A natureza dialógica e argumentativa do discurso interior revelada em interações em sala de aula de língua inglesa

Karin Quast

Resumo


Neste trabalho analisamos um modo de acontecer da linguagem geralmente desconsiderado, tido como algo marginal, mas que por vezes ‘escapa’ em eventos intersubjetivos: a fala privada. Esta é frequentemente concebida como sendo monológica e é analisada com enfoque na autorregulação, obscurecendo-se sua plurifuncionalidade e mantendo a dicotomia interno/externo, privado/social contrárias ao pensamento de Vygotsky (que, como Bakhtin, considera a dialogicidade constitutiva da linguagem, visto conceber a consciência enquanto drama). Analisando interações em sala de aula de língua inglesa, utilizando o paradigma indiciário e a análise micro-genética, encontramos pistas para os diferentes interlocutores e vozes presentes nesses enunciados. Assim, os estudos do Círculo (além da Teoria Polifônica da Enunciação e dos trabalhos de Authier-Revuz) permitem redimensionar a compreensão da fala privada, revelando tanto sua dialogicidade como sua natureza argumentativa, o que pode contribuir para que melhor compreendamos a dialogicidade/argumentatividade de todo enunciado e também do processo de construção de conhecimento.

 

************************************************************************************************************************************************************************************************************

 

The dialogical and argumentative nature of inner discourse as revealed in English language teaching classroom interactions

 

Abstract: In this paper we analyze a language ‘phenomenon’ which is not normally considered in studied about classroom interaction, being considered as marginal: private speech, which sometimes ‘escapes’ in these intersubjective events. Analyzing interactions in English language teaching classes, using the evidential paradigm and the micro-genetic analysis, we found hints of the different interlocutors and voices present in such utterances. Private speech is normally analyzed as being monologic and the focus is on self-regulation, obliterating its pluri-functionality and marking the internal-external distinction, maintaining the social/private dichotomy, which does not reflect Vygotsky’s thought (who, as Bakhtin, considers the constitutive dialogicality of language when conceiving consciousness as a drama). It is the studies of the Circle of Bakhtin, then, (besides Ducrot’s Poliphonic Theory of Enunciation as well as Authier-Revuz’s work) that allow us to understand another dimension of private speech, reveiling not only its dialogicality but also its argumentative nature.

 

Keywords: Foreign language teaching-learning; Private speech; Dialogism; Inner speech argumentativeness


Palavras-chave


Ensino-aprendizagem de língua estrangeira; Fala privada; Dialogismo; Argumentatividade do discurso interior

Texto completo:

PDF

Referências


AUTHIER-REVUZ, J. Entre a transparência e a opacidade: um estudo enunciativo do sentido. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

BAKHTIN, M. M. Problemas da poética de Dostoiévski. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002[1929].

BAKHTIN, M. M. (VOLOSHINOV). O Freudismo. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Perspectiva, 2001[1927].

BAKHTIN, M. M. (VOLOSHINOV). A estética da criação verbal. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000[1979].

BAKHTIN, M. M. (Voloshinov, V. N.) Marxismo e filosofia da linguagem. 9. ed. Tradução Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 1999[1929].

BANKS-LEITE, L. Discours argumentatif en classe d’histoire: stéréotypes et construction de connaissances. In: BRANDT, P.-Y et al. (Orgs.). Des signes et des ordres: hommage à Christiane Gillièron Paléologue. Genebra: Labor et Fides, 2010. p. 35-45.

BENVENISTE, É. Problemas de Lingüística Geral II. 2. ed. Campinas: Pontes, 2006[1974].

DUCROT, O. (2003). Argumentação retórica e argumentação linguística. Tradução de R. L. Baronas e F. C. Montanheiro. Revista Polifonia. Cuiabá: UFMT, 2004.

DUCROT, O. Quelques raisons de distinguer “locuteurs” et “énonciateurs”. Polyphonie – linguistique et littéraire, n. 3, p. 19-41, maio 2001.

DUCROT, O. Polifonia y argumentación. Cali, Colombia: Impresora Feriva, 1988.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas e sinais. São Paulo: Cia das Letras, 1939/1989.

GOULART, C. M. A. Enunciar é argumentar: analisando um episódio de uma aula de História. Revista Pro-Posições (Unicamp), v. 18, n. 3(54), p. 93-108, set.-dez. 2007.

GOULART, C. M. A. Aprendizagem, conhecimento e linguagens sociais. Palestra proferida na FE/Unicamp, no Ciclo de Palestras “Linguagem, Discurso e Conhecimento”, sob organização do GPPL (Grupo Pensamento e Linguagem), 23 abr. 2009.

Grize, Jean-Blaise. Argumenter, prouver et calculer. In: RACCAH, P. Y. L’argumentation dans le langage. Gent: Communication & Cognition, 1992. p. 13-19.

PEYTARD, J. Discours intérieur vs discours rapporté chez Volochinov/Bakhtine. Hétérogénéité en discours. Cahiers du français contemporain, n. 3 (juin), p. 9-26, 1996.

PIAGET, J. A linguagem e o pensamento da criança. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999[1966].

VOLOSHINOV, V. N. [1926]. Discurso na vida e discurso na arte. Tradução de Carlos Alberto Faraco e Cristovão Tezza, para uso didático, com base na tradução inglesa de I. R. Titunik (“Discourse in life and discourse in art – concerning sociological poetics”). In: Voloshinov, V. N. Freudism, New York: Academic Press, 1976.

VOLOSHINOV, V. N. La structure de l’enoncé. In: TODOROV, T. Mikaïl Bakhtine – le principe dialogique, suivi de Ecrits duCercle de Bakhtine. Paris: Seuil, 1981, p. 287-315.

VYGOTSKY, L. V. A. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987[1934].

VYGOTSKY, L. V. Manuscrito de 1929 [Psicologia Concreta do Homem]. Educação e Sociedade, v. 21, n. 71, p. 21-44, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7726.2016.1.21705

e-ISSN: 1984-7726 | ISSN-L: 0101-3335


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.