Avaliação do manuseio de agrotóxicos, qualidade de vida, função pulmonar e marcadores bioquímicos de agricultores da região serrana do Rio Grande do Sul

Cristian Roncada, Talita Perini, Daniela Duarte Costa, Caroline Pietta Dias, Adriana Dalpicolli Rodrigues, Julia Poeta

Resumo


Objetivo: Avaliar os indicadores de utilização de agrotóxicos, níveis de qualidade de vida, função pulmonar e fatores bioquímicos de agricultores de uma região serrana do sul do Brasil. Materiais e Métodos: O estudo caracteriza-se por uma pesquisa de delineamento transversal, no período de 2013 a 2015, sendo avaliados agricultores, de ambos os sexos, com idade igual ou superior a 18 anos, sendo avaliados os indicadores de manuseio e aplicação de agrotóxicos (Classes 1 a 4), utilização de equipamentos de prevenção individual (EPI), níveis de qualidade de vida, função pulmonar (volume expiratório forçado no 1º segundo; capacidade vital forçada; índice de Tiffeneau e fluxo expiratório forçado nos momentos 25 e 75%) e marcadores bioquímicos (hemograma e plaquetas, dosagens séricas de glicose, ureia, creatinina, alanina aminotransferase (ALT), aspartato aminotransferase (AST), bilirrubinas, gama-glutamiltransferase (GGT) e butirilcolinesterase – BChE). Resultados: Um total de 1.518 agricultores foram avaliados sendo 1.349 (88,9%) do sexo masculino e média de idade de 48,5±12,8 anos, de etnia 100% (n=1.518) caucasiana, com descendência da colonização italiana de 87,5% (n=1.329) e escolaridade predominante do ensino fundamental (n=887; 58,4%). Em relação a qualidade de vida, os agricultores demonstraram valores normativos dentro dos aceitáveis, sem diferenças entre o tipo de exposição aos agrotóxicos. Na função pulmonar os resultados médios também foram dentro dos preditos, com baixa prevalência para doenças pulmonares: asma 3,0% (n=46), enfisema pulmonar 2,3% (n=35) e para doença pulmonar obstrutiva crônica 1,3% (n=20). Conclusão: As variáveis analisadas apresentaram níveis aceitáveis, não tendo relações com os níveis de toxicidades ao uso de agrotóxicos.


Palavras-chave


toxicidade; agrotóxicos, qualidade de vida, função pulmonar.

Texto completo:

PDF

Referências


Franzen TE, Silva OM. Os custos totais do comércio bilateral brasileiro: determinantes e evolução recente. Rev Vision Contable. 2016;14:41-64. https://doi.org/10.24142/rvc.n14a2

Gazziero DLP. Misturas de agrotóxicos em tanque nas propriedades agrícolas do Brasil. Planta Daninha. 2015;33(1):83- 92. https://doi.org/10.1590/s0100-83582015000100010

Rocha BGR, Amaro HTR, Porto EMV, Gonçalves CC, David AMSS, Lopes EB. Sistema de semeadura cruzada na cultura da soja: avanços e perspectivas. Rev Ciênc Agrárias. 2018;41(2):376-84. https://doi.org/10.19084/rca17260

Ribas PP, Matsumura ATS. A química dos agrotóxicos: impacto sobre a saúde e meio ambiente meio ambiente. Rev Liberato. 2009;10(14):149-58. https://doi.org/10.31514/rliberato.2009v10n14.p149

Veimrober Junior LAA, Andrade HO, Nascimento FRA, Caldas AS, Silva Junior JJ. Avaliação de impactos dos agrotóxicos na saúde do (a) trabalhador (a) rural brasileiro (a). Cadernos Macambira. 2017;2:92-102.

Almussa A, Schmidt MLG. O contato com agrotóxicos e os possíveis agravos à saúde de trabalhadores rurais. Rev Psicol UNESP. 2009;8(2):184-8.

Viero CM, Camponogara S, Cezar-Vaz MR, Costa VZ, Beck CLC. Sociedade de risco: o uso dos agrotóxicos e implicações na saúde do trabalhador rural. Esc Anna Nery. 2016;20(1)99-105.

Maia JMM, Lima JL, Rocha TJM, Fonseca SA, Mosuinho KC, Santos AF. Perfil de intoxicação dos agricultores por agrotóxicos em Alagoas. Diversitas J. 2018;3(2):486-504. https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v3i2.626

Montagner CC, Vidal C, Acayaba RD. Emerging contaminants in aquatic matrices from Brazil: current scenario and analytical, ecotoxicological and legislational aspects. Quím Nova. 2017;40(9):1094-110.

Jorge DM. Agrotóxicos biológicos no Brasil: colaborações e desafios para uma agricultura saudável. In: Villalobos JUG, Fazolli AS, organizadores. Agrotóxicos: um enfoque multidisciplinar. Maringá: EDUEM; 2017. https://doi.org/10.7476/9788576287438

Preza DLC, Augusto LGS. Vulnerabilidades de trabalhadores rurais frente ao uso de agrotóxicos na produção de hortaliças em região do Nordeste do Brasil. Rev Bras Saúde Ocup. 2012;37(125):89- 98. https://doi.org/10.1590/s0303-76572012000100012

Guiloski IC, Silva EG, Nishikawa CM, de Assis HCS. Atividade da colinesterase em cérebro e músculo de Corydoras paleatus (Pisces, Teleostei) expostos ao carbaril. Rev Acad Ciênc Agrár Ambient. 2010;8(4):461-8. https://doi.org/10.7213/cienciaanimal.v8i4.11012

Santos TM, Batista ROS. Agrotóxicos, uma violência silenciosa: a saúde dos cortadores da cana-de-açúcar em Laranjeiras/ Sergipe. Campo-TErritório. 2018;13(29):189-208. https://doi.org/10.14393/rct132908

Buralli RJ. Avaliação da condição respiratória em população rural exposta a agrotóxicos no município de São José de Ubá, Estado do Rio de Janeiro [dessertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2016. https://doi.org/10.11606/d.6.2016.tde-05022016-145230

Garcia F. Guia metodológico: análise-diagnóstico de sistemas agrários. Brasília: Incra/FAO; 1999.

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, Pinzon V. Application of the Portuguese version of the abbreviated instrument of quality life WHOQOL-bref. Rev Saúde Pública. 2000;34(2):178-83. https://doi.org/10.1590/s0034-89102000000200012

Pereira CAC, coordenador. I Consenso brasileiro sobre espirometria. J Pneumol. 1996;22(3):105-64.

Pereira CAC, Sato T, Rodrigues SC. Novos valores de referência para espirometria forçada em brasileiros adultos de raça branca. J Bras Pneumol. 2007;33(4):397-406. https://doi.org/10.1590/s1806-37132007000400008

Vasconcellos MTL, Portela MC. Índice de Massa Corporal e sua relação com variáveis nutricionais e sócio-econômicas: um exemplo de uso de regressão linear para um grupo de adultos brasileiros. Cad Saúde Pública. 2001;17(6):1425-36. https://doi.org/10.1590/s0102-311x2001000600013

Mota JF, Rinaldi AEM, Pereira AF, Orsatti FL, Burini RC. Indicadores antropométricos como marcadores de risco para anormalidades metabólicas. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(9):3901-8. https://doi.org/10.1590/s1413-81232011001000026

Miranda ED, Lira KS, Alencar AB, Oliveira ARC. Atividade física do trabalho versus atividade física do lazer: a falta de informação e incentivo em populações Ribeirinhas do Médio Solimões. Saúde Transform Soc. 2012;3(1):55-8. https://doi.org/10.12820/2317-1634.2012v17n6p543

Grazziero DLP. Misturas de agrotóxicos em tanque nas propriedades agrícolas do Brasil. Planta Daninha. 2015;33(1): 83-92. https://doi.org/10.1590/s0100-83582015000100010

Faria NMX, Rosa JAR, Facchini LA. Intoxicações por agrotóxicos entre trabalhadores rurais de fruticultura, Bento Gonçalves, RS. Rev Saúde Pública. 2009;43(2):335-44. https://doi.org/10.1590/s0034-89102009005000014

Gregolis TBL, Pinto WJ, Peres F. Percepção de riscos do uso de agrotóxicos por trabalhadores da agricultura familiar do município de Rio Branco, AC. Rev Bras Saúde Ocup. 2012; 37(125):99-113. https://doi.org/10.1590/s0303-76572012000100013

Amarante Junior OP, Santos TCR, Brito NM, Ribeiro ML. Glifosato: propriedades, toxicidade, usos e legislação. Quim Nova. 2002;25(4):589-93. https://doi.org/10.1590/s0100-40422002000400014

Chaves TVS. Estudo das alterações hematológicas, bioquímicas e genotóxicas induzidas por agrotóxicos em agricultores do estado do Piauí [tese]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2011. https://doi.org/10.5327/z1679443520190309

Menegucci F. Vestuário de proteção, materiais têxteis e conforto térmico: uma análise com aplicadores de agrotóxico, EPI e ambiente agrícola [dissertação]. Bauru: Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquista Filho”; 2012. https://doi.org/10.14393/19834071.2013.17354

Recena MCP, Caldas ED. Percepção de risco, atitudes e práticas no uso de agrotóxicos entre agricultores de Culturama, MS. Rev Saúde Pública. 2008;42(2):294-301. https://doi.org/10.1590/s0034-89102008000200015

Araújo AJ, Lima JS, Moreira JC, Jacob SC, Soares MO, Monteiro MCM, Amaral AM, Kubota A, Meyer A, Cosenza CAN, Neves C, Markovitz S. Exposição múltipla a agrotóxicos e efeitos à saúde: estudo transversal em amostra de 102 trabalhadores rurais, Nova Friburgo, RJ. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(1):115-30. https://doi.org/10.1590/s1413-81232007000100015

Peres F, Oliveira-Silva JJ, Della-Rosa HV, Lucca SR. Desafios ao estudo da contaminação humana e ambiental por agrotóxicos. Ciênc Saúde Coletiva. 2005;10(Suppl):27-37. https://doi.org/10.1590/s1413-81232005000500006

Ribeiro ACC, Mella EAC. Intoxicação ocupacional por organofosforados: a importância da dosagem de colinesterase. Iniciação Científica Cesumar. 2007;9(2):125-34.

Rosa IF. O nosso medidor somos nós, que sentimos e gritamos: conflitos sócioambientais no entorno de uma fábrica de agrotóxicos no Ceará [dissertação]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2008. https://doi.org/10.14393/19834071.2013.21752




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2019.2.32740

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS