Jogo patológico na Doença de Parkinson: elemento diagnóstico ou decorrência do tratamento?

Álisson Menezes Araújo Lima, Ana Lívia Santiago Macedo, Fabiana de Campos Cordeiro Hirata, Rosa Maria Salani Mota, Veralice Meireles Sales de Bruin

Resumo


Introdução: Doença de Parkinson é uma doença neurodegenerativa e progressiva acometendo o sistema nigroestriatal dopaminérgico. Jogo patológico pode ser descrito como uma atitude recorrente de apostar em jogos de azar apesar das conseqüências negativas decorrentes dessa atividade. Objetivo: Esta revisão tem como objetivo investigar a incidência do uso de agonistas dopaminérgicos e o desenvolvimento de jogo patológico em pacientes com doença de Parkinson. Materiais e Métodos: Foi realizada uma revisão de literatura a cerca do tema proposto, com seus aspectos medicamentosos e suas respectivas vantagens. Resultados: Os resultados não permitem associar a incidência de jogo patológico direta e completamente ao uso de agonistas dopaminérgicos. Todavia, uma possível associação tem sido cada vez mais freqüente e descrita nas literaturas especializadas. Conclusão: Conclui-se que são necessários ainda mais estudos para a compreensão dos fatores moleculares e bioquímicos subjacentes às características comportamentais vistas no jogo patológico e em outros transtornos e desordens do controle do impulso.

Palavras-chave


Doença de Parkinson; efeitos adversos; tratamento.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2009.1.5427

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS