles voltados para aspectos fonético-fonológicos.

 

*******************************************************************************************************************

How social and structural constraints compose the speaker’s identity


Abstract: The variationist sociolinguistics has contributed, since the first studies in Brazil, to delineate, from descriptive studies, the speakers’ profiles in their different speech communities. Advances in this branch of linguistics, focusing in the correlation of social, structural and stylistic aspects show very much about the individual persona and about how the community defines itself in terms of the way it speaks. The goal of this text is to present, as an outline, how the social and structural constraints, correlated to the use of some variables, can contribute to the construction of the speaker identity, taking into consideration the embedding of these variants in the community, as well as reflect about perception, style, attitude and their relationship with this identity. These studies result of research developed with the corpus of Projeto de Variação Linguística da Paraíba – VALPB (HORA, 1993), all of them directed to phonetic-phonological aspects.
Keywords: Language variation; Attitude; Style; Perception



Palavras-chave


Variação linguística; Atitude; Estilo; Percepção

Texto completo:

PDF

Referências


ALLPORT, Gordon. Attitudes. In: MURCHISON, Carl (Ed.). A handbook of social psychology. Worcester: Clark University Press, 1935.

AQUINO, Maria de Fátima de Souza. A ditongação na comunidade de João Pessoa: uma análise variacionista. 1998. 84 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Curso de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 1998.

BESERRA, Ana Clarissa Santos. A importância das variáveis sociais na formação do perfil linguístico do falante pessoense. In: HORA, Demerval da (Org.). Estudos sociolingüísticos: perfil de uma comunidade. João Pessoa: UFPB, 2004. p. 259-286.

BISOL, Leda. A palatalização e sua restrição variável. Relatório de pesquisa mimeo. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1985. Mimeo.

BRESCANCINI, Cláudia Regina. A palatalização da fricativa alveolar não-morfêmica em posição de coda no português falado em três regiões de influência açoriana do município de Florianópolis – uma abordagem não-linear. 1996. 246 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Línguística, Universidade Federal de Santa Catarina, 1996.

CALLOU, Dinah; MORAES, João; LEITE, Yonne. Processo(s) de Enfraquecimento Consonantal no Falar Português do Brasil. In: ABAURRE, Maria Bernadete Marques; Rodrigues Ângela Cecília (Org.). Gramática do Português Falado. Campinas: UNICAMP, 2002 .

CLOPPER, Cynthia; PISONI, David. Perception of dialect variation. In: PISONI, David; REMEZ, Robert. The handbook of speech perception. Oxford: Blackwell Publishing, 2005.

COUPLAND, Nikolas. Style: language variation and identity. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

ECKERT, Penelope. The whole woman: sex and gender differences in variation. In: MILROY, James. Language variation and change 1. Cambridge: Cambridge University Press, 1989. p. 245-268.

ECKERT, Penelope. Linguistic variation as social practice. Oxford: Blackwell, 2000.

ECKERT, Penelope; RICKFORD, John. Style and sociolinguistic variation. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

HENRIQUE, P. F. L.; BELO, G. Percepção das fricativas estridentes: a pista acústica para a distinção entre alveolares e palatais utilizadas pelos ouvintes pessoenses. 2015. Mimeo.

HORA, Dermeval da. Projeto Variação Linguística no Estado da Paraíba. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 1993. Disponível em: .

HORA, Dermeval da. Variação dialetal e atitude. In: HORA, Dermeval da; NEGRÃO, Esmeralda Vailati (Org.). Estudos da Linguagem: casamento entre temas e perspectivas. João Pessoa: Ideia/Editora Universitária, 2001, p. 15-36.

HORA, Dermeval da. Fricativas coronais: analise variacionista. In: RONCARATI, Cláudia; ABRAÇADO, Jussara (Org.). Português brasileiro: contato lingüístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: Letras, 2003, p. 69-89.

KLATT, Dennis. Review of sected models of speech perception. In: MARSLEN-WILSON, William (Ed.). Lexical representation and process. Cambridge: MA – MIT, 1989, p. 169-226.

LABOV, William. The social stratification of English in New York City. Washington, D.C.: Center for Applied Linguistics, 1966




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7726.2015.s.23145

e-ISSN: 1984-7726

ISSN-L: 0101-3335

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Copyright: © 2017 EDIPUCRS