Desenvolvimento motor de crianças em zonas rurais e urbanas: um estudo comparativo

Renata Rosa Sasso, Susane Graup, Simone Lara, Rodrigo de Souza Balk, Eloa Maria dos Santos Chiquetti, Mariana Vieira de Sá

Resumo


Objetivo: Comparar o desenvolvimento motor de crianças residentes de zonas rurais e urbanas.
Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal, quantitativo e descritivo, no qual foram incluídas 153 crianças, de 07 a 10 anos, ambos os sexos, divididas em dois grupos, sendo o Grupo Rural (GR) composto por 76 crianças e o Grupo Urbano (GU) formado por 77 crianças. O desenvolvimento motor foi avaliado através da bateria de testes de avaliação motora – Movement Assessment Battery for Children – segunda edição (MABC-2), que foi desenvolvido para avaliar deficiências motoras de crianças nas faixas etárias de 3 a 16 anos de idade. O MABC-2 contém 3 baterias de testes para respectivas faixas etárias. Para o presente estudo utilizou-se a Banda 2, que avalia crianças de 7 a 10 anos de idade. Esse instrumento é composto por 8 tarefas, 3 tarefas que medem a destreza manual, 2 tarefas medem habilidade com bola e 3 tarefas medem o equilíbrio estático e dinâmico.
Resultados: Houve uma prevalência superior de crianças com atrasos motores no GU (32,5%) quando comparado ao GR (15,8%). O GR obteve um melhor padrão motor em relação ao GU nas habilidades motoras de mirar e receber (p=0,01) e de equilíbrio (p=0,008). Quando analisados entre os grupos e conforme o sexo, o grupo feminino urbano foi o grupo com maior frequência de atrasos motores (33,3%).
Conclusão: As crianças residentes na área rural apresentaram um melhor desenvolvimento motor do que as crianças que vivem na zona urbana.


Palavras-chave


criança; habilidades motoras; equilíbrio postural.

Texto completo:

PDF

Referências


Gallahue DL, Ozmun JC, Goodway JD. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. 7ª ed. Porto Alegre: AMGH; 2013.

Silva JAO, Dantas LE, Cattuzzo MT, Walter C, Moreira CRP, Souza CJF. Teste MABC: aplicabilidade da lista de checagem na Região Sudeste do Brasil. Rev Port Ciênc Desporto. 2006;6(3):356-61.

https://doi.org/10.5628/rpcd.06.03.356

Diagnostic and statistical manual of mental disorders. 4th ed. Washington: DC: American Psychiatric Association; 1994.

Nazario PF, Peres LW, Krebs RJ. A influência do contexto no comportamento motor: Uma revisão. Rev Digital EFDeportes.com. 2011;152(15):1.

Spessato BC, Valentini NC, Krebs RJ, Berleze A. Educação infantil e intervenção motora: um olhar a partir da teoria bioecológica de Bronfenbrenner. Movimento. 2009;15(4):147-73.

Papst J, Marques I. Avaliação do desenvolvimento motor de crianças com dificuldade de aprendizagem. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2010;12(1):36-42.

Venetsanou F, Kambas A. Environmental factors affecting preschoolers’ motor development. Early Child Educ J. 2010;37: 319-27.

https://doi.org/10.1007/s10643-009-0350-z

Nave MLJ. A criança, o meio e o perfil psicomotor [dissertação]. Castelo Branco: Instituto Politécnico de Castelo Branco; 2010.

Hoehr CF, Reuter CP, Tornquist L, Nunes HMB, Burgos MS. Prevalência de obesidade e hipertensão arterial em escolares: estudo comparativo entre escolas rurais do município de Santa Cruz do Sul/RS. Rev Epidemiol Control Infect. 2014;4(2):122-6.

https://doi.org/10.17058/reci.v4i2.4772

Witeck GA, Franz LBB, Busnello MB, Battisti IDE, Marchi D, Berlezi EM, Cargnin D, Dal Ri RK. Índices antropométricos e fatores de risco cardiovascular entre mulheres residentes em uma área rural do estado do Rio Grande do Sul. Sci Med. 2010;20(4):282-8.

Henderson S, Sugden DA, Barnett A. Movement assessment battery for children. 2nd ed. San Antonio: Harcourt Assessment; 2007.

Valentini NC, Ramalho MH, Olivei¬ra MA. Movement assessment battery for children-2: translation, reliability, and validity for Brazilian children. Res Dev Disabil. 2014;35(3):733-40.

https://doi.org/10.1016/j.ridd.2013.10.028

Toniolo CS, Capellini SA. Transtorno do desenvolvimento da coordenação: revisão de literatura sobre os instrumentos de avaliação. Rev Psicopedag. 2010;27(82):109-16.

Valentini NC, Coutinho MTC, Pansera SM, Santos VAP, Vieira JLL, Ramalho MH, Oliveira MA. Prevalência de déficits motores e desordem coordenativa desenvolvimental em crianças da região Sul do Brasil. Rev Paul Pediatr. 2012;30(3):377-84.

https://doi.org/10.1590/S0103-05822012000300011

Beltrame TS, Capistrano R, Alexandre JM, Lisboa T, Andrade RD, Felden EPG. Prevalência do Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação em uma amostra de crianças brasileiras. Cad Bras Ter Ocup. 2017;25(1):105-13.

https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO0777

Soares NIS, Leone ID, Costa VB, Silva VF, Cabral PUL, Vieira CMS, Madeira FB. Coordenação motora em escolares: relação com a idade, gênero, estado nutricional e instituição de ensino. Biomotriz (Online). 2014;8(1):36-48.

Belluzzo PR, Rufino MB, Cabral JFR, Costa JCM, Oliveira RAR, Soares LA, Ferreira EF. Desempenho motor de escolares matriculados nos anos iniciais do ensino fundamental. RBPFEX. 2016;10(62):773-81.

Silva J, Beltrame TS. Indicativo de transtorno do desenvolvimento da coordenação de escolares com idade entre 7 e 10 anos. Rev Bras Ciênc Esporte. 2013;35(1):3-14.

https://doi.org/10.1590/S0101-32892013000100002

Santos VAPD, Vieira JLL. Prevalência de desordem coordenativa desenvolvimental em crianças com 7 a 10 anos de idade. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2013;15(2):233-42.

https://doi.org/10.5007/1980-0037.2013v15n2p233

Souza C, Ferreira L, Catuzzo MT, Corrêa UC. O teste ABC do movimento em crianças de ambientes diferentes. Rev Port Cien Desp. 2007;7(1):36-47.

Cappellini AC, Mancini S, Zuffellato S, Bini F, Polcaro P, Conti AA, Molino LR, Macchi C. Environmental effects on school age child psychomotricity. Minerva Pediatr. 2008;60(3):277-84.

Pedrosa OP, Pereira ACB, Silva AC, Pinho ST. Aptidão física de escolares da zona urbana e da zona rural da cidade de Porto Velho/RO. An Sem Educa. 2010;1(1):181-95.

Brown T, O’Keefe S, Stagnitti K. Activity preferences and participation

of school-age children living in urban and rural environments. Occup Ther Health Care. 2011;25(4):225-39.

https://doi.org/10.3109/07380577.2011.589889

Barbosa GO, Munster, MA. O efeito de um programa de equoterapia no desenvolvimento psicomotor de crianças com indicativos de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Rev Bras Educ Espec. 2014;20(1):69-84.

https://doi.org/10.1590/S1413-65382014000100006

Oliveira C. O ambiente urbano e a formação da criança. São Paulo: Aleph; 2004.

Chaves ICG. Tecnologia e infância: um olhar sobre as brincadeiras das crianças. [trabalho de conclusão de curso]. Maringá: Universidade Estadual de Maringá; 2014.

Paiva NMN, Costa JS. A influência da tecnologia na infância: desenvolvimento ou ameaça? Portal dos psicólogos [periódico online]. 2015 [capturado 2018]. Disponível em:

http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0839.pdf

Spessato BC, Gabbard C, Valentini N, Rudisill M. Gender differences in Brazilian children’s fundamental movement skill performance. Early Child Dev Care. 2013;183(7):916-23.

https://doi.org/10.1080/03004430.2012.689761

Goellner SV. Mulher e esporte no Brasil: entre incentivos e interdições elas fazem história. Pensar Prát. 2005;8(1):85-100.

Tucker P. The physical activity levels of preschool-aged children: a systematic review. Early Child Res Q. 2008;23:547-58.

https://doi.org/10.1016/j.ecresq.2008.08.005




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2018.3.30098

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS