Condições socioecológicas familiares nos primeiros dois anos de vida de crianças quilombolas no Pará: um estudo de base populacional

Raissa Cecília Rosalino Guimarães, Hilton Pereira da Silva, Edson Marcos Leal Soares Ramos

Resumo


Objetivo: Esta pesquisa analisou a situação de crescimento de crianças de 22 comunidades remanescentes de quilombos em diversos ecossistemas do Estado do Pará e a relação com as condições socioecológicas familiares.

Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo observacional, transversal, com amostra obtida por conveniência e demanda espontânea, constituída por crianças entre 0 e 24 meses de idade, de ambos os sexos, e seus pais ou responsáveis. Para análise utilizou-se medidas antropométricas das crianças e entrevistas semiestruturadas sobre aspectos socioeconômicos, hábitos de vida e saneamento ambiental com cada chefe de família. Os índices Peso-para-Idade, Estatura-para-Idade e Índice de Massa Corporal-para-Idade foram os descritores do estado nutricional das crianças. Para este estudo foram considerados como variáveis dependentes os dados antropométricos e como variáveis independentes os fatores socioecológicos, analisados por meio do teste de Qui quadrado e Análise de Correspondência.

Resultados: A amostra foi constituída por 110 crianças e 87 adultos. O estudo mostrou que as comunidades investigadas não possuem formas adequadas de destinação do esgoto e das fezes, e a água utilizada nos domicílios é majoritariamente proveniente de poços abertos, evidenciando precária infraestrutura, dificuldade de acesso à água potável e saneamento ambiental inexistente. A análise antropométrica demonstra ocorrência considerável de indivíduos com baixo peso (6,8%) e déficit estatural (23,4%), ao mesmo tempo em que se identifica excesso de peso em algumas crianças (11,1%).

Conclusão: Os dados mostram uma precária infraestrutura familiar e um processo de transição nutricional precoce entre os quilombolas, e reforçam a importância da realização de pesquisas com delineamento transdisciplinar.


Palavras-chave


saúde da população negra; Amazônia; transição nutricional; crescimento; quilombo.

Texto completo:

PDF

Referências


Lopes F. Raça, saúde e vulnerabilidades. In: Batista LE, Kalckmann S. Raça, etnia e saúde. São Paulo: Instituto de Saúde; 2003. p. 7-11.

Chor D, Lima CRA. Aspectos epidemiológicos das desigualdades raciais em saúde no Brasil. Cad Saúde Pública. 2005;21(5):1586-94. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2005000500033

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Relatório sobre sistema de vigilância alimentar e nutricional: módulo de gestão do Programa Bolsa Família na Saúde no Estado do Pará. Brasília, DF; 2008.

Guerrero AFH. Situação nutricional de populações remanescentes de quilombos do município de Santarém – Pará, Brasil [tese]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2010.

Comissão Pró-Índio de São Paulo [Internet]. [capturado 15 de dezembro de 2015]. Disponível em: http://www.quilombo.org.br/

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Conselho Nacional de Assistência Social. Relatório GT Quilombola. Brasília, DF; 2007.

Volochko A, Batista LE. Saúde nos Quilombos. São Paulo: Instituto de Saúde; 2009.

Martorell R. Improved nutrition in the first 1000 days and adult human capital and health. Am J Hum Biol. 2017;29:1-12. https://doi.org/10.1002/ajhb.22952

Macrae F. A baby’s first 1,000 days’ determines their health prospects for life [Internet]. 2011 [capturado 29 de agosto de 2015]. Disponível em: http://www.dailymail.co.uk/health/article-2026482/Babys-1-000-days-determine-health-prospects-life.html

Black RE, Victora CG, Walker SP, Bhutta ZA, Christian P, Onis M, Ezzati M, Grantham-McGregor S, Katz J, Martorell R, Uauy R. Maternal and child undernutrition and overweight in low-income and middle-income countries. Lancet. 2013;382(9890):427-51.

https://doi.org/10.1016/S0140-6736(13)60937-X

Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento. Brasília, DF; 2012.

Leroy JL, Ruel M, Habicht JP, Frongillo EA. Linear growth deficit continues to accumulate beyond the first 1000 days in low- and middle-income countries: global evidence from 51 national surveys. J Nutr. 2014;144(9):1460-6. https://doi.org/10.3945/jn.114.191981

Martins VJB, Toledo Florêncio TMM, Grillo LP, Franco MCP, Martins PA, Clemente APG, Santos CDL, Vieira MFA, Sawaya AL. Longlasting effects of undernutrition. Int J Environ Res Public Health. 2011;8:1817-46. https://doi.org/10.3390/ijerph8061817

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN. Brasília, DF; 2011.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação. Cadernos de Estudos Desenvolvimento Social em Debate. Políticas sociais e chamada nutricional quilombola: estudos sobre condições de vida nas comunidades e situação nutricional das crianças. Brasília, DF; 2008.

Oliveira ASJ. Quilombolas do Pará: condições de vulnerabilidade nas comunidades remanescentes de Quilombo. Assis: Triunfal; 2011.

Siqueira PP, Alves JGB, Figueiroa JN. Fatores associados ao excesso de peso em crianças de uma favela do Nordeste brasileiro. Rev Paul Ped. 2009;27(3):251-7. https://doi.org/10.1590/S0103-05822009000300004

Lopes PCS, Prado SRLA, Colombo P. Fatores de risco associados à obesidade e sobrepeso em crianças em idade escolar. Rev Bras Enferm. 2010;1-6. https://doi.org/10.1590/S0034-71672010000100012

Silva HP, Padez C, Moura EAF, Filgueiras LA. Social determinants of health among traditional Amazonian populations: obesity, hypertension and the epidemiologic transition. Ann Hum Biol. 2016; 43(4):371-81. https://doi.org/10.1080/03014460.2016.1197967

Ziol-Guest KM, Duncan GJ, Kalil A. Early childhood poverty and adult body mass index. Am J Public Health. 2009;99(3):527-32.

https://doi.org/10.2105/AJPH.2007.130575

Alves JGB, Figueira F. Doenças do adulto com raízes na infância. Rio de Janeiro: Medbook Editora Científica; 2010.

Acevedo-Marin R, Castro EMR. No caminho de pedras de Abacatal: experiência social de grupos negros no Pará. 2ª ed. Belém: NAEA/UFPA; 2004.

Costa RC. “Como uma comunidade”: formas associativas em Santo Antônio/PA: imbricações entre parentesco, gênero e identidade [dissertação]. Belém: Universidade Federal do Pará; 2008.

Borges WD. Prevalência da hipertensão arterial sistêmica e seus determinantes bioantropológicos em populações quilombolas da Amazônia [dissertação]. Belém: Universidade Federal do Pará; 2011.

Cavalcante IMS. Acesso e acessibilidade aos serviços de saúde em três quilombos na Amazônia Paraense: um olhar antropológico [dissertação]. Belém: Universidade Federal do Pará; 2011.

Melo FT, Silva HP. Doenças crônicas e os determinantes sociais da saúde em comunidades quilombolas do Pará, Amazônia, Brasil [Internet]. Rev ABPN. 2015;7(16):168-89 [capturado 27 de agosto de 2016]. Disponível em: http://abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/103

Guimarães RCR. Condições socioeconômicas, demográficas e o crescimento de crianças quilombolas no Pará [dissertação]. Belém: Universidade Federal do Pará; 2016.

Guimarães RCR, Silva HP. Estado nutricional e crescimento de crianças quilombolas de diferentes comunidades do Estado do Pará. Amazônica. 2015;7(1):1-23. https://doi.org/10.18542/amazonica.v7i1.2156

World Health Organization. The WHO child growth standards. Geneva: WHO; 2006.

World Health Organization. WHO anthro plus: version 3.2.2 [Internet]. Geneva: WHO; 2011 [capturado 28 de outubro de 2009]. Disponível em: http://www.who.int/childgrowth/software/en/

Silva HP. Aspectos demográficos e médico-epidemiológicos dos residentes na Floresta Nacional da Caxiuanã, Melgaço, Pará. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi; 2002.

Bezerra VM, Andrade ACS, César CC, Caiaffa WT. Domínios de atividade física em comunidades quilombolas do sudoeste da Bahia, Brasil: Estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. 2015;31(3):1213-24. https://doi.org/10.1590/0102-311X00056414

Araújo AS, Anjos DR, Silva RS, Santos MAS, Martins CM, Almeida RHC. Análise socioeconômica de agricultores da comunidade quilombola do Abacatal, Ananindeua, estado do Pará, Brasil. Biota Amaz. 2017;7(1):30-7. https://doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v7n1p30-37

Pinho PM, Pamplona VMS, Ramos EMLS. Avaliação nutricional em quilombolas marajoaras. Belém: UFPA; 2013.

Silva AAM. A desigualdade de renda no Brasil está diminuindo? Cad Saúde Pública. 2015;31(6):1125-6. https://doi.org/10.1590/0102-311XED010615

Piperata BA, McSweeny D, Murrieta RSS. Conditional cash transfers, food security and health: biocultural insights for poverty-alleviation policy from the Brazilian Amazon. Curr. Anthropol. 2016;57(6): 1-21. https://doi.org/10.1086/68891238

Silva EA. Territórios quilombolas no Vale do Mucuri: As comunidades remanescentes de quilombo de Teófilo Otoni/MG. Rev Inst Ciên Hum. 2012;7(8):19-33.

Pinto MT, Pichon-Riviere A, Bardach A. Estimativa da carga do tabagismo no Brasil: mortalidade, morbidade e custos. Cad Saúde Pública. 2015;31(6):1283-97. https://doi.org/10.1590/0102-311X00192013

Moura EC, Malta DC. Consumo de bebidas alcoólicas na população adulta brasileira: características sócio-demográficas e tendência. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(1):61-70. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2011000500007

Cardoso LGV, Melo APS, Cesar CC. Prevalência do consumo moderado e excessivo de álcool e fatores associados entre residentes de comunidades quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(3):809-20. https://doi.org/10.1590/1413-81232015203.12702014

Silva SA, Moura EC. Determinantes do estado de saúde de crianças ribeirinhas menores de dois anos de idade do Estado do Pará, Brasil: um estudo transversal. Cad Saúde Pública. 2010; 26(2):273-85. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000200007

Murasko JE. Height, BMI, and relative economic standing in children from developing countries. Am J Hum Biol. 2017;29(3). https://doi.org/10.1002/ajhb.22958

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamento Familiar – POF 2008/2009. Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Filgueiras LA. Crianças ribeirinhas e quilombolas da Amazônia: crescimento, determinantes sociais de saúde e políticas públicas [tese]. Belém: Universidade Federal do Pará; 2016.

Filgueiras LA, Silva HP. Condições ecológicas e de saúde da população da Floresta Nacional de Caxiuanã, Pará, Brasil: análises antropométricas preliminares. In: VI Seminário Brasileiro sobre Áreas Protegidas e Inclusão Social; II Encontro Latino Americano sobre Áreas Protegidas e Inclusão Social. Áreas protegidas e inclusão social: tendências e perspectivas. Belo Horizonte; 2013. v. 6. p. 1166-1176.

Martins IS, Marinho SP, Oliveira DC, Araújo EAC. Pobreza, desnutrição e obesidade: inter-relação de estados nutricionais de indivíduos de uma mesma família. Ciênc Saúde Colet. 2007;12(6):1553-65.

https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000600017

Netto-Oliveira ER, Oliveira AAB, Nakashima ATA, Rosaneli CF, Oliveira Filho A, Rechenchosky L, Moraes ACF. Sobrepeso e obesidade em crianças de diferentes níveis econômicos. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2010;12(2):83-9. https://doi.org/10.5007/1980-0037.2010v12n2p83




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2018.2.29521

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS