Grau de força muscular do assoalho pélvico em mulheres incontinentes obesas e não obesas

Joseane da Costa Silva, Maísa Câmara Prado, Juliana de Faria Fracon e Romão, Cláudia Elaine Cestári

Resumo


Objetivo: Avaliar a força e resistência da musculatura do assoalho pélvico em pacientes obesas e não obesas e correlacioná-la com os sinais de perda involuntária de urina. Materiais e Métodos: Foram avaliadas 44 mulheres com queixa de incontinência urinária, média de idade de 64,34 (36-78). As pacientes foram distribuídas em dois grupos, Grupo 1 – (Obesas): n=19, composto de pacientes com Índice de Massa Corporal (IMC) maior que 30; e Grupo 2 (Não-Obesas): n=25, pacientes com IMC menor que 30 e submetidas à Avaliação Funcional do Assoalho Pélvico (AFA) por meio da palpação bidigital e do perineômetro. Resultados: Foi possível observar, na avaliação da musculatura do assoalho pélvico, diferenças significativas nas pacientes obesas (p=0,0001), constatando-se menor valor de resposta muscular nesse grupo. Correlações negativas entre o IMC x AFA (r=-0,29; p=0,05) e entre o IMC x Diagnóstico (r=-0,10; p=0,51) também foram demonstradas. Conclusão: A AFA apresentou menor valor no grupo de pacientes obesas e a medida que aumenta o IMC, aumenta a frequência miccional noturna.

Palavras-chave


obesidade; incontinência urinária; soalho pélvico

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2011.2.9009

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS