Toxicidade e efeitos adversos decorrente do tratamento quimioterápico antineoplásico em pacientes pediátricos: revisão integrativa

Clarissa Weiss Iuchno, Gisele Pereira De Carvalho

Resumo


Introdução: O câncer infanto-juvenil é considerado raro quando comparado ao câncer no adulto, porém houve aumento nas taxas de incidência, nos últimos anos. O uso de quimioterápicos antineoplásicos é uma das modalidades terapêuticas para tratamento das neoplasias. Em virtude da ação não específica dos quimioterápicos, ocorrem os efeitos adversos e a toxicidade. Os efeitos adversos e as toxicidades devem ser monitorados, graduadas e notificadas.

Objetivo: Conhecer as produções científicas nacionais e internacionais sobre os efeitos adversos e a toxicidade do tratamento quimioterápico em pacientes pediátricos.

Materiais e Métodos: Trata-se de uma revisão integrativa de artigos realizada nas bases de Scientific Eletronic Library Online (SciELO), PubMed e Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), com os seguintes descritores: “toxicidade”, “efeitos adversos”, “oncologia”, “quimioterapia” e “pediatria”. Foram incluídos artigos publicados entre 2011 e 2016, nos idiomas português, inglês e espanhol e que estivessem disponíveis na íntegra sem restrição de acessibilidade.

Resultados: Foram selecionados 13 artigos que contemplavam o objetivo do estudo, destes, apenas dois nacionais. Entre as toxicidades citadas estão: cardiotoxicidade, neutropenia febril, mucosite, neuropatia periférica, neurotoxicidade central, hepatotoxicidade e ototoxicidade. Oito artigos classificaram a toxicidade, enquanto sete não. Asparaginase, vincristina e doxorrubicina, foram alguns dos quimioterápicos antineoplásicos presentes nos estudos.

Conclusão: Apesar das altas taxas de cura das neoplasias infanto-juvenis e aos avanços no tratamento, deve-se considerar a toxicidade do mesmo para estes pacientes. A literatura vigente enfatiza a necessidade de novos estudos que visem à identificação das toxicidades relacionadas ao tratamento quimioterápico. Reforça-se, também, a necessidade de registro e da classificação das toxicidades, para que se tenha conhecimento dos efeitos adversos e das toxicidades do tratamento quimioterápico antineoplásico. Sendo assim, é essencial o acompanhamento das toxicidades tardias de sobreviventes do câncer infantil que são impactantes para o desenvolvimento e qualidade de vida dos mesmos.


Palavras-chave


toxicidade; efeitos adversos; oncologia; quimioterapia; pediatria.

Texto completo:

PDF

Referências


Ries LAG, Smith MA, Gurney JG, Linet M, Tamra T, Young JL, et al., editors. Cancer incidence and survival among children and adolescents: United States SEER Program 1975-1995. Bethesda: National Cancer Institute; 1999.

Instituto Nacional de Câncer. Incidência, mortalidade e morbidade hospitalar por câncer em crianças, adolescentes e adultos jovens no Brasil: informações dos registros de câncer e do sistema de mortalidade. Rio de Janeiro: INCA; 2016.

Thompson, S. When kids get cancer. RN Magazine. 2003;66(7):

Atas E, Korkmazer N, Artik HA, Babacan O, Kesik V. Raynaud’s phenomenon in a child with medulloblastoma as a late effect of chemotherapy. J Can Res Ther 2015;11(3):666.

Caldas EA, Brito LMO, Caldas PA, Rocha SCM, Filho EDF, Chein MBC. Caracterização audiológica de crianças em tratamento oncológico. Audiol Commun Res. 2015;20(2):104-9.

Sasada INV, Munerato MC, Gregianin LJ. Mucosite oral em crianças com câncer: revisão da literatura. RFO UPF. 2013;18(3):345-50.

Barrett JS, Patel D, Dombrowsky E, Bajaj G, Skolnik JM. Risk Assessment of Drug Interaction Potential and Concomitant Dosing Pattern on Targeted Toxicities in Pediatric Cancer Patients. AAPS J. 2013;15(3):775-86.

Lavoie Smith EM, Li L, Hutchinson RJ, Ho R, Burnette WB, Wells E, et al. Measuring vincristine-induced peripheral neuropathy in children with acute lymphoblastic leukemia. Cancer Nurs 2013;36(5):E49-E60.

Sharib JM, Cyrus J, Horvai A, Gray Hazard FK, Neuhaus J, Matthay KK, et al. Predictors of acute chemotherapy-associated toxicity in patients with ewing sarcoma. Pediatr Blood Cancer. 2012;59(4): 611-6.

-33.

Lipshultz SE, Miller TL, Lipsitz SR, Neuberg DS, Dahlberg SE, Colan SD, et al. Continuous Versus bolus infusion of doxorubicin in children with ALL: long-term cardiac outcomes. Pediatrics. 2012;130(6):1003-11.

Welch, GH, Black, WC. Are deaths within 1 month of cancer-directed surgery attributed to cancer? J Natl Cancer Inst. 2002;94(14): 1066-70.

Ray-Coquard I, Ghesquière H, Bachelot T, Borg C, Biron P, Sebban C, et al. Identification of patients at risk for early death after conventional chemotherapy in solid tumors and lymphomas. Br J Cancer. 2001;85(6):816-22.

Bonassa EMA, Gato MIR. Enfermagem em terapêutica oncológica.

ed. São Paulo: Atheneu; 2012.

Cicogna EC. Crianças e adolescentes com câncer: experiências com a quimioterapia. [dissertação]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP; 2009.

Cancer Therapy Evaluation Program: Common Terminology Criteria for Adverse Events, Version 4.0. Bethesda: National Cancer Institute; 2010.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária; Sociedade Brasileira de Farmacêuticos em Oncologia. Guia para notificação de reações adversas em oncologia. 2. ed. São Paulo: ANVISA; 2011.

Instituto Nacional de Câncer. Quimioterapia. Rio de Janeiro: INCA; 2008.

Ramjaun A, AlDuhaiby E, Ahmed S, Wang L, Yu E, Nathan PC, et al. Echocardiographic detection of cardiac dysfunction in childhood cancer survivors: how long is screening required? Pediatr Blood Cancer. 2015;62(12):2197-203.

Atas E, Kesik V. Antracyclin toxicity in a child with primitive neuroectodermal tumor of the chest wall with and brain metastasis. J Canc Res Ther. 2015;11(3):668.

Tong WH, Pieters R, de Groot-Kruseman HA, Hop WCJ, Boos J, Tissing WJE, Van der Sluis IM. The toxicity of very prolonged courses of PEGasparaginase or Erwinia asparaginase in relation to asparaginase activity, with a special focus on dyslipidemia. Haematologica. 2014;99(11):1716-21.

Altaf S, Enders F, Lyden E, Donaldson SS, Rodeberg D, Arndt C. Age-related toxicity in patients with rhabdomyosarcoma: a report from the children’s oncology group. J Pediatr Hematol Oncol. 2014;36(8):599-604.

Orgel E, Sposto R, Malvar J, Seibel NL, Ladas E, Gaynon PS, et al. Impact on survival and toxicity by duration of weight extremes during treatment for pediatric acute lymphoblastic leukemia: a report from the Children’s Oncology Group. J Clin Oncol. 2014;32(13):1331-7.

Hijiya N, van der Sluis IM. Asparaginase-associated toxicity in children with acute lymphoblastic leukemia. Leuk Lymphoma. 2016;57(4):748-57.

Saad ED, Hoff PM, Carnelós RP, Katz A, Novis YAS, Pietrocola M, et al. Critérios comuns de toxicidade do Instituto Nacional de Câncer dos Estados Unidos. Rev Bras Cancerol. 2002;48(1):63-96.

Lopes LF, Camargo B, Bianchi A. Os efeitos tardios do tratamento do câncer infantil. Rev Assoc Med Bras. 2000;46(3):277-84.

Teles SS, Valle ERM. Adulto sobrevivente de câncer infantil: uma revisão bibliográfica. Psicol Estud. 2009;14(2):355-63.

Phillips SM, Padgett LS, Leisenring WM, Stratton KK, Bishop K, Krull KR, et al. Survivors of childhood cancer in the United States: prevalence and burden of morbidity. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2015;24(4):653-63.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2019.1.30329

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS