Soropositividade da doença de Chagas no oeste do estado de Santa Catarina

Maria Assunta Busato, Geni Portela Gamborgi, Pablo Tiago Rodrigues Gonçalves, Danilo Salandini Rosseto, Alessandra Coelho

Resumo


Objetivo: Este estudo objetivou conhecer os casos soropositivos de doença de Chagas do oeste do estado de Santa Catarina. Materiais e Métodos: Trata-se de estudo descritivo em que foram contatadas e entrevistadas, seguindo roteiro semi-estruturado, 15, das 22 pessoas que foram notificadas como soropositivas pela Secretaria de Saúde de Chapecó, Gerência Regional de Saúde de Chapecó e São Miguel do Oeste, no período de 2000 a 2008. Resultados: A maioria (68,18%) reside em zona urbana há mais de 10 anos. Todos os soropositivos (n=15) são provenientes do Rio Grande do Sul, estado considerado endêmico para a doença de Chagas e viajaram para regiões endêmicas. Somente um sujeito soropositivo apresentou sintomas da fase crônica. Foram realizadas buscas de vetores nos peridomicílios, quando das visitas, e não foram encontrados triatomíneos. Conclusão: A região oeste catarinense não se caracteriza como transmissora de doença de Chagas. Considera-se a possibilidade da contaminação ter ocorrido nas regiões endêmicas para onde viajaram, não caracterizando casos autóctones do oeste catarinense.

Palavras-chave


doença de Chagas; soropositividade; Trypanosoma cruzi.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2011.1.8481

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS