Convivência entre pacientes com câncer em uma casa de apoio

Jaqueline Aparecida dos Santos, Ivandira Anselmo Ribeiro Simões, Maria Isabel Marques Pereira

Resumo


Introdução: O número de casos de câncer tem aumentado significativamente nos últimos anos, com o diagnóstico precoce e adequado tratamento, as chances de sobrevivência dos pacientes aumentam. Neste cenário é que surgiram as casas de apoio com o intuito de oferecer um recurso de assistência e cuidados a pessoas com câncer. Essas pessoas têm as condições de saúde agravadas pelos efeitos colaterais, certas limitações, e a necessidade de permanência fora de sua cidade para realizarem tratamento.

Objetivo: Conhecer a percepção dos pacientes em tratamento de câncer sobre a convivência em uma casa de apoio.

Materiais e Métodos: Pesquisa de abordagem qualitativa, exploratória, descritiva e transversal, teve como método o Discurso do Sujeito Coletivo com base na Teoria das Representações Sociais. A amostra foi de 12 pacientes da Casa de Apoio “Associação do Voluntariado Contra o Câncer (AVOCC)”, na cidade de Poços de Caldas-MG.

Resultados: Identificaram-se três ideias centrais: “Boa convivência”, “Como se fosse uma família” e “Discernimento e respeito”.

Conclusão: Estar em um ambiente mais parecido com sua casa, longe da tensão dos hospitais, torna-se um fator de contribuição aos pacientes. É importante a intervenção do estado apoiando e facilitando a vida do usuário com câncer ao criar casas de apoio ou instituições que assistam e auxiliem esses pacientes. Foi possível observar que o respeito entre os pacientes é um dos segredos para se conviver em harmonia. Eles possuem entre eles, nas casas de apoio, uma convivência tão boa que se sentem como se estivessem em família.


Palavras-chave


apoio social; pacientes; câncer.

Texto completo:

PDF

Referências


Instituto Oncoguia. Estimativas no mundo [Internet] [capturado 2017 ago. 11]. Disponível em: http://www.oncoguia.org.br/conteudo/estimativas-no-mundo/1706/1/

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2016: incidência de câncer no Brasil [Internet] [capturado 2017 ago 11]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2016/index.asp?ID=2

Domingues GR, Alves KO, Carmo PHS, Galvão SS, Teixeira SS, Baldoino EF. A atuação do psicólogo no tratamento de pacientes terminais e seus familiares. Psicol Hospitalar. 2013;11(1):2-24.

Santinho CS, Alves VC. Epidemiologia do câncer. In: Fonseca SM, Pereira SR. Enfermagem em oncologia. São Paulo: Atheneu; 2013. p. 13-23.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 876, 16 de maio de 2013. Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do paciente com neoplasia maligna comprovada, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). DOU [Internet]. 2013 maio 22 [capturado 2017 set. 11]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0876_16_05_2013.html

Ferreira PC, Wakiuchi J, Baldissera, VDA, Sales CA. Sentimentos existenciais expressos por usuários da casa de apoio para pessoas com câncer. Esc Anna Nery. 2015;19(1):66-2.

Melo RGC de, Sampaio MP. Casas de apoio: inserção e contribuições do assistente social no terceiro setor. Rev Científica Faminas. 2013;9(2):115-44.

Lima VS de. O impacto do câncer infantil e a importância do apoio solidário. Revista Inter-Legere. 2013;11:180-97.

Lefevre F, Lefevre AM. Pesquisa de representação social: um enfoque qualiquantitativo. Brasília (DF): Líber Livro; 2010.

Sales CA, Piolli KC, Reticena KO, Wakiuchi J, Marcon SS. Presença familiar no olhar existencial da pessoa com câncer: compreendendo o fenômeno à luz heideggeriana. Rev Eletr Enferm. 2015;17(1): 30-6. https://doi.org/10.5216/ree.v17i1.27639

Rodrigues JSM, Ferreira NMLA. Estrutura e funcionalidade de rede de apoio social do adulto com câncer. Acta Paul Enferm. 2012;25(5):781-7. https://doi.org/10.1590/S0103-21002012000500021

Zillmer JGV, Schwartz E, Burille A, Linck CL, Lange C, Eslabão A. Vínculos dos clientes oncológicos e familiares: uma dimensão a ser conhecida. Enferm Global. 2012;25:45-52.

Brandi AC, Cavasini SM. Psicologia como suporte de apoio ao paciente, à família e à equipe em oncologia. In: Fonseca SM, Pereira SR. Enfermagem em oncologia. São Paulo: Atheneu; 2013. p. 305-14.

Di Primio AO, Schwartz E, Bielemann VLM, Burille A, Zillmer JGV, Feijó AM. Rede social e vínculos apoiadores das famílias de crianças com câncer. Resultados da pesquisa Texto Contexto- Enferm. 2010;19(2):334-42. https://doi.org/10.1590/S0104-07072010000200015

Souza ZS, Moraes MIDM. A ética médica e o respeito às crenças religiosas. Rev Bioética. 2014;6(1):1-4.

Miranda SL, Lara LMA, Felippe WC. Espiritualidade, depressão e qualidade de vida no enfrentamento do câncer: estudo exploratório. Psicol Cienc Prof. 2015;35(3):870-85. https://doi.org/10.1590/1982-3703002342013




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2018.1.27278

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS