Intersetorialidade e participação social na gestão da educação permanente em saúde em um município de pequeno porte do Rio Grande do Sul: percepções de um Núcleo Municipal de Educação em Saúde Coletiva

Paola Lucca Pizutti, Alexandre do Nascimento Almeida, Luzia Fernandes Millão

Resumo


Objetivo: Este artigo objetivou descrever percepções relacionadas à intersetorialidade e à participação social na gestão da política de Educação Permanente em Saúde (EPS), observados por profissionais da saúde participantes do Núcleo Municipal de Educação em Saúde Coletiva (NUMESC) de um município de pequeno porte no Rio Grande do Sul.
Materiais e Métodos: Por meio de abordagem qualitativa, com metodologia de pesquisa-ação, foram realizadas oito reuniões com o NUMESC, que foram gravadas, transcritas e submetidas à análise de conteúdo temática. Para organização do material produzido foi utilizado o software Atlas.ti.
Resultados: Este artigo descreve duas categorias temáticas encontradas: “Movimentos para o trabalho em rede intersetorial e o intercâmbio de experiências” e “Entraves para a efetiva participação social”.
Conclusão: Na primeira categoria, os profissionais afirmaram que foram feitos movimentos para um trabalho envolvendo outros setores do município, o que demandou rupturas em modos de fazer, porém trouxe resultados positivos na gestão da EPS. Na segunda categoria, observaram que, embora prevista nas normas que regem o Sistema Único de Saúde (SUS), a participação social ainda é pouco expressiva nos espaços de gestão municipal e praticamente inexistente na gestão da educação em saúde.


Palavras-chave


Educação Permanente. Estratégia Saúde da Família. Saúde Pública. Participação social.

Texto completo:

PDF

Referências


Pinto HA. Política nacional de educação permanente em saúde: aprender para transformar. In: Gomes LB, Barbosa MG, Ferla AA (org.). A educação permanente em saúde e as redes colaborativas: conexões para a produção de saberes e práticas. Atenção Básica e Educação na Saúde. Porto Alegre: Rede Unida; 2016. 23-65.

Castro CP, Campos GWS. Apoio Institucional Paideia como estratégia para educação permanente em saúde. Trab. Educ. Saúde. 2014;12(1):29-50. https://doi.org/10.1590/S1981-77462014000100003

Seixas CT, Merhy EE, Baduy RS, Junior HS. La integralidad desde la perspectiva del cuidado en salud: una experiencia del Sistema Único de Salud en Brasil. Salud Colect. 2016;12(1):113-23. https://doi.org/10.18294/sc.2016.874

Sarreta FO. Educação permanente em saúde para os trabalhadores do SUS. São Paulo: Cultura Acadêmica; 2009. https://doi.org/10.7476/9788579830099

Santos DAF, Mourão L, Naiff LAM. Representações Sociais acerca do Trabalho em Equipe. Psicol. cienc. prof. 2014;34(3):643-659. https://doi.org/10.1590/1982-3703000802013

Brasil. Presidência da República. Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União 31dez 1990; Seção 1:4-5.

Cruz PJSC, Vieira SCR, Massa NM, Araújo TAM, Vasconcelos ACCP. Desafios para a participação popular em saúde: reflexões a partir da educação popular na construção de conselho local de saúde em comunidades de João Pessoa, PB. Saude soc. 2012;21(4):1087-1100. https://doi.org/10.1590/S0104-12902012000400025

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis. 2004;14(1):41-65. https://doi.org/10.1590/S0103-73312004000100004

Merhy EE. Multidão: esfinge da saúde pública, lugar de inflexão, ideias do bem comum. Saude soc. 2015;24(1):44-54. https://doi.org/10.1590/S0104-12902015S01004

Lopes R, Tocantins FR. Promoção da saúde e a educação crítica. Interface: Comunic., Saúde, Educ. 2012;16(40):235-46. https://doi.org/10.1590/S1414-32832012005000009

Tripp D. Educação e Pesquisa. 13 ed. São Paulo: Ed. São Paulo; 2005.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14 ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Catuípe. Prefeitura Municipal de Catuípe: A cidade [Internet]. 2015 [capturado 2015 Ago 29]. Disponível em: http://www.catuipe. rs.gov.br/a-cidade

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio

ambicioso e necessário. Interface: Comunic., Saúde, Educ.

;9(16):161-168. https://doi.org/10.1590/S1414-3283

Righi LB. Apoio matricial e institucional em Saúde: entrevista com Gastão Wagner de Sousa Campos. Interface: Comunic., Saúde, Educ. 2014;18(Supl 1):1145-50. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.1146

Nascimento AF, Deslandes SF. A construção da agenda pública brasileira de enfrentamento da violência sexual infanto-juvenil. Physis. 2016; 26(4):1171-1191. https://doi.org/10.1590/s0103-73312016000400006

Magalhães HMJ. Redes de Atenção à Saúde: rumo à integralidade. Divulg. saúde debate. 2014;52:15-37. Disponível em: http://cebes.org.br/site/wp-content/uploads/2014/12/Divulgacao-52.pdf

Mendes EV. Comentários sobre as Redes de Atenção à Saúde no SUS. Divulg. saúde debate. 2014;52:38-49. Disponível em: http://cebes.org.br/site/wp-content/uploads/2014/12/Divulgacao-52.pdf

Gomes LB, Merhy EE. Colaborações ao debate sobre a revisão da política nacional de educação permanente em saúde In: Gomes LB, Barbosa MG, Ferla AA (org.). A educação permanente em saúde e as redes colaborativas: conexões para a produção de saberes e práticas. Atenção Básica e Educação na Saúde. Porto Alegre: Rede Unida; 2016.67-92.

Campos GWS. Saúde Paideia. 3. ed. São Paulo: Hucitec; 2011.

Cecilio LCO. O “trabalhador moral” na saúde: reflexões sobre um conceito. Interface (Botucatu). 2007;11(22):345-351. https://doi.org/10.1590/S1414-32832007000200012

Prado EV, Sarmento DS, Costa LJA. O diálogo como estratégia de promoção de participação popular no SUS. Rev. APS. 2015;18(4):424-429. Disponível em: https://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/view/2702/905

Cardoso IM. “Rodas de educação permanente” na atenção básica de saúde: analisando contribuições. Saude soc. 2012;21(Supl.1):18-28. https://doi.org/10.1590/S0104-12902012000500002




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2019.3.32151

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS