Francisco Umbral y María España, entre ficción y realidad

Jean-Pierre Castellani

Resumo


Francisco Umbral e Maria España, entre a ficção e a realidade

Trata-se aqui de uma tentativa de reconstrução da história vivida por Francisco Umbral com María España Suárez Garrido desde a sua juventude em Valladolid, o seu noivado depois da morte da mãe de Paco em 1953, o seu casamento em 1959, os seus primeiros passos de articulista e escritor em Madrid, a sua experiência dolorosa quando morre o seu único filho até aos últimos anos em La Dacha, a sua casa dos arredores de Madrid. Entre todas as mulheres conhecidas e amadas ao longo da sua vida de sedutor, María España foi a esposa fiel e atenta. Ao lhe dedicar Carta à minha mulher (2008), uma obra póstuma escrita por meados dos anos 80, todo um livro directa e explicitamente a ela dirigido, Umbral reconhece a grande importância desta mulher na sua vida. Fazemos referência neste trabalho a alguns textos ou manifestações públicas do próprio escritor, sobretudo essa Carta à minha mulher, que poderia constituir, em certa medida, a ilustração do sincretismo literário na obra de Umbral e expressão exemplar de autoficção.


Palavras-chave


Umbral; Esposa; Amor; Intimidade; Autoficção



e-ISSN: 1984-7726 | ISSN-L: 0101-3335


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.